Doença obriga à substituição de mais de cem árvores na Alameda dos Oceanos

ACTUALIDADE
Samuel Alemão

Texto

AMBIENTE

Parque das Nações

9 Setembro, 2016


A Junta de Freguesia do Parque das Nações e a Câmara Municipal de Lisboa (CML) deverão levar a cabo, nos próximos meses, uma ação de substituição em larga escala das árvores doentes na Alameda dos Oceanos. “Estamos apenas a aguardar os pareceres técnicos finais para poder lançar a operação”, diz ao Corvo o presidente da junta, José Moreno (Parque das Nações Por Nós), sem precisar o número exacto de exemplares a replantar, até ao início do próximo ano, ou os custos finais desse processo. “São cento e tal árvores”, afirma o autarca, reconhecendo que o procedimento implicará “meios técnicos e financeiros elevados”.

O presidente da junta diz que “já há muitos anos se sabe” do problema das azinheiras de origem italiana. As árvores, explica, terão apresentado problemas de adaptação ao nosso clima, logo desde o início, a partir do momento em que foram plantadas no recinto então em construção da Expo’98. A inadequação ao meio será a principal razão das doenças, assegura. A situação levou a que, ao longo dos anos, de cada vez que tal se justificasse, a Parque Expo substituísse os exemplares denotando evidentes sinais de doença. Com a criação da freguesia do Parque das Nações, consequência da reorganização administrativa da cidade de Lisboa, em 2013, a manutenção dos espaços verdes, árvores incluídas, passou a ser competência da junta. A sua substituição continua a ser responsabilidade do município.

As duas autarquias (junta e câmara) entendem ter chegado agora o momento de pôr cobro ao problema, depois de, nos últimos três anos, terem constatado a persistência dos sintomas. Muitas das azinheiras foram secando e morreram. Outras apresentam sinais de patologias graves. De acordo com uma contagem realizada, há poucos dias, pelo movimento cívico A Cidade Imaginada Parque das Nações (ACIPN), “de um total de 283 azinheiras, apenas 33 apresentam um aspeto exterior aparentemente saudável”, havendo 69 que evidenciam sinais claros de doença e “em relação às restantes 181 azinheiras já nada mais há a fazer pois estão irremediavelmente perdidas, ou seja, mortas”.

As árvores vindas de território italiano serão então substituídas por uma espécie de azinheiras habitualmente usadas no nosso país, explica José Moreno, sem especificar quais as espécies em causa. “Os técnicos da junta e da câmara já estão de acordo nesse aspecto”, refere o autarca, salientando que estarão a ser procuradas as melhores opções técnicas para levar a cabo a substituição das azinheiras. Questionado sobre a quem caberá pagar a operação, José Moreno disse ao Corvo estar convicto de que “se há-de encontrar um ponto de entendimento entre a junta e a câmara sobre essa questão”. “O mais importante é que as árvores vão ser substituídas”, diz.

No texto, publicado no seu sítio, em que denuncia o estado do arvoredo de uma das principais artérias do Parque das Nações, a ACIPN destaca sobretudo a “sucessão de azinheiras mortas e doentes ao longo dos passeios laterais”, situação que diz ter vindo a piorar ao longo dos últimos anos. E faz notar que “há pouco mais de um ano, a Junta de Freguesia do Parque das Nações falava em ‘120 azinheiras doentes, votadas ao abandono e à sua força de viver’, acrescentando estar a ‘trabalhar na sua recuperação e substituição nos casos daquelas que estão mortas’”.

MAIS ACTUALIDADE

COMENTÁRIOS

  • Joaquim Xavier Lopes
    Responder

    Enquanto isso uma doença chamada sede está a matar o Jardim Garcia de Orta, na zona norte do Parque das Nações.
    Muitas das bananeiras por lá existentes já não deverão ter salvação.
    Simultaneamente, no meio do jardim há uma rotura na canalização e a água se desperdiça

  • Joaquim Xavier
    Responder

    Enquanto isso uma doença chamada sede está a matar o Jardim Garcia de Orta, na zona norte do Parque das Nações.
    Muitas das bananeiras por lá existentes já não deverão ter salvação.
    Simultaneamente, no meio do jardim há uma rotura na canalização e a água se desperdiça

  • Rosa
    Responder

    E essa ” doença ” tem nome?

  • Paulo Ramos
    Responder

    a doença de quem só se for a mental de alguém no gabinete de espaços verde

  • Henrique Fernandes
    Responder

    muitas delas morreram devido aos imbecis da junta que as deixaram morrer à sede bem como acontece em todo o oladp no parque das naçoes.

  • Vasco
    Responder

    Plantem plátanos. Crescem rápido e aguentam bem as condições do lugar.

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend