As ciclovias são úteis, mas se não forem bem construídas, mais vale apostar na criação de condições para a circulação como deve ser das bicicletas em todo o corredor rodoviário. Isto porque muitas das – apesar de tudo, recentes – vias de uso exclusivo para as duas rodas a pedal existentes em Lisboa apresentam diversos problemas técnicos. Melhor será então parar para repensar a abordagem. A ideia é relativamente consensual entre a crescente comunidade velocipédia da capital, mas começa a ganhar também adeptos entre os decisores políticos. Tanto que mereceu a aprovação de uma recomendação por parte da Assembleia Municipal, esta semana.

 

Intitulada “Por uma melhor mobilidade ciclável” e apresentada pelo único eleito naquele órgão autárquico do Partido pelos Animais e Pela natureza (PAN), Miguel Santos, a recomendação – que foi aprovada na generalidade por todos os partidos, com exceção do Movimento Partido da Terra (MPT), que se absteve, tendo um dos seus pontos (o quarto) recebido também a abstenção do PCP e dos Verdes (PEV) – fala na necessidade de que “os serviços municipais com competência na mobilidade promovam a reanálise técnica das ciclovias atualmente já implemetadas”. Uma posição que vai de encontro às exigências de uma parte significativa dos muitos activistas do uso da bicicleta.

 

Contacto pelo Corvo, Manuel Cabral, responsável pelo grupo de reflexão sobre as questões de mobilidade do PAN, diz que, “apesar de se ter feito muito ao nível da construção de ciclovias na cidade de Lisboa, nos últimos anos, é evidente existirem falhas técnicas, como a colocação em sítios errados ou a existência de obstáculos”. Manuel Cabral acha que a câmara deveria resolver estes erros, antes de avançar para a prevista expansão da rede. Mas, se tal não suceder, o melhor seria mesmo avançar para as “medidas de acalmia de tráfego” que permitam a circulação das bicicletas em segurança na rede viária – realidade cada vez mais frequente e reforçada pelas recentes alterações ao código da estrada, que dotam os ciclistas de alguns direitos básicos.

 

Por isso, a recomendação agora aprovada pela assembleia municipal apela num dos pontos – aquele que, precisamente, mereceu abstenção do PCP e PVP – à promoção de “soluções alternativas para a rede de vias cicláveis definidas quando, por questões financeiras ou técnicas, não for possível a sua implementação”. O referido ponto do documento diz ainda: “Estas alternativas poderão passar por trajetos onde se promova uma velocidade reduzida do trânsito automóvel, permitindo uma melhor partilha das vias de circulação entre as bicicletas e os restantes veículos, tal como já ocorre nas Zonas 30”.

 

A recomendação dirigida à Câmara Municipal de Lisboa começa, todavia, por referir no primeiro ponto a necessidade da autarquia liderada por António Costa fazer “uma nova abordagem à utilização da bicicleta, começando a bicicleta a ser entendida como um modo de transporte fundamental na definição duma politica de mobilidade sustentável na lógica das recentes alterações do Código da Estrada, que assume claramente a bicicleta como modo de transporte”. E pede ainda que a edilidade “implemente estratégias claras em prol da promoção dos modos suaves através do estabelecimento de metas de transferência modal do transporte individual para a bicicleta, índices de acréscimo de utilizadores de bicicletas em deslocações pendulares e, também, indicadores de monitorização de modo a avaliar o cumprimento de objetivos”.

 

Texto: Samuel Alemão

  • Jorge Lima
    Responder

    Uma boa medida de acalmia de tráfego é reduzir a largura das faixas de rodagem sobredimensionadas e conseguir à custa disso uma faixa ciclável à direita.

  • Jornal Pedal
    Responder

    É preciso repensar ciclovias de Lisboa, recomenda Assembleia Municipal | O Corvo | sítio de Lisboa http://t.co/pNhEcBIvvK

  • Jun Itabashi
    Responder

    Ciclovias isto e aquilo. E câmara em cadeiras de rodas? Não têm direito ? Porra !!!

  • Lisbon 4All
    Responder

    e repensar a circulação automóvel??

  • Hugo Mendes
    Responder

    É preciso repensar ciclovias de Lisboa, recomenda Assembleia Municipal http://t.co/wL70UGzMGh

  • Freebike
    Responder

    É preciso repensar ciclovias de Lisboa, recomenda Assembleia Municipal | O Corvo | sítio de Lisboa http://t.co/7b0VcU7e53

  • Nuno Rebelo
    Responder

    RT @ocorvo_noticias: É preciso repensar ciclovias de Lisboa, recomenda Assembleia Municipal – http://t.co/qx9XJGF4q4

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com