Está em preparação uma grande remodelação da Praça do Martim Moniz

ACTUALIDADE
Samuel Alemão

Texto

URBANISMO

Santa Maria Maior

11 Setembro, 2018

Pouco mais de duas décadas após a última intervenção de renovação da Praça do Martim Moniz, está a ser planeada uma grande operação de reabilitação do espaço público daquele local. A Câmara Municipal de Lisboa (CML) encomendou ao ateliê do arquitecto José Adrião um projecto de requalificação dos espaços exteriores de uma das mais mal-amadas praças da capital portuguesa, preparando-se assim para colocar um ponto final ao actual figurino, definido em meados da década de 90 pela entretanto extinta Empresa Pública de Urbanização de Lisboa (EPUL), era João Soares (PS) o presidente da autarquia. A nova cara do Martim Moniz deverá implicar o fim do modelo de ocupação da praça, em vigor desde o início do século, em que pontificam esplanadas com oferta gastronómica, comércio e áreas de animação musical, na parte norte, e uma área de lazer dominada por jogos de água, na parte sul.

Ainda sem conhecer o que ditará o programa definido pelo arquitecto João Matos – a trabalhar para o ateliê de José Adrião -, o presidente da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, Miguel Coelho (PS), assegura a O Corvo concordar com a necessidade de uma alteração substancial do actual modelo da Praça do Martim Moniz. “Como está, está muito mau. Aquilo está completamente degradado. A praça não tem qualidade nenhuma e corresponde a um modelo que considero obsoleto. A zona degradou-se imenso, há um mau uso do espaço público. O Martim Moniz transformou-se num local que nos traz problemas, nos mais variados campos. Seja a nível da higiene do espaço público, da segurança ou da degradação da qualidade de vida em redor. Toda as pessoas na Mouraria e nas envolventes à praça reclamam pelo mau ambiente e pelo barulho ali produzido, fora de horas”, relata o autarca, referindo-se ao funcionamento nocturno dos quiosques lá existentes e à animação musical associada.

“Não podemos querer definir aquela área como habitacional e, depois, ter música com batida forte, com um alto volume, até às tantas da madrugada. Determinado tipo de actividades atrai determinados tipos de públicos e de práticas”, diz o autarca, para quem o uso dos quiosques como locais de animação nocturna se encontra desenquadrado do local – “faz mais sentido à beira-rio, não ali”, sustenta. A prova disso são as inúmeras queixas que a junta de freguesia tem recebido devido ao barulho, inclusivamente por parte dos responsáveis pela administração do Hospital de São José. Miguel Coelho diz, por isso, não ter dúvidas de que aqueles estabelecimentos “não têm cumprindo com o contrato assinado com a câmara, havendo razões mais que suficientes para anular a concessão”. A junta chegou a demonstrar à Câmara de Lisboa a sua disponibilidade para assumir a gestão do espaço público da zona, mas não obteve luz verde.

ocorvo11092018martimmoniz2

A junta ofereceu-se para gerir o espaço público do Martim Moniz, mas a CML não aceitou o repto

O contrato a que o autarca se refere foi assinado, em 2012, entre a EPUL e a empresa NCS – Número de Ciclos por Segundo, para a recuperação e exploração da dezena de quiosques instalados anos antes na praça, bem como a criação de esplanadas, instalações sanitárias, a requalificação das fontes e dos lagos, do pavimento e de todo o mobiliário urbano. Uma operação que tinha por objectivo, assinalava-se naquele momento, “promover um conjunto de iniciativas que possibilitem a revitalização social, cultural e económica” da Praça do Martim Moniz, “valorizando-a enquanto espaço de lazer, de comércio, de turismo, de animação e de confraternização cultural”. Na altura, tratava-se de cumprir o que havia sido definido, no final de 2011, pelo vereador José Sá Fernandes, que assim vislumbrava uma solução para anos de indefinição na gestão do espaço público da praça e, por conseguinte, de declínio na qualidade do mesmo.


Passados seis anos, a fórmula parece esgotada, a ponto de justificar o projecto encomendado pela Câmara de Lisboa. O presidente da junta de Santa Maria Maior considera mesmo ser necessário mudar de forma radical o paradigma de ocupação e vivência daquela área. E, por sua vontade, toda aquela área, ou pelo menos grande parte dela, deveria ser entregue às crianças. Isso mesmo. “A junta já se ofereceu para gerir o espaço, mas não obteve resposta da Câmara de Lisboa. Defendo a requalificação integral da praça, deviam deitar aquilo tudo abaixo e transformar o largo num grande parque infantil, se não na sua totalidade, pelo menos em dois terços da área da praça”, defende o autarca.

 

Miguel Coelho justifica a proposta com o facto de aquele ser um “equipamento que faz muita falta à cidade, sobretudo ao centro histórico, que não tem praticamente nenhum parque infantil”. O presidente da junta salienta que, no espaço da sua freguesia – a qual reúne bairros tão emblemáticos quanto Alfama, Mouraria, Castelo, Baixa e Chiado -, apenas o Castelo terá um espaço dedicado desse género, no Castelo, “porque foi a junta que o construiu”. A necessidade de garantir não apenas a manutenção da população como de atrair novos residentes caucionará tal investimento, sugere. “Queremos crianças aqui e o parque infantil seria um bom pólo agregador. Ainda há por ali alguma população, apesar de tudo. E se se fala tanto, por exemplo, em trazer mais gente para a Colina de Santana, também através do programa de rendas acessíveis, uma zona de lazer vocacionada para as crianças ali seria o ideal. É preciso repensar a praça”, diz.

 




 

A nova configuração da praça acabará por determinar o fim da existente desde 1997, resultante do trabalho dos arquitectos João Paulo Bessa e Daniela Ermano, com arquitectura paisagística a cargo de Gonçalo Ribeiro Telles, numa obra então encomendada pela EPUL. Uma solução que pôs fim a vários anos de indefinição relativamente ao que fazer com o espaço público daquela zona, após a construção dos centros comerciais da Mouraria, em 1989, e do Martim Moniz, dois anos depois. O edificação do primeiro dos edifícios e a colocação de pavimentos desenhados por Eduardo Néry terão sido, afinal, os únicos elementos concretizados segundo o que estava definido no Plano de Urbanização do Núcleo Histórico da Mouraria, elaborado em 1982 por José Lamas e Carlos Duarte. Esse plano tentava resolver a ferida deixada pela demolições, realizadas pelo Estado Novo na década de 40, do ancestral edificado existente, como destaque para a Igreja do Socorro e o Palácio do Marquês do Alegrete. Os actuais quiosques existentes na praça são os sobejantes dos 44 colocados depois da última renovação do espaço público.

 

O Corvo tentou obter esclarecimentos adicionais sobre o projecto de requalificação dos espaços exteriores da Praça do Martim Moniz junto da Câmara Municipal de Lisboa, mas não os conseguiu até ao momento da publicação deste artigo. Contactado por O Corvo, o arquitecto João Matos, responsável pelo projecto, escusou-se a fazer comentários ao mesmo, nesta fase, remetendo todas as explicações para a autarquia.

MAIS ACTUALIDADE

COMENTÁRIOS

  • Manuel Marques
    Responder

    Uma requalificação do Martim Moniz só sera profunda com a demolição dos inenarráveis centros comerciais e hotel mundial.

  • Ana Antunes
    Responder

    A mouraria Sr.presidente vai até à Rua dos lagares onde estão os pins para a trav.do terreinho as limpeza o projeto apresentado para o c.o.M. cresce Centro de dia e mãe prevenidas nas calçadas gradeamento para os velhotes subirem a rua venha ver primeiro e deixe o povo falar tem medo de ouvir verdades. Faça a marcha para o ano com Troles e hospedagem estrangeiro.
    Limpe a sua consciência um dia a torneira fecha se e a mouraria desaparece.

  • Fernanda matos
    Responder

    O espaço está mt sujo! Só o passar por lá dá náuseas! Mas até o projeto ser implementado, será que a limpeza custa assim tanto dinheiro? Sr presidente da junta, mande retirar os vasos partidos cujas fores estão secas! Mande limpar as canteiros das árvores que só têm beatas e outro lixo! Como posso levar ali os meus netos que querem brincar e eu digo não porque o lixo é demasiado?
    Vá dei lá, pf, um jeitinho

  • Jorge Encarnacao
    Responder

    Mais do que grandes projetos que só trazem confusão numa zona histórica e já remodelada num passado recente com bons resultados ( basta pensar no que era o Martim Moniz antes da praça existir) o melhor seria avançar com manutenção profunda a par de limpeza e fiscalização intensa no estacionamento ilegal que continua a imperar.
    Além do mais na envolvente à outras Infraestruturas que não foram remodeladas à bastante mais tempo do que a praça é que beneficiariam dessas avultadas verbas que se avista com esta nova ideia.
    Finalmente evitaria trazer novos constragimentos de tráfego numa zona já por si bastante complexa.
    É a modesta opinião de um morador da zona.

  • Rui Carvalho
    Responder

    Os fregueses desta zona enfrentam todos os dias níveis de poluição atmosférica, sonora e ambiental absolutamente inadmissíveis e incompreensíveis, violando toda a legislação existente sobre estas matérias. Desde o trânsito ao estacionamento caóticos de todo o tipo de veículos (camiões TIR incluídos), espaço exíguo para os peões circularem (exceto dentro da praça), obras ilegais, esplanadas ilegais, acampamentos ilegais, tráfico e consumo de estupefacientes pelos recantos, ruído muito para lá dos limites legais, mesmo durante a madrugada, acampamentos no espaço público, delinquência diversa, grafittis, alojamento local ad nauseaum. A requalificação do espaço é benvinda, mas justificar isso com o ruído ou ausência de espaços para as crianças é apenas demagogia, e hipocrisia para ludibriar as pessoas. A realidade é que quer a junta, quer a Câmara estou unicamente preocupadas com os negócios. Se assim não fosse a Câmara e a junta há muito que teriam atuado através da polícia municipal e outras forças de fiscalização e de polícia. A polícia municipal dedica-se apenas às coimas de estacionamento e reboques dos veículos. Para lá disso é uma nulidade e a junta usa constantemente o sofisma do “nada podemos fazer” para pouco ou mesmo nada fazer….esta praça condensa todos os problemas com que a cidade se confronta e o desígnio que ali dita as regras é o desígnio da política do Município. O resto são apenas manobras de diversão. Esta é apenas mais uma! Lá vai Lisboa…..

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend