É apenas uma recomendação à Câmara Municipal de Lisboa, mas pode ser um sinal do que aí vem. A Assembleia Municipal de Lisboa aprovou, na sua última sessão, realizada na terça-feira (23 de Fevereiro), uma recomendação à autarquia para “a criação de uma regra para que todos os estacionamentos pagos (empresas, centros comerciais, EMEL, etc) sejam obrigados a ter uma área para estacionamento de bicicletas correspondente a 10% do número de vagas de estacionamento”.

 

Esta sugestão faz parte de um conjunto de quatro que formam uma recomendação apresentada na AML pelo partido Pessoas Animais Natureza (PAN) sob o lema “mais estacionamentos para bicicletas em Lisboa”. O ponto em questão e que pretende alocar um décimo dos lugares de parqueamento às bicicletas – e que foi aprovado com os votos favoráveis de PAN, PS, PCP, BE e CDS – fala na intenção de se ajustar a oferta existente “à medida das necessidades reais observadas no terreno. E concretiza: “Se o estacionamento tem 500 vagas de carros, seria obrigado a ter 50 vagas para bicicletas”.

 

A proposta do PAN – que nasce da constatação de que, “neste momento, a oferta de estacionamentos para bicicletas em Lisboa, capital do país, é fraca” – acabou por ser também aprovada nos restantes três pontos, apesar de os mesmos terem sido votados individualmente. O primeiro deles solicita a criação de lugares de estacionamento seguros junto dos principais terminais de transportes, “onde as pessoas possam deixar a bicicleta durante a noite, sendo estes estacionamentos preferencialmente cobertos”. Os outros dois pontos da recomendação pedem à câmara a criação de lugares para as bicicletas em todos os jardins públicos e à entrada de todos os estabelecimentos de ensino públicos e privados.

 

Texto: Samuel Alemão

 

  • Ana Paula Cardoso
    Responder

    Isto seria tão bom! Quantas vezes não vou de bicicleta porque não há estacionamento seguro? De dia, num sítio movimentado com um bom cadeado, é possível, mas de noite, a probabilidade de acontecer algo menos bom é grande…

  • Tuga News
    Responder

    [O Corvo] Estacionamentos de Lisboa podem vir a ter 10% dos lugares só para as bicicletas https://t.co/E9AwsW6fzv #lisboa

  • Hugo Mendes
    Responder

    “Estacionamentos de Lisboa podem vir a ter 10% dos lugares só para as bicicletas”. https://t.co/FNNlxv7De2

  • Gonçalo Peres
    Responder

    Comecem pelo Campus Justiça. Já ando a pedir estacionamentos adequados para bicicletas há 3 anos naquele espaço. Ainda ontem fui lá e deixei a bicicleta junto ao serviço onde ía (para a ver pelo vidro, mas sem incomodar a passagem). Apareceu um segurança e disse que não podia deixar ali, que tinha que deixar no “entorta rodas” (não usou esse termo). Eu disse-lhe que aquilo não era um estacionamento para bicicletas, é muito baixo e não consigo prender o cadeado em U ao quadro. Disse que a deixava ali mesmo, que já tinha reclamado várias vezes, que estão a ignorar uma recomendação da Assembleia da República de 2012, que chamasse a polícia e fizesse o seu papel, que eu faria o meu de protesto. E fui tratar dos meus assuntos. Um edifício de atendimento público onde gastaram milhões em estacionamento automóvel e 80 euros num entorta rodas. Esperteza saloia e retrógada.

  • José Fernandes
    Responder

    Portanto se numa zona residencial houver 200 lugares, 20 serão para bicicletas… É isso? Faz sentido.

    • João Ferreira
      Responder

      Está enganado, se houver 200 lugares para carros, então há lugar para 198 carros e 20 bicicletas.

      No lugar dum carro cabem 10 bicicletas.

    • João
      Responder

      20 lugares de bicicleta que corresponde a 2 lugares automóveis. Em termos de espaço falamos cerca de 1%.

  • Revista B
    Responder

    Boa notícia. https://t.co/uPpRql0UKw

  • João Sancho
    Responder

    Estacionamentos de Lisboa podem vir a ter 10% dos lugares só para as bicicletas https://t.co/plGAH03Bb7

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com