Desmentindo os receios de um fim definitivo de atividade, a Transtejo garante que o Eborense, o último dos tradicionais ferryboats do Tejo e a mais antiga das suas embarcações ainda em operação, deverá apenas parar no próximo ano, sim, mas apenas para manutenção. Durante o período da intervenção, o navio, com capacidade para 346 passageiros e 30 veículos, e que costuma assegurar a ligação Trafaria-Porto Brandão-Belém, será substituído nesse serviço pelo catamarã Lisbonense, que também pode transportar automóveis. A necessidade de encostar a embarcação construída em 1953 pelos Estaleiros Navais de Viana do Castelo – e reconstruída em 1991, tendo os seus motores sido substituídos em 2004 – está relacionada com a obrigação de renovar o respetivo certificado de navegabilidade.

 

Tal é reconhecido pela transportadora, em nota escrita enviada ao Corvo. “Com periodicidade bienal, todos os navios são obrigados a renovar os certificados de navegabilidade, sendo necessário que realizem estes trabalhos em seco”, explica o texto, antes de informar que “o Ferry Eborense termina o seu certificado de navegabilidade em Janeiro e está orçamentada no plano de 2017 a sua docagem e revisão”. Ou seja, a paragem do navio, a partir de janeiro do próximo ano, será para se fazer a necessária manutenção e não para o desativar do serviço, como chegou a ser avançado nos últimos dias. No mesmo esclarecimento, a empresa avança que, “para a realização do mesmo serviço, está em operação o Ferry catamarã Lisbonense, que renovou o seu certificado de navegabilidade há pouco tempo”. Na referida nota, todavia, não é avançada uma data para o retorno ao serviço do Eborense.

 

Os rumores de que o ferry iria deixar, de vez, de fazer a ligação entre ambas as margens do rio levou a que, na semana passada, o grupo cívico Fórum Cidadania LX tivesse enviado uma carta endereçada ao presidente da empresa, Tiago Farias, alertando “para a necessidade da Transtejo repensar a anunciada retirada do Eborense”. Classificando como “erro estratégico monumental” não garantir, ao menos, a viabilidade do navio enquanto ferry turístico, o grupo dizia que a Transtejo “não quer ou não sabe como justificar” a renovação dos certificados de navegabilidade e segurança da embarcação – cuja tipologia singular de deck aberto “convida evidentemente a que nela se embarque, nem que seja para simples passeio e lazer, assumindo-se estes carismáticos ferries como os nossos ‘eléctricos do Tejo’”, consideram.

 

Texto: Samuel Alemão

 

  • Hannes Reiss
    Responder

    ferrie?

    • O Corvo
      Responder

      Tem razão. É ferry. O seu plural é ferries. Obrigado pela chamada de atenção. Está corrigido na página.

  • Ines B.
    Responder

    Para além da sua fiabilidade (que é maior que o dos modernos catamarãs), a ligação a estes cacilheiros por parte das populações que os utilizam é afectiva: “Para além do seu valor histórico, o EBORENSE tem demonstrado a sua total fiabilidade e utilidade ao assegurar nos últimos meses a ligação Belém- Trafaria, durante as imobilizações quer do LISBONENSE, quer do ALMADENSE, construídos em Aveiro por 14 milhões de euros e que não têm provado em serviço por avarias constantes e custo elevado de operação. O LISBONENSE consome três vezes mais combustível que o EBORENSE, por exemplo (…). O EBORENSE é muito apreciado pela população em geral e em particular pelos utentes dos serviços fluviais no Tejo, permitindo travessias muito agradáveis, em que se aprecia a paisagem do rio e das margens de forma relaxada e descontraída, nos decks abertos” )

    • raul santos
      Responder

      Provável que acabe no Douro em passeios turísticos…
      Para quando a investigação á compra de 2 ferries novos mas
      obsoletos (14 milhões de euros)e o abate de todos os ferries?
      Que estará por trás disto tudo?

  • Man Next Door
    Responder

    Eborense, último ferry tradicional do Tejo, vai encostar para manutenção em 2017 https://t.co/NW3cFHSvyf

  • Tiago Filipe
    Responder

    RT @ManNextDoor: Eborense, último ferry tradicional do Tejo, vai encostar para manutenção em 2017 https://t.co/NW3cFHSvyf

  • Jorge
    Responder

    Ferry… ferry tradicional… ferryboat… as voltas que dão para não escrever o que toda a gente diz: cacilheiro.

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com