Doclisboa 2014: regressam os dias do documentário

ACTUALIDADE
Rui Lagartinho

Texto

Imagem: “Out of the present”, Andrei Ujica

Fotografia

CULTURA

Cidade de Lisboa

16 Outubro, 2014

É um dos maiores festivais de cinema documental a nível internacional. Desta quinta-feira até dia 26 de Outubro, o mundo cabe em Lisboa. São duzentos filmes para ver em dez dias. Este ano, haverá também sessões no novo cinema Ideal, junto ao Bairro Alto.

 

Nunca como nesta edição do Doclisboa o olhar será tão retrospectivo. “O cinema face à história”, uma das secções do festival deste ano, leva-nos através de uma dúzia de filmes aos campos de concentração nazi, aos grandes conflitos do mundo, às utopias, à euforia e à desilusão. Um destaque: “Socialism” (2014) de Peter Von Bagh, o filme que encerrará o festival.

 

E porque os movimentos estéticos se reinventam, a retrospectiva “Neo-realismo e novos realismos” permite o confronto com essa herança tão marcante no meio do seculo XX e que estende os seus ramos à atualidade. A maioria desses trabalhos vêm de Itália, com a evocação dos mestres, Rosselini, Visconti, mas também por exemplo das Filipinas ou do Irão.


 

A secção “Passagens” terá uma novidade. Uma extensão do Doc ao Museu da Electricidade, que acolhe uma exposição e um programa de filmes. “Gente da Terceira Classe – Fotografia e Realismos” apresenta autores nacionais e internacionais cuja obra fotográfica está centrada na representação social da realidade. A exposição é composta por cerca de 70 obras fotográficas e documentação bibliográfica que permite acompanhar as diferentes facetas da fotografia e da sua relação com os temas sociais – sobretudo no período entre a década de 30 e o final dos anos 50 do século XX.

 

Para além, obviamente, dos filmes em competição – curtas e longas-metragens, portuguesas e internacionais -, muitos não perderão a viagem mais específica ao mundo das artes no centro da secção “Heart Beats”. É onde se integra, por exemplo, a estreia de um documentário sobre Camané, da autoria de Bruno de Almeida.

 

“O cinema de urgência”, o nome de outra secção, diz tudo. Mostra-nos os registos em cima de linhas de fogo da actualidade. O conjunto de curtos filmes agrupados em “Babylon13” são uma janela para a história recente da Ucrânia.

 

Para além da Culturgest, do cinema São Jorge e da Cinemateca – local onde decorrerão a maioria da projecção dos filmes da retrospectiva do holandês Johan van Der Keuken -, junta-se aos espaços do Doclisboa o novo cinema Ideal, junto ao Bairro Alto.

 

Mais informações em www.doclisboa.org

MAIS ACTUALIDADE

COMENTÁRIOS

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografias & Fotografia

Paula Ferreira
Fotografía

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Send this to a friend