As semanas passam e a prometida reparação tarda em concretizar-se. Depois de um acidente de viação, ocorrido numa madrugada de Março passado, ter resultado na destruição do muro de bordadura do lago da Fonte de Neptuno, no Largo de Dona Estefânia, foi anunciado, no mês seguinte, pela Câmara Municipal de Lisboa (CML) que a reparação do monumento deveria estar concluída “até finais de Maio”. Passado um mês sobre o prazo previsto, a presidente da Junta de Freguesia de Arroios, Margarida Martins (PS), diz ao Corvo que “a indicação mais recente por parte da câmara é a de que os trabalhos deverão começar a 1 de Julho”. Ou seja, nesta sexta-feira.

 

“O responsável por este assunto explicou-me que os atrasos no avanço da reparação estão relacionados com o facto de ter de ser fazer um concurso mais alargo do que estava previsto. Isto porque o que tem de ser refeito não são apenas as pedras, mas também a parte mecânica”, esclarece a presidente da junta, admitindo também ela alguma impaciência pela resolução do problema – desde o referido acidente, manteve-se um cenário de destruição junto da fonte que é um monumento classificado de interesse público, na Carta do Património Municipal, encontrando-se a mesma sem água e tendo a iluminação noturna deixado de funcionar. “Estas questões da administração pública demoram sempre mais tempo do que gostaríamos”, considera.

 

A estátua da Fonte de Neptuno foi concebida em 1771, em mármore de Carrara, por Joaquim de Machado de Castro (1731-1822). A estátua, que chegou a ornamentar o Largo do Loreto, ao Chiado, manteve uma itinerância pela cidade, ao longo da sua existência de mais de dois séculos. Depois de passar pela Mãe de Água (Amoreiras), pelo Museu do Carmo (1866) e o Depósito de Águas dos Barbadinhos (1881), foi colocada na Praça do Chile em 1949, mas veio a encontrar a sua localização actual, no Largo de Dona Estefânia, em 1951.

 

Texto: Samuel Alemão

 

 

  • Jorge Parente Baptista
    Responder

    Não há orçamento..

  • Francisco Braz Teixeira
    Responder

    Para a boa manutenção da cidade não há dinheiro mas para obras de fachada, como a 2ª circular há….. porreiro, pá!

  • Mario Fernandes
    Responder

    Quando é que a devolvem ao Chiado ou ao centro histórico?

    • m
      Responder

      Está muito bem na actual localizaçao.

  • Gonçalo Peres
    Responder

    Mas é a CML (todos nós) que paga a destruição causada por um despiste dum carro? Já não chega o prejuízo dos passeios destruídos e pilaretes deitados a baixo às centenas todos os dias por carros, às custas de todos. Afinal, o seguro automóvel obrigatório foi criado precisamente devido aos elevados prejuízos materiais que estes veículos provocam. Claro que muitos fogem e ficamos todos a arder…

  • Responder

    olha o ed.Fernando pessoa,onde estava a leitaria alentejana na almirante barroso e em frente não se vê a pascoal de mello -tudo mitos pessoanos se mfalar da estefania imortalizada pelo pacheco etc….lisboa há-de resistir aos consulados do ps…….

  • Vítor Carvalho
    Responder

    Se as pessoas soubessem o quão patético é dizerem disparates quando não dominam os assuntos!… Informem-se antes de debitarem sentenças. O tuga está sempre pronto para dizer mal mesmo que a ignorância impere…

  • Paulo Ferrero
    Responder

    A CML informou a 28 de Junho: «Ao Fórum Cidadania Lx,
    Em resposta ao V. e-mail do passado dia 9 de junho, informamos que os serviços da CML vão iniciar as obras de recuperação do Lago no próximo dia 1 de julho, prevendo-se que as mesmas se prolonguem até ao final do mês.
    Com os melhores cumprimentos, Emília Castela
    Chefe de Divisão
    Câmara Municipal de Lisboa»

  • Responder

    Primeiro a mesquita. Entao?

  • José Lorenzo Escudero
    Responder

    Foi um acidente de carro?! :O

  • Artur C. Margalho
    Responder

    olha, Luís Pinheiro de Almeida, a rapidez com que a CML faz as obras.

    • Responder

      Artur, como diria o nosso comum amigo Manuel, isto é confundir a estrada da beira com a beira da estrada…

    • Artur C. Margalho
      Responder

      ah, já sei, é preciso um arquitecto, um projecto, uma comissão de avaliação, um estudo de impacto ambiental, um concurso internacional, não contando com as licenças de ocupação da via pública para o estaleiro

    • Responder

      Porque és assim? É preciso que a companhia de seguros se adiante! Assim, não ganhas as eleições…

  • André Ferreira
    Responder

    Passei há bocado por lá e tem uma vedação à volta.

  • Nuno Taborda
    Responder

    Apraz-me escrever que finalmente começaram as obras de restauro da fonte do Largo Dona Estefânia !!!

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com