O edifício atribuído a Cassiano Branco, situado na Avenida Almirante Reis, nº 233, foi, afinal, “projectado por um engenheiro, Jacinto Bettencourt”, e “não tem nenhum valor patrimonial relevante”, afirmou quarta-feira , na reunião semanal da Câmara Municipal de Lisboa (CML), o vereador do urbanismo, Manuel Salgado.


O prédio (ver notícia da semana passada), que faz esquina com a Praça João do Rio, está classificado no Inventário Municipal do Património com o número 43.14, mas, garantiu o vereador e vice-presidente da CML, “apenas faz parte de um conjunto”.

A demolição do edificio iniciou-se em Maio e já destruiu parte da fachada mas, segundo Manuel Salgado, sendo o edifício construído em betão, a fachada “faz parte da própria estrutura”, pelo que não era possível tê-la conservado isoladamente.

O vereador disse ainda que, no lugar daquele prédio, será erguido não um hotel, como consta de uma proposta assinada por ele próprio em 2009, mas “uma residência para idosos”, e que a obra irá “recuperar todos os elementos decorativos que não estiverem partidos e reconstituir a fachada, tal como era anteriormente”.

 

Texto: Isabel Braga  Fotografia: Samuel Alemão

  • António Rosa de Carvalho
    Responder

    O “blog” Bic Laranja escrevia a 15 de Junho:

    “Dei recado aos da Cidadania LX em 24 ou 25 de Maio, já a obra levava uma semana. Em 27 desse mês o recado fora recebido mas não entendido (talvez). Em 10 de Junho disse aqui em que pé estávamos. A verdade, que se entrevê melhor ou pior na notícia, é que estamos pior do que julgamos. E sem salvação, eu me parece. Por mim já me resignei. Portugal há muito que acabou, portanto tudo isto é por nada.”
    in Bic Laranja às 15:16

    “O vereador acrescentou que não é o prédio projectado pelo arquitecto Cassiano Branco que está inscrito no Inventário Municipal do Património, mas sim o conjunto urbano da Praça João do Rio. “O edifício não tem nenhum valor patrimonial particular”, disse.”

    Estranha lógica … Se é o conjunto que está classificado, qualquer dos seus elementos que constituem o TODO é indivisível e contribui pelas suas características precisamente para o VALOR Patrimonial do TODO, reconhecido por LEI.
    Chegou a altura de propor e lutar pela CLASSIFICAÇÃO DE ALVALADE como Conjunto Patrimonial desde o Júlio de Matos à Alameda.
    António Sérgio Rosa de Carvalho.

  • António Rosa de Carvalho
    Responder

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com