Faro de “Zeus” vai ajudar a reduzir conflitos com lobo

REPORTAGEM
Mário de Carvalho

Texto

DR

Fotografia

VIDA NA CIDADE

Cidade de Lisboa

22 Junho, 2013

As suas células olfativas são capazes distinguir um odor entre milhões. Esta é uma das capacidades de “Zeus”, um cão treinado para detetar as fezes do lobo ibérico, que irá ajudar a monitorizar a espécie em Portugal, no âmbito do projeto LIFE MED-WOLF – Boas Práticas para a Conservação do Lobo em Regiões Mediterrânicas.

 

Estando o seu nome associado ao deus dos relâmpagos na mitologia grega, “Zeus” é um cão vulgarmente designado por rafeiro com cerca de 3 anos, que, encontrado em Benfica junto aos Pupilos do Exército por membros da associação de proteção dos animais Focinhos & Bigodes, veio a ser recuperado para este projeto pioneiro no  país.

 

O cão de raça indeterminada foi quinta-feira formalmente entregue ao Grupo Lobo, no relvado da Faculdade de Ciências de Lisboa. Ao chegar ali, com seu treinador norte-americano, reconheceu logo a associada da Focinhos & Bigodes que o encontrou na rua.

 

“O cão não foi treinado para perseguir a vida selvagem”, explicou o biólogo Duarte Cadete, que irá nos próximos meses, juntamente com “Zeus”, realizar um recenseamento dos lobos nos distritos da Guarda e Castelo Branco, apoiado pelo Grupo Lobo, que há vários anos luta pela preservação desta espécie, a única especificamente protegida em Portugal – através da Lei do Lobo (Lei nº 90/88).

 

O primeiro recenseamento do lobo ibérico foi realizado em 1997, revelando e existência de dois grupos populacionais desta subespécie de lobo (“Canis lupus”): um a norte do rio Douro e o outro a sul deste rio.

 

Com um particular apetite pela brincadeira, “Zeus” treinou durante quatro semanas nos arredores de Lisboa a deteção do odor das fezes do maior canídeo selvagem.

 

O técnico Healt Smith, do centro “Conservation Canines”, da Universidade de Washinghton, explicou a O Corvo que a técnica utilizada no treino é semelhante à empregue para os cães do combate ao tráfico de drogas. Aqui a variável é a utilização dos dejectos do lobo: “É a única diferença”.


 

Francisco Petrucci-Fonseca, presidente do Grupo Lobo, disse que concretizou uma ideia que nasceu em 1980, lembrando que hoje os cães já são utilizados para “conhecer a presença de outras espécies”, nomeadamente  répteis, animais marinhos, aves ou mamíferos.

 

“Não queremos nenhum impacto na fauna onde trabalhamos”, adiantou Petrucci-Fonseca, sendo esta a fórmula mais direta de abordagem na investigação científica sem causar danos colaterais na espécie classificada como “vulnerável” – e por isso na Lista Vermelha de União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN).

 

Na realidade,  “Zeus” é um animal pacífico que apenas procura o odor deixado pelo lobo. Durante a atividade de busca transporta um guizo para que a sua presença seja notada e que, quando pára, torna-se sinal da identificação do excremento. O animal está preparado para detetar a presença do lobo numa área superior a 6000 quilómetros quadrados.

 

Duarte Cadete referiu ainda que “Zeus” distingue perfeitamente outros odores que não sejam o do lobo, como a raposa. “Ele não vai andar atrás do lobo como se fosse para caçar. Nada disso. O ‘Zeus’ vais apenas atrás do seu odor nada mais”. A área de intervenção nesta fase do projeto é a sul do Douro.

 

“A perseguição ao lobo, como forma de retaliação pelos prejuízos que causa no gado, verifica-se em toda a área de distribuição do predador”, indica uma nota do projeto, que recebe o apoio financeiro do programa comunitário LIFE, acrescentando: “Este é o principal problema que se coloca à expansão do lobo e ao seu estabelecimento nas duas áreas de intervenção”.

 

Minimizar o conflito entre as atividades humanas nas zonas de presença do lobo é um dos objetivos do projeto. “Estamos a trabalhar com os criadores de gado para a instalação de cercas elétricas e para terem cães guardadores”, adiantou o presidente do Grupo Lobo.

 

O projeto LIFE MED-WOLF pretende atualizar o recenseamento do animal e, em simultâneo, reduzir o montante de prejuízos no gado em pelo mesmo 20 por cento, através de vedações elétricas, de bons cães de proteção e do maneio correto do gado para reduzir o risco de ataques do lobo.

 

“A coexistência entre o homem e o lobo na região raiana pode ser mais harmoniosa e proveitosa”, defendem os responsáveis deste projecto, que visa apoiar a população da resolução dos conflitos com um predador com “um importante lugar na nossa história, na nossa cultura e também na preservação de um equilíbrio ecológico, fundamental para muitas atividades económicas.

 

”

No Censo Nacional 2002/2003 à população de Lobos em Portugal, realizado pelo então Instituto da Conservação da Natureza – hoje Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas –, foram referenciadas 63 alcateias das quais 51 confirmadas e 12 prováveis. Destas, 54 estavam a norte do rio Douro e 9 a sul do curso de água.

MAIS REPORTAGEM

COMENTÁRIOS

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografias & Fotografia

Paula Ferreira
Fotografía

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Send this to a friend