Freguesia de Alvalade “profundamente desagradada” com as obras da EPAL

ACTUALIDADE
Fernanda Ribeiro

Texto

DR

Fotografia

URBANISMO

Alvalade

21 Setembro, 2015

Causaram uma autêntica revolução em várias ruas do bairro de Alvalade, no Inverno passado. Pararam no Verão e deixaram as ruas esburacadas, com pedras soltas e canalizações de água à vista, a serpentear pelos passeios. Agora, a Assembleia de Freguesia de Alvalade responsabiliza a Empresa Pública das Águas Livres (EPAL) pelo “caos” instalado no espaço público.

 

As obras de renovação da rede das canalizações de abastecimento de água que a EPAL iniciou, em Dezembro de 2014, em várias zonas da freguesia, ainda não foram concluídas. Depois dos inconvenientes causados, durante meses, a moradores e comerciantes, há várias ruas do bairro onde o cenário é de desleixo e, até, de “caos”. O problema levou a assembleia de freguesia a aprovar, quinta-feira passada (17 de Setembro), uma moção na qual manifesta à empresa o seu “profundo desagrado” com a situação e, sobretudo, com a forma como a intervenção tem decorrido no espaço público, onde reina ainda a confusão.

 

IMG_4518


 

“Uma rede de canos a céu aberto, passeios por reparar, entradas condicionadas (nos edifícios e nas lojas) e bocas de incêndio obstruídas” são alguns dos problemas verificados em diversas ruas, na sequência das obras sob a responsabilidade da EPAL, que estiveram suspensas no Verão e não foram terminadas. Aos moradores, ainda nada foi explicado.

 

Enquanto duraram, as obras suscitaram inúmeras queixas da população, pois haviam já provocado “sérias perturbações aos moradores, ao comércio local e ao trânsito”, recorda a moção aprovada por unanimidade na Assembleia de Freguesia de Alvalade, na qual este órgão solicita “esclarecimentos à EPAL sobre o motivo da suspensão das obras” e questiona “qual o calendário previsível da sua execução”.

 

“Os moradores, comerciantes e frequentadores do bairro estão perplexos perante a situação e interrogam-se sobre os critérios de gestão da EPAL e sua preocupação com o interesse público”, diz ainda a Assembleia de Freguesia de Alvalade, que irá “instar a empresa pública para que melhore a sua comunicação com o público”.

 

IMG_4508

 

A Junta de Freguesia de Alvalade afirma que tem encaminhado as “ocorrências detectadas para a Câmara Municipal de Lisboa, órgão competente para a fiscalização das intervenções no subsolo”.

 

Mas “o caos persiste e nada justifica o desinteresse da EPAL pelos efeitos da inconclusão dos trabalhos”, afirma a moção da assembleia de freguesia, sustentando que “a responsabilidade não pode ser assacada a mais ninguém que não à Empresa Pública de Águas Livres” – empresa a quem O Corvo pediu um comentário, que não chegou até ao momento da publicação deste artigo.

MAIS ACTUALIDADE

COMENTÁRIOS

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografias & Fotografia

Paula Ferreira
Fotografía

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Send this to a friend