Fonte de Neptuno na Estefânia será restaurada “até finais de Maio”

ACTUALIDADE
Fernanda Ribeiro

Texto

URBANISMO

Arroios

13 Abril, 2016


Desde que há cerca de um mês foi abalroada, de madrugada, por um automóvel, a Fonte de Neptuno, ao Largo de Dona Estefânia, revela a quem circula na zona um aspecto totalmente degradado, com o lago a seco, as pedras da bordadura desconjuntadas e deixadas em cima do relvado que a circunda. Mas a Câmara Municipal de Lisboa diz estar a concluir agora o processo para iniciar as obras de restauro do monumento, que deverão estar prontas até finais de Maio.

Só a estátua de Neptuno, uma escultura do século XVIII da autoria de Machado de Castro, permaneceu a salvo, quando, numa madrugada já longínqua, este monumento classificado de interesse público, na Carta do Património Municipal, foi “atropelado” por um veículo ligeiro desgovernado.

As marcas do abalroamento ficaram não só nas pedras, como nos equipamentos electro-mecânicos que fazem funcionar os repuxos e, também, no relvado, onde durante algum tempo se viam as marcas das rodas do automóvel, conta ao Corvo Nuno Taborda, um comerciante instalado no Largo de Dona Estefânia.

Até à semana passada, não haviam sido feitas obras de reparação. Só a natureza trabalhara em torno da Fonte de Neptuno. “A relva já cresceu e não se notam agora as marcas que foram deixadas pelo rodado do carro. Mas as pedras continuam fora do sítio e o lago continua vazio. Espero que, em breve, seja arranjado”, dizia ao Corvo aquele comerciante.

Margarida Martins (PS), presidente da Junta de Freguesia de Arroios, concorda e lamenta o aspecto actual da Fonte de Neptuno. “Aquilo assim está horrível, mas em breve será restaurado. A obra está a cargo da Câmara Municipal de Lisboa, porque o lago e a Fonte de Neptuno estão sob a sua alçada, mas os trabalhos de restauro deverão arrancar em breve”, disse a autarca.

Ângelo Mesquita, director municipal de Ambiente Urbano, explica ao Corvo a razão pela qual as obras estão a tardar. “É um monumento classificado (bem de interesse municipal, listado na carta do património) e a intervenção de restauro teve de ser organizada em conjunto com o Departamento da Cultura da Câmara, que nos tem apoiado neste processo. Mas o procedimento para o início da obra deverá estar concluído na próxima semana, para que as obras possam, então, iniciar-se e, até finais de Maio, teremos a Fonte de Neptuno restaurada”, diz.

Os trabalhos a realizar incluirão não só a reposição do lago original, como a reparação dos equipamentos electro-mecânicos, que foram também danificados pelo abalroamento. Os trabalhos estão orçados em cerca de 35 mil euros, mas deverão ser suportados pelo seguro do condutor do automóvel”, afirmou ainda o director municipal.

De acordo com a presidente da junta de Arroios, ficará a cargo do condutor do automóvel a reparação dos danos provocados por este acidente que a fez acordar a meio da madrugada. “Não me esqueço: às 03h45 recebi dos nossos técnicos um mms com fotografias tiradas ao carro que abalroou a fonte e, a meio da noite, um telefonema a narrar o sucedido.

Mas, salienta Margarida Martins, o condutor responsável pelos prejuízos já se manifestou disponível para pagar as obras de restauro. O conjunto escultórico da autoria de Joaquim de Machado de Castro, inaugurado em 1771, já passou por diversos locais em Lisboa. Esteve inicialmente instalado na Mãe de Água, depois no Museu do Carmo e, mais tarde, no Depósito de Água dos Barbadinhos, tendo em 1951 sido transferido para o Largo de Dona Estefânia.

MAIS ACTUALIDADE

COMENTÁRIOS

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografias & Fotografia

Paula Ferreira
Fotografía

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Send this to a friend