Vencer a encosta do Castelo de São Jorge é agora mais fácil, com a inauguração, sábado, dia 31 de Agosto, do elevador que liga a Rua dos Fanqueiros à Rua da Madalena, onde, no Largo Adelino Amaro da Costa, já funciona o ascensor do Mercado do Chão do Loureiro, que serve a Rua Costa do Castelo.

Não passou despercebida a lisboetas e turistas a comitiva municipal que sábado à tarde deixou a estação do Metropolitano da Baixa-Chiado para fazer toda a Rua da Vitória debaixo da música estridente dos Dixie Gang até atingir o prédio 170-178 da Rua dos Fanqueiros, que abriga três ascensores de 13 pessoas. Funcionam gratuitamente das 9h00 às 21h00.

O novo equipamento faz parte do programa de revitalização da Baixa de Lisboa, aprovado em 2007, que inclui obras feitas como os museus do Design e da Moda e do Banco de Portugal ou inacabas, como os Terraços do Carmo e a escola primária e jardim de infância previstos para a Boa Hora – com que a Câmara pretende facilitar a fixaçãode novos moradores na zona.

O presidente da Câmara de Lisboa lembrou a polémica em torno de uma anterior proposta de elevador e disse que a solução encontrada pelo arquitecto João Falcão de Campos – usar um prédio pombalino que ocupa uma boa parte da encosta – foi um “ovo de Colombo” pois, no fundo, trata-se simplesmente de “um edifício com um elevador”. Três neste caso.

Se a solução agora parece simples, a obra nem sempre foi fácil. Na obra do edifício trabalharam “seis ou sete serralheiros” porque a sua maioria foi à falência, disse Falcão de Campos.

Os novos elevadores servirão o movimento turístico para (e de) uma zona muito visitada e também facilitarão a mobilidade dos moradores da cota média da colina.

Para que o chamado “percurso pedonal apoiado” entre a Rua do Cruxifixo e o monumento nacional fique completo há que acabar os espaços públicos da actual empreitada e concluir o terceiro e último ciclo do trajecto: a subida da Rua da Costa do Castelo ao castelo propriamente dito.”Para já, para já, seguiremos a pé”, disse António Costa.

Elevador

O edifício dos elevadores custou cerca de 1,5 milhões de euros. É propriedade municipal e António Costa anunciou que o município está disposto a cedê-lo para futura sede da nova Junta de Freguesia de Santa Maria Maior.

“Não haverá Baixa viva se não for possível passear na Baixa”, disse o autarca. E o grupo continuou passeando a caminho do Castelo. No Largo do Caldas veio apresentar cumprimentos o banqueiro Fernando Ulrich enquanto os músicos de nova banda, o Cavalinho das Sete Colinas, davam música. Mais acima, ao chegarem ao topo do Mercado do Chão do Loureiro, palhaços do Chapitô saudaram a sorridente comitiva.

 

Texto e Fotografia: Francisco Neves

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com