Escadarias, jardim e miradouro do Monte Agudo estão sempre cheios de lixo

DICAS
Samuel Alemão

Texto

VIDA NA CIDADE

Arroios

Penha de França

18 Novembro, 2015




O miradouro do Monte Agudo, nos Anjos, é um dos mais surpreendentes locais da cidade, um ponto de observação ímpar sobre a sua malha urbana. E também dos menos conhecidos de Lisboa. Reaberto há meia-dúzia de anos, após obras de reabilitação, o local com uma das melhores vistas sobre a capital – construído na década de 1950, sob orientação técnica do então jovem arquitecto paisagista Gonçallo Ribeiro Telles – sofre, porém, de um muito comum mal lisboeta: falta de civismo e vandalismo. O lixo e os dejectos no espaço público e a destruição de património são recorrentes. Uma realidade admitida pela Junta de Freguesia de Arroios, que pensa recuperar o jardim em redor.

“Aquele espaço é limpo três vezes por semana, por uma empresa por nós contratada, mas as pessoas têm estes comportamentos. Infelizmente, até sacos de lixo atiram para ali”, diz Margarida Martins, a presidente da junta, quando confrontada por O Corvo sobre o estado de permanente sujidade apresentado pelo miradouro situado nas traseiras da Escola Secundária Dona Luísa de Gusmão e, sobretudo, nas escadas que lhe dão acesso a partir da Rua Ilha do Príncipe. O lixo, mas também fezes de cão e humanas, e o cheiro a urina conferem aspecto e pestilência pouco convidativos a um local que tem vindo a ser (re)descoberto por muita gente, nos últimos anos. Para além dos residentes da Penha de França e do Bairro das Colónias, o miradouro entrou igualmente no roteiro dos turistas.

ocorvo_18_11_2015_01

O cenário decadente estende-se ao luxuriante espaço verde que enquadra o miradouro e a escadaria. “O problema é que vão para lá indivíduos, durante a noite, fazer determinados tipos de consumos, sujar e partir. Tive agora a informação de que, ainda ontem (segunda-feira, 16 de Novembro), o cadeado e a fechadura do portão de acesso ao miradouro foram arrombados”, explica a autarca, admitindo a dificuldade em contrariar estas situações. Ainda assim, Margarida Martins garante que a Junta de Freguesia de Arroios está apostada na valorização e promoção daquele quinhão urbano, tanto que se encontra já a estudar com um arquitecto paisagista a elaboração de um plano de reabilitação dos jardins. Um projecto que deverá ser concretizado em 2016.

MAIS DICAS

COMENTÁRIOS

  • Tuga News
    Responder

    [O Corvo] Escadarias, jardim e miradouro do Monte Agudo estão sempre cheios de lixo https://t.co/qWwyX2LIZA #lisboa

  • M.P.Carvalho
    Responder

    É certo que a falta de civismo por cá é aquilo que é, mas .. a polícia municipal serve exactamente para quê já agora ? Só para assuntos do trânsito ? ? Se o general não mandar os soldados marcharem …

  • Pedro Silva
    Responder

    A falta de civismo é a única causa da degradação e insalubridade do Monte Agudo. A Polícia Municipal nada pode fazer. É uma falácia tentar fazer acreditar que o policiamento resolve ou pode conter o problema. Nenhum prevaricador age na presença de agentes ou testemunhas e, quando o faz, fá-lo no limite da legalidade, sabendo-se impune.
    A falta de civismo começa quando se delega nos funcionários da CML, no pessoal da limpeza ou na Polícia Municipal a obrigação de limpar, consertar ou moderar comportamentos destrutivos e insalubres.

  • M.P. Carvalho
    Responder

    E quando se delega só no civismo das pessoas acontece o quê ? Pois .. daqui a 50 anos temos uma cidade porreira, limpa, sem graffitis, etc, etc etc

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend