A freguesia da Estrela é aquela para a qual foi apresentado o maior número de propostas, por parte dos cidadãos, no âmbito do Orçamento Participativo (OP) 2015-2016, que este ano acolheu 481 sugestões de investimento público – o mais baixo número desde a criação do OP, em 2008 -, entre 8 de Abril e 7 de Junho. A freguesia da Estrela recebeu 57 propostas, sendo que mais de metade delas, 29, dizem respeito a intervenções a realizar apenas no Jardim da Estrela. Este popular espaço verde teve, aliás, um número de propostas quase igual ao apresentado para Alvalade, a segunda freguesia da cidade com mais ideias de investimento, com 30. Em contraste, algumas freguesias, como Santa Clara, Beato, Areeiro e São Vicente de Fora, mereceram apenas entre quatro a seis propostas.

 

O Jardim da Estrela recebeu mais propostas que essas quatro freguesias em conjunto. Desde a reformulação do parque infantil, passando pela instalação de uma rede local de internet wireless, até à construção de uma casa para os patos e a limpeza do lago onde eles estão, a elevação dos bancos do jardim – “porque os portugueses não são baixinhos”, justifica a proposta 178 – ou a instalação de um restaurante no conhecido coreto, o referido parque público mereceu um inusitado interesse por parte de alguns cidadãos. Algumas propostas, como a identificada com o número 100, fazem uma prescrição generalista: “Proposta para que o Jardim da Estrela tenha umas casas de banho em condições que é uma vergonha estar como estão. Obrigar os cães a andar presos, ser mais vigiados por guardas do jardim e mais limpeza”.

 

Mas estas, como todas as outras propostas, terão de ser analisada pelo serviços técnicos da Câmara Municipal de Lisboa, até 17 de Setembro. Quatro dias depois, será apresentada a lista provisória dos projectos a ser colocados a votação. E é bastante provável que muitas das ideias para o Jardim da Estrela sejam agregadas, até porque são várias as que se repetem quanto aos seus objectivos. A lista final de propostas sujeitas a votação no OP 2015-2016 será dada a conhecer a 5 de Outubro, estendendo-se a consulta popular até ao dia 15 de Novembro. Em 2014, mais de 36 mil pessoas votaram no OP de Lisboa – tendo sido, em contraste com 2015, a segundo edição com mais propostas apresentadas, 669, apenas ultrapassada pelas 927 de 2010.

 

Este ano, tal como na edição anterior, o Orçamento Participativo prevê atribuir uma verba global de 2,5 milhões de euros. E, da mesma forma, o montante global do OP será dividido por dois grupos de projetos: um milhão de euros para o conjunto dos projetos de valor igual ou inferior a 500.000 euros e 1,5 milhões de euros para o conjunto dos projetos de valor igual ou inferior a 150.000 euros. A seguir à Estrela (57) e a Alvalade (30), as freguesias para as quais mais propostas foram apresentadas foram São Domingos de Benfica (26), Benfica (24), Santa Maria Maior (21) e Campo de Ourique (19). No campo oposto, apenas quatro propostas foram apresentadas para a freguesia de Santa Clara, cinco para o Areeiro e para São Vicente de Fora e seis para a freguesia do Beato.

 

Algumas destas propostas apresentadas pelos cidadãos foram contabilizadas diversas vezes para diferentes freguesias, porque apresentam uma abrangência territorial alargada. Para além desta divisão territorial, o OP 2015-2016 conta ainda com cerca de 80 ideias de investimento cuja aplicação diz respeito ao conjunto da cidade – havendo ainda 52 propostas cujos serviços do OP classificaram como “por definir” no que diz respeito à sua aplicação no mapa da cidade.

 

Mais informações: http://www.lisboaparticipa.pt

 

Texto: Samuel Alemão             Fotografia: Câmara Municipal de Lisboa

 

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com