É com uma produção de Hollywood (Robocop) que inicia hoje à tarde, na Cinemateca, mais um IndieLisboa. Um arranque pouco convencional (e violento) para um festival de cinema independente, e que se justifica pelo facto de o realizador Paul Verhoeven ser o homenageado da secção Herói Independente. Mas, como há mais 288 filmes para ver até 1 de Maio, sugerimos um percurso por Lisboa através de cinco filmes.

 

Texto: César Avó

 

É fácil perdermo-nos no IndieLisboa, tal a variedade de propostas, dividida em secções, sessões e actividades paralelas entre a Culturgest, o São Jorge, a Cinemateca e o Ideal, entre outros espaços. Para nortear o espectador, além da consulta da programação em indielisboa.com e da app, Carlos Ramos, um dos directores do festival, traçou ao Corvo um mapa da cidade com uma mão cheia de filmes.

 

Chiado. Estive em Lisboa e Lembrei de Você (Culturgest, dia 28 às 19h e dia 30 às 14h45)

 

De um realizador português a viver no Brasil, José Barahona, chega esta longa-metragem (foto de abertura) que versa sobre um brasileiro que emigra para Portugal. “Lisboa é a cidade que o acolhe. Deambula pela cidade e acontecem episódios por toda a Lisboa, mas há um foco maior na zona histórica. Fica a viver numa pensão no Chiado e há cenas no restaurante Palmeira, que entretanto fechou”. Baseado num livro homónimo de Luiz Ruffato, é um dos quatro filmes a concurso na competição nacional.

 

Avenida Almirante Reis. Balada de um Batráquio (São Jorge, dia 26 às 19h e dia 28 às 21h30)

 

Vencedor do Urso de Ouro em Berlim, a obra de Leonor Teles compete nas curtas nacionais e internacionais. “Leonor Teles junta aqui a sua infância, o seu arquivo, e faz um trabalho experimental sobre o preconceito contra os ciganos de se colocarem sapos à porta das lojas. É um filme supreendente e divertido, no qual a realizadora entra de uma forma activa e militante.”

 

putos1

 

Estrela. Putos da Estrela (Culturgest e São Jorge, dias 21 a 29)

 

Filmado no Jardim da Estrela e realizado por Carolina Caramujo, parte da base documental (as respostas de quatro petizes a um inquérito) para uma incursão na ficção. “O Jardim da Estrela passa a ser o cenário das personagens criadas pelas crianças e há narrativas que ali ganham vida.” O filme está incluído na secção Indie Júnior.

 

Largo do Carmo. Os Cravos e a Rocha (São Jorge, dia 25, 21h45)

 

Projectado numa sessão especial comemorativa do 25 de Abril que inclui o documentário A Ilha dos Ausentes, de José Vieira, Os Cravos e a Rocha é um documentário de Luísa Sequeira sobre a revolução e a vinda do realizador brasileiro Glauber Rocha a Portugal para filmar o momento histórico. “Assim que se deu o 25 de Abril, Glauber Rocha veio fazer uma espécie de cinema do povo, um registo colectivo da revolução dos cravos. São essas imagens que estão trabalhadas pela Luísa Sequeira.”

 

hora di bai1

 

Bairro 6 de Maio. Hora di Baio (São Jorge, dia 29 às 19h).

 

Em bom rigor, a acção (e o protagonista) desta curta fica fora dos limites do concelho de Lisboa: o Bairro 6 de Maio fica paredes meias com as Portas de Benfica. Com a assinatura de Bruno Leal, é um documentário sobre a vivência dos habitantes, de origem cabo-verdiana, naquele bairro de origem clandestina. “Há um sentimento que percorre o filme, porque por um lado há os laços criados pelas pessoas, há muitos anos, e por outro o morrer do bairro, com os depoimentos de quem ainda lá vive”. Hora di Baio está na secção Novíssimos.

 

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com