Fonte de Neptuno na Estefânia continua destruída e à espera de ser arranjada

ACTUALIDADE
Samuel Alemão

Texto

URBANISMO

Arroios

1 Julho, 2016


As semanas passam e a prometida reparação tarda em concretizar-se. Depois de um acidente de viação, ocorrido numa madrugada de Março passado, ter resultado na destruição do muro de bordadura do lago da Fonte de Neptuno, no Largo de Dona Estefânia, foi anunciado, no mês seguinte, pela Câmara Municipal de Lisboa (CML) que a reparação do monumento deveria estar concluída “até finais de Maio”. Passado um mês sobre o prazo previsto, a presidente da Junta de Freguesia de Arroios, Margarida Martins (PS), diz ao Corvo que “a indicação mais recente por parte da câmara é a de que os trabalhos deverão começar a 1 de Julho”. Ou seja, nesta sexta-feira.

“O responsável por este assunto explicou-me que os atrasos no avanço da reparação estão relacionados com o facto de ter de ser fazer um concurso mais alargo do que estava previsto. Isto porque o que tem de ser refeito não são apenas as pedras, mas também a parte mecânica”, esclarece a presidente da junta, admitindo também ela alguma impaciência pela resolução do problema – desde o referido acidente, manteve-se um cenário de destruição junto da fonte que é um monumento classificado de interesse público, na Carta do Património Municipal, encontrando-se a mesma sem água e tendo a iluminação noturna deixado de funcionar. “Estas questões da administração pública demoram sempre mais tempo do que gostaríamos”, considera.

A estátua da Fonte de Neptuno foi concebida em 1771, em mármore de Carrara, por Joaquim de Machado de Castro (1731-1822). A estátua, que chegou a ornamentar o Largo do Loreto, ao Chiado, manteve uma itinerância pela cidade, ao longo da sua existência de mais de dois séculos. Depois de passar pela Mãe de Água (Amoreiras), pelo Museu do Carmo (1866) e o Depósito de Águas dos Barbadinhos (1881), foi colocada na Praça do Chile em 1949, mas veio a encontrar a sua localização actual, no Largo de Dona Estefânia, em 1951.

MAIS ACTUALIDADE

COMENTÁRIOS

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografias & Fotografia

Paula Ferreira
Fotografía

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Send this to a friend