Edifício municipal vai abaixo para dar lugar à Praça da Mouraria

ACTUALIDADE
Fernanda Ribeiro

Texto

Carla Rosado

Fotografia

URBANISMO

Santa Maria Maior

17 Abril, 2013

Aos olhos da câmara, a requalificação da Mouraria passa por tornar mais penetrável a Rua do Benformoso. Com esse objectivo, irá ser demolido um edifício municipal na Rua da Palma. Os inquilinos ainda não foram contactados.

Nenhum dos inquilinos do prédio municipal que a câmara vai demolir na Rua da Palma, para aí desenvolver o projecto da chamada “Praça da Mouraria”, foi até agora contactado pela autarquia quanto à necessidade de terem de abandonar o imóvel.

A demolição deste edifício da Rua da Palma (248 a 264), bem como dos prédios que com ele confinam a norte, na Rua Benformoso 137 a 151, está prevista no plano de requalificação da Mouraria, desenvolvido pela Câmara Municipal de Lisboa. E é explicitamente referida no Estudo Prévio feito para aquela zona e já aprovado em 2012.

A ideia para esta “unidade de execução” – o instrumento de gestão urbanística que a autarquia vai utilizar – é rasgar a Rua do Benformoso, para a tornar mais penetrável e acessível, física e visualmente.

“Através da demolição dos edifícios é criada uma praça que permite o atravessamento pedonal entre a Rua da Palma e a Rua do Benformoso”, afirma o estudo prévio feito a pedido da câmara. Nessa “praça” haverá novos edifícios.

No espaço ganho com as demolições, acrescenta o estudo da CML, “serão construídos três blocos, dois deles perpendiculares aos eixos viários e um terceiro paralelo, por forma a garantir a continuidade da frente urbana da Rua da Palma”.




Nos novos blocos, está prevista “a instalação de actividades que permitam a fruição pública”, entre elas “a instalação de um espaço de culto, uma mesquita”, destinada à população muçulmana residente na Mouraria.

Muitos arrendatários do edifício municipal da Rua da Palma conhecem a ideia e dizem já ter ouvido falar dela há algum tempo, mas todos temem abordar o assunto e frisam que nunca foram oficialmente contactados pela Câmara. Foi isso mesmo que disse ao Corvo um elemento da direcção da Confederação Portuguesa das Colectividades de Cultura, Recreio e Desporto, instituição que ocupa o 250 da Rua da Palma. “Nunca fomos oficialmente contactados a esse respeito”.

Além da Confederação das Colectividades, no edifício municipal funciona também uma garagem e uma loja de roupa, entre outros serviços. Mas qualquer destes inquilinos optou por não prestar declarações.

E até o presidente da junta de freguesia de Santa Justa parece desconhecer o projecto a desenvolver no território que administra. Contactado pelo Corvo, o socialista Manuel Luís Medeiros remeteu-se ao silêncio.

O Corvo tentou saber mais sobre o projecto que está a ser desenvolvido pelo atelier da arquitecta Inês Lobo, a quem solicitou imagens do que irá ser feito na Rua da Palma e na Rua do Benformoso. Mas o atelier não se mostrou disponível para tornar público o projecto, ainda que o estudo prévio aprovado pela câmara circule online.

MAIS ACTUALIDADE

COMENTÁRIOS

  • Cristina
    Responder

    Incrível! Como se o Martim Moniz já não fosse um largo suficientemente grande! Isto sem contar que já existe na Mouraria dois prédios inenarravelmente feios a pedirem demolição: o Centro Comercial da Mouraria e o Centro Comercial do Martim Moniz.
    Mas não: é melhor mandar abaixo edifícios históricos.
    E para construir uma Mesquita: como se a centralização das comunidades muçulmanas ali na zona já não tivesse sido levada ao extremo.
    Não consigo compreender.

  • José
    Responder

    A requalificação da Mouraria, BEM PRECISA.
    Deitem abaixo este edificio feio, e assim valorizam o famoso bairro da MOURARIA.

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend