Faltam espaços verdes às praças requalificadas em Lisboa

REPORTAGEM
Sofia Cristino

Texto

AMBIENTE

Cidade de Lisboa

3 Abril, 2018

Arquitectos paisagistas e ambientalistas estão a detectar um padrão comum às ruas e praças requalificadas no âmbito do projecto municipal Uma Praça em Cada Bairro. Dizem que carecem de áreas verdes, que têm demasiados pavimentos e bancos cimentados, e não são pensados para as pessoas, quando o que se pretendia com este programa era criar novos lugares de convívio para quem vive em Lisboa. “Parecem um deserto, estão áridas e falta-lhes alma. Há um excesso de pilaretes, podiam utilizar materiais portugueses e reinventá-los”, diz o arquitecto paisagista Rui Valada. A Plataforma em Defesa das Árvores lembra que já há falta de espaços verdes na cidade e que este projecto poderia ajudar a reverter a situação. No entanto, tem sido feito o contrário, ao não serem criadas mais zonas verdes, alega. “No verão, ninguém vai para lá, não há sombra”, diz Rosa Casimiro, dirigente da plataforma. João Gomes da Silva não entende a necessidade de se reduzir o orçamento destinado à revitalização destas obras. “Não se deve poupar no espaço público. Uma visão que reduz as coisas não é uma visão contemporânea, é muito incompleta”, observa. Estes arquitectos paisagistas consideram que a causa do insucesso deste programa reside no facto da Câmara de Lisboa só abrir os concursos públicos a arquitectos.

“Entregaram uma praça a cada arquitecto, não houve uma visão de conjunto. Algumas, como estão, parecem um deserto, estão áridas, falta-lhes alma e questões de pormenor, que são fundamentais na concepção do espaço público”, diz Rui Valada, arquitecto paisagista, referindo-se a alguns dos largos já requalificados no âmbito do programa Uma Praça em Cada Bairro da Câmara Municipal de Lisboa (CML).

 

Valada não é o único a ter esta percepção, a qual é partilhada por outros arquitectos paisagistas, ambientalistas e pessoas que observam a cidade de Lisboa. Queixam-se que as áreas verdes não têm sido contempladas na reconstrução destes espaços, nos quais sobressai o pavimento e os bancos cimentados. Solução que não só torna a cidade “mais cinzenta e sem vida”, como não convida os habitantes a usufruírem do espaço.

“Impermeabilizaram os solos que eram permeáveis e, em vez de aumentarem as caldeiras das árvores, diminuíram-nas. Já há falta de espaços verdes, em Lisboa, e não está a ser feito nada para reverter esta situação. Este programa não está em linha com a política da CML, de recuperação das áreas verdes”, observa Rosa Casimiro, da Plataforma em Defesa das Árvores. A activista critica, ainda, o derrube de árvores que tem acontecido em algumas das áreas intervencionadas, como é o caso da Rua de Campolide. “Foram abatidas árvores que estavam no projecto e houve um total desrespeito pelos espaços verdes que já existiam. No verão, ninguém vai para lá, porque não há sombra”, comenta.

 

O arquitecto paisagista João Gomes da Silva elogia o trabalho feito, ao longo dos últimos anos, no espaço público, em Lisboa. Repara, todavia, que a orientação que foi dada a este programa apresenta “alguns erros”. “A criação deste género de projectos é muito importante, mas só se forem associados a uma escala de bairro. Deveriam satisfazer as comunidades, o que não está a acontecer. Há uma enorme ingenuidade das pessoas na idealização dos espaços”, considera.

ocorvo03042018verde2

Praça em frente ao Centro Comercial Fonte Nova, em Benfica.

Em 2014, a CML anunciava, em reunião de câmara, a sua vontade de transformar 30 ruas e largos de Lisboa em novos pontos de encontro e de convívio da comunidade local, com renovada iluminação, mobiliário urbano, árvores, esplanadas e equipamentos, como quiosques e parques infantis. Dinamizar o comércio local, aumentar a área dos passeios, plantar mais espaços verdes e ampliar o espaço destinado aos peões, limitando o uso do automóvel, são algumas das principais linhas orientadoras do programa.

 

Olhando para as quinze praças já concluídas, verifica-se que são muitos os padrões de construção que se repetem, como a criação de um pavimento único, normalmente cimentado, a redução do canal rodoviário com o alargamento dos passeios, a pedonalização de algumas áreas e a elevação da faixa de rodagem. Há quem considere, por isso, que os espaços já requalificados não reflectem as metas traçadas pela autarquia e poderiam ter sido melhor aproveitados.

 

O arquitecto paisagista Rui Valada, autor da requalificação da praça do Rossio, em 2006, olha com “grande desilusão” para o que está a ser feito. “Há erros de palmatória. Cada bairro tem uma linguagem diferente e isso não está a ser tido em conta. Há falta de alma na utilização dos materiais e elementos urbanos, há um excesso de uso de pilaretes. Podiam utilizar materiais portugueses e reinventá-los. A memória é importante para a vivência dos espaços públicos e, também, não foi contemplada.”, repara.




 

Por ocasião da apresentação do projecto, explicava-se que os trabalhos realizados na Avenida Duque de Ávila, nas Avenidas Novas, e na zona ribeirinha, deveriam ser replicados ao resto da cidade, criando-se novos pólos de atracção nas 24 freguesias de Lisboa. O vereador do Urbanismo e das Obras Públicas, Manuel Salgado, admitia, na altura, que este é “um programa ambicioso”, por estarem em causa “muitas intervenções que necessitam de projectos mais ou menos complexos e exigem um investimento significativo na sua concretização total”.

 

 

De forma a adequar o programa à capacidade financeira do município e das freguesias, mas, também, para testar algumas das soluções viárias propostas pelos arquitectos, Salgado explicava que teriam de realizar intervenções “low cost” (de baixo custo), com recurso a pintura do pavimento, floreiras e outros elementos de mobiliário urbano.

 

João Gomes da Silva diz não entender a necessidade de se reduzir o orçamento disponível para a revitalização dos espaços comuns. Segundo o arquitecto paisagista, “não se deve poupar no espaço público”.

“A recolha de lixo, a iluminação pública, a rega e a gestão das áreas verdes implicam mais gastos, mas são fundamentais. Uma visão que reduz as coisas não é uma visão contemporânea, é muito incompleta. Quanto mais somos capazes de responder a um projecto, de uma forma mais consolidada, mais sucesso temos”, observa. “Não tenho dúvidas que houve uma redução dos gastos por causa dos custos da manutenção dos espaços verdes. Não se podem esperar milagres de projectos feitos com pouco dinheiro”, critica, ainda.

 

A activista Rosa Casimiro diz que o “fracasso” deste programa tem outro tipo de origens, destacando a falta de coordenação de duas divisões da CML. “Estas requalificações não foram acordadas entre os departamentos das Obras Públicas e os Espaços Verdes. Há uma rivalidade entre eles, que se percebe”, observa.

 

À medida que a cidade tem vindo a sofrer estas transformações, o número de praças incluídas no programa Uma Praça em Cada Bairro tem também vindo a crescer, com a inclusão posterior de outras, como a Praça Marechal Humberto Delgado, em Sete Rios. A ideia, neste caso, era que a circulação rodoviária e o estacionamento passassem a concentrar-se junto ao viaduto do Eixo Norte-Sul, libertando-se, assim, o espaço em frente ao Jardim Zoológico de Lisboa, onde já foi criada uma praça pedonal, com cerca de dois hectares.

 

João Nunes, arquitecto paisagista, um dos autores dos projectos de requalificação da Calçada da Ajuda e da Ribeira das Naus, considera que, em Sete Rios, poderia ter havido “outro cuidado na compatibilização do estacionamento com mais árvores e outro mobiliário urbano”. Salienta, no entanto, que essas mudanças ainda podem ser feitas, uma vez que a praça não está totalmente acabada.

 

 

A intervenção realizada na Rua de Campolide, diz, ainda, poderia ter sido melhor concretizada, em termos de construção. “Do ponto de vista arquitectónico, houveram alguns deslizes. Campolide tem uma grande capacidade de gerar movimento, que estava todo direcionado para a Rua de Campolide. A ideia era fazer mais esplanadas e reduzir o impacto da presença das entradas de estacionamento”, observa. Em termos de introdução de uma nova vivência, salienta, contudo, “é um sítio exemplar”. “Aquilo era um deserto”, afirma.

 

Os arquitectos paisagistas ouvidos por O Corvo partilham a opinião de que um dos principais problemas do que consideram ser o “insucesso” destas requalificações reside na decisão da CML de abrir concursos públicos exclusivamente para arquitectos.

 

“Acho gravíssimo que a câmara tenha promovido uma espécie de monopólio de arquitectos, ao excluir os profissionais melhor preparados para reabilitarem o espaço público, os arquitectos paisagistas são treinados especificamente para o fazer. Não me espanta absolutamente nada que algumas obras realizadas tenham problemas de concepção. Estamos num processo de retrocesso das leis do urbanismo e na forma de pensar as áreas comuns”, critica João Gomes da Silva.

 

 

João Nunes corrobora a opinião do colega, ressalvando, no entanto, que há casos de maior sucesso. “A operação Uma Praça Em Cada Bairro está cheia de vícios por parte da câmara, que explorou uma espécie de entusiasmo muito generoso dos projectistas, que aceitaram trabalhar em condições de remuneração miseráveis e que, mesmo assim, em alguns casos, fizeram um excelente trabalho”, diz. Referindo-se a um projecto da sua autoria, não poupa nas palavras. “A forma como a revitalização da Calçada da Ajuda transformou a própria cidade é impressionante. A capacidade que o espaço público teve aqui de requalificar o comércio e transformar a própria lógica do construído é muito interessante”, considera, ainda.

 

Segundo o município, há 150 ruas e praças a precisarem de ser requalificadas, sendo que 30, as escolhidas para integrar este programa, carecem de uma intervenção prioritária. No projecto inicial do programa Uma Praça em Cada Bairro, estava previsto um investimento total de cerca de 40 milhões de euros. Neste momento, a iniciativa já vai a meio, com quinze praças totalmente renovadas e três praticamente concluídas: a de Sete Rios, a da Quinta de Santa Clara e a da Rua Actriz Palmira Bastos, em Marvila.

MAIS REPORTAGEM

COMENTÁRIOS

  • António Menino
    Responder

    Costuma dizer-se que pela boca morre o peixe. A arquitectura para os arquitectos. Pois. Com o mesmo argumento “treinados para isso”. Pena não haver um concurso de ideias. E depois a execução a cargo de quem sabe fazer (treinadores há muitos). Gostei de ver que repararam na “redução do canal rodoviário”. Mas num bairro não é isso que se espera? Ou é preferível largas avenidas de 4 ou 5 faixas de trânsito? Mas prefiro as criticas ao que foi feito do que nada se fazer. Há coisas mal feitas? Boa. Dá para emendar a mão.

  • Paulo Só
    Responder

    Sugiro uma visita ao Largo dos Prazeres para constatar o que fizeram do jardim que lá havia. Cortaram as árvores. instalaram um container/bar/esplanada, mais um Kiosque num canteiro com a relva meio pisada, meio arrancada, e no outro canteiro agora tem uma “parque infantil ” em cimento, certamente financiado pelo fabricante que a gente sabe. Em suma, o que era um jardim transformou-se num anexo do Casal Ventoso. Em comparação não há um lugar onde os turistas possam comprar bilhetes para o 28, o que dá azo a bichas de mais de 50 pessoas para entrar nos eléctricos, comprando bilhetes uma a uma. Quem morar ali e tiver de ir trabalhar, que vá a pé.

  • M. Carvalho
    Responder

    Com tanto salário para pagar, queriam espaços verdes ? Ingénuos ..

  • José N.
    Responder

    A nova Praça de Sete Rios está uma desolação. Será que se prende fazer ali algum certame ou feira comercial de apoio solidário aos animais do zoo?

  • anónimo
    Responder

    Na Praça S. João Bosco, nos Prazeres, deixámos de ter Praça para termos uma zona pseudo-verde, muito degradada, onde a Junta de Freguesia da Estrela a única coisa que fez foi substituir os caixotes do lixo e ir cortando as ervas (o que mesmo assim já é muito mais do que fez a câmara em mais de 3 décadas), e onde foram colocados três contentores dos barcos para servirem de lanchonetes a turistas.
    Enquanto isso, os moradores que se lixem!
    O Orçamento Participativo de Lisboa, de 2011, previa a requalificação de toda a Praça. Mas, tal como muitas promessas de um certo sr. que agora é 1.º ministro, e dos seus acólitos, não passaram disso mesmo … promessas. Existe o projeto, mas nunca saiu do papel, talvez por outros interesses que não os dos cidadãos!

  • anónimo
    Responder

    Não faz mal. Como o IMI vai tripicar no próximo ano, para quem tem casa mas não a quer arrendar porque tem medo de a estragarem toda, o dicnheiro vai servir para fazer tudo … ou melhor, para dar de mamar aos mesmos boys e girls do costume, que só fazem porcaria.

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend