A aguardar por obras de fundo, Praça da Alegria ganha quiosque e parque infantil

ACTUALIDADE
Samuel Alemão

Texto

AMBIENTE

Santo António

12 Setembro, 2017

Até agora, o cenário tem sido desolador. Mas a zona central da Praça da Alegria, onde se localiza o Jardim Alfredo Keil, deverá contar, em breve, com um parque infantil e um quiosque e os seus espaços verdes deverão ser reabilitados. As obras a cargo da Junta de Freguesia de Santo António, que decorrem em período eleitoral, são justificadas pelo presidente da autarquia, Vasco Morgado (PSD), pela necessidade de valorizar este espaço central, localizado numa zona de nobre da cidade, mesmo ao lado da Avenida da Liberdade.

“Conseguimos estabelecer um acordo com os hotéis da zona para que pagassem o parque infantil”, explica, adiantando ainda que o aspecto descuidado a que o jardim tem estado entregue terá os dias contados, uma vez que já foi mudado o sistema de rega. As obras em curso acontecem quase na mesma altura em que foi publicado o novo regime legal de classificação do conjunto de árvores daquele jardim – até agora, beneficiavam de protecção especial apenas seis das nove árvores do conjunto. Apesar do despacho agora publicado, uma das árvores de grande porte ali existente está marcada para ser cortada pelos serviços camarários, por razões fitossanitárias.


A aguardar por obras de fundo, Praça da Alegria ganha quiosque e parque infantil

A grande árvore junto ao novo quiosque será abatida, em breve, devido ao seu mau estado.

“A requalificação no âmbito do programa Uma Praça em Cada Bairro foi, mais uma vez, adiada, infelizmente. Aliás, tem sido sempre adiada pela Câmara de Lisboa”, queixa-se o presidente da junta, admitindo que isso possa estar relacionado com “uma mera conveniência dos serviços camarários”. “Mas conseguimos agora, e depois do parecer positivo da Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC), uma solução para levar por diante uma das fases da obra, relacionada com o espaço interior da praça”, diz Vasco Morgado, apontando a abertura do parque infantil e do quiosque para pouco depois do início de Outubro.

A intervenção no espaço exterior ao Jardim Alfredo Keil, a realizar pela Câmara de Lisboa, no âmbito do programa Uma Praça em Cada Bairro, está prevista iniciar-se “após 2017”, de acordo com a informação disponível no sítio da autarquia. Ali pode ler-se que, entre as principais linhas de acção desta intervenção, se prevê o aumento da circulação pedonal nos topos da praça, o crescimento do uso de esplanadas e o condicionamento da circulação automóvel.

MAIS
ACTUALIDADE

COMENTÁRIOS

  • Paulo Ferrero
    Responder

    Qual é a árvore marcada para a morte? Obrigado.

    • Lauro Mendes
      Responder

      O Lodão que está oco e doente segundo a CML, e realmente parece mesmo
      Para posterior plantação de uma árvore da mesma espécie pela JF vez

      • Rosa
        Responder

        Parece mesmo??

  • Rosa
    Responder

    Árvore marcada para abate??? Que maluqueira é essa?

  • Rosa
    Responder

    Árvore marcada para abate??? Que maluqueira é essa?

  • Rosa
    Responder

    O título devia ser ” A Praça da Alegria perde mais uma das suas árvores monumentais”
    A máquina está bem montada, as juntas fazem os disparates (mas ninguém lhes chama a atenção), passado uns anos as árvores apresentam problemas fitossanitários irreversíveis, confirmados pelos técnicos do LPVVA, perante os quais a CML propõe o abate que o ICNF (fraquinho como é) não pode recusar. E pronto, está o espaço livre para alargar estradas, construir garagens , e até fazer parques infantis. Tudo é mais importante do que uma árvore monumental.

    • Rosa
      Responder

      Convém Lembrar que o que desencadeou o declínio desta árvore que agora querem abater, foi uma desastrosa e irresponsável poda feita pela Junta de Freguesia de santo António em 2015.

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend