Edifício da Biblioteca Nacional foi inaugurado há meio-século no Campo Grande

PORTFÓLIO
Samuel Alemão

Texto


Paula Ferreira

Fotografias

CULTURA
VIDA NA CIDADE

Alvalade

12 Abril, 2019

Passou esta semana (quarta-feira, 10 de Abril) meio-século desde que abriu portas a nova casa-mãe da instituição fundada em 29 de Fevereiro de 1796, como Real Biblioteca Pública da Corte. Desenhado por Porfírio Pardal Monteiro, dentro das linhas austeras que caracterizavam a arquitectura pública do Estado Novo, alberga no seu interior mais de dois milhões e meio de livros e documentos, acumulados nos 13 pisos da Torre de Depósitos. Mas são incontáveis as horas de estudo, investigação, descoberta e talvez maravilhamento vividas por quem se sentou numa daquelas mesas e esperou que chegassem as obras contidas na requisição de consulta. Sempre com o voo rasante dos aviões sobre a biblioteca, a poucos instantes de concretizarem a aterragem no aeroporto, a pontuar aquele silêncio.

A pose dos protagonistas era totalmente formal, a condizer com a ocasião, sem dúvida. Mais que isso, exalava uma rigidez na postura e um cansaço a dizerem muito mais sobre aqueles tempos do que as palavras de circunstância propaladas pelos representantes da coisa institucional de então. Nas imagens de arquivo da reportagem feita pela RTP sobre a inauguração do edifício-sede da Biblioteca Nacional de Portugal (BNP), ocorrida a 10 de Abril de 1969, disponíveis online, apercebemo-nos da paradoxal e evidente falta de entusiasmo dos que acorrem ao que deveria ser um dia de festa. E, afinal, até existiam razões sobejantes para comemorar, tal a importância do momento. Depois de obras de quase uma década e meia, Lisboa assistia finalmente à abertura de portas das novas instalações, a condizerem com as exigências do seu tempo, de uma das mais importantes entidades do país, fundada em 29 de Fevereiro de 1796, como Real Biblioteca Pública da Corte.

O edifício projectado por Porfírio Pardal Monteiro (1897-1957), um dos mais destacados arquitectos nacionais do início do século XX, representava uma mudança radical em relação às obsoletas instalações do Convento de São Francisco, onde a biblioteca estava instalada. Mas era, sobretudo na rigidez do seu desenho monumental, uma obra em clara sintonia com os trabalhos já desenvolvidos por Pardal Monteiro para os mais relevantes equipamentos públicos do Estado Novo na capital da então metrópole: Estação Ferroviária do Cais do Sodré (1926), Instituto Nacional de Estatística (1931), Gare Marítima de Alcântara (1934), Laboratório Nacional de Engenharia Civil (1949) ou até a Cidade Universitária, que começou a projectar em 1952, mas não viu concretizada. O mesmo se sucedeu, aliás, com a BNP, que apenas foi inaugurada uma dúzia de anos após a sua morte. O produto do seu trabalho, contudo, fez jus a um dos seus postulados, o de desenhar imóveis sintonizados com o seu tempo, mas com ambição de perdurar.

MAIS PORTFÓLIOS

COMENTÁRIOS

Comentários
  • Naila Angela Dubiel
    Responder

    É com grande prazer que posso conhecer está Biblioteca. Mesmo que a distância hoje, mas que pretendo conhecer num futuro próximo. Congratulações a toda equipe.

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografias & Fotografia

Paula Ferreira
Fotografía

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Send this to a friend