Dias após a reabertura, acesso norte da estação de metro do Anjos já tem graffiti

DICAS
Samuel Alemão

Texto

VIDA NA CIDADE

Arroios

Será um detalhe num mar de gatafunhos e desenhos feitos com maior ou menor destreza na zona da Avenida Almirante Reis, mas acaba também por se assumir como perfeito exemplo do crescente sentimento de rédea solta de que beneficiarão, naquela área da capital, os autores de graffiti não autorizado. Um dos acessos ao átrio Norte da estação de metropolitano dos Anjos foi, na semana passada e apenas alguns dias após a sua reabertura – na sequência de uma intervenção que o deixou totalmente reabilitado -, presenteado com ilustrações em aerossol nas duas grelhas de respiração laterais.

ocorvo_11_09_2017

O átrio esteve fechado durante dois meses, entre 26 de junho e 28 de agosto, para uma grande intervenção de beneficiação, que incluiu a limpeza profunda do espaço (pavimento, tetos, superfícies vidradas, equipamentos e outros), a sua pintura e a substituição integral do tecto falso. As referidas grelhas metálicas de respiração haviam sido repintadas em tom cinza metálico nesta intervenção.

Apesar da monitorização e do enquadramento através da Galeria de Arte Urbana, da Câmara Municipal de Lisboa, que tem como missão “promoção do graffiti e da street art em Lisboa, dentro de um quadro autorizado e segundo uma óptica de respeito pelos valores patrimoniais e paisagísticos, em oposição aos actos ilegais de vandalismo que agridem a cidade”, as manchas de graffiti ilegal e os tags têm alastrado de forma desordenada na zona da Almirante Reis. Os danos em edifícios e mesmo em viaturas, causados por esta prática, tornaram-se assim quase generalizados.

MAIS DICAS

COMENTÁRIOS

  • Tiago Dias
    Responder

    E merece, pela foto a entrada ficou uma bela bosta.

  • Teresa Campos Campos
    Responder

    tou farta de graffiti

  • Miguel Caldas
    Responder

    Infelizmente este tipo de vandalismo – que não é arte urbana! – impõe a criaçäo urgente de brigadas anti-grafitti, pela CML, que actuem de imediato (em vez de pagar a privados).

    • Álvaro Pereira
      Responder

      Concordo consigo!

      E essas brigadas deviam, assim que apanhassem os graffiters, tirar-lhes as calças e pintar-lhes os orgãos genitais!
      Talvez assim lhes passase a vontade de grafitar!

  • António Barroso
    Responder

    Se fossem obrigados a limpar o que sujam,talvez não pintassem tanto.
    Já limpei a minha carrinha 3 vezes.

  • Eyeslit
    Responder

    Era muito simples acabar com os gatafunhos; proibir a venda de aerossóis a menores de 21 anos e acrescentar uma taxa, dedicada à limpeza posterior, ao preço das latas.

    • Catarina de Macedo
      Responder

      Acho que nem a menores de 21 anos chegava…

  • Vitor Ramos
    Responder

    Lixo. Isto não é arte é lixo. Mas quem faz tem noção disso.

  • Paulo Ramos
    Responder

    Não andaram a promover esta coisa que chamam arte agoentem-se

  • Arcadiy Kulchinskiy
    Responder

    E isso é uma notícia? Convido-vos fazer também um artigo sobre a minha casa. O título pode ser: “Dias após a limpeza, já se nota o pó nos móveis.”

    • João Menezes
      Responder

      Voçê é um palerma! Vandalismo ao património público não é notícia?

    • Catarina de Macedo
      Responder

      Comparar um espaço público vandalizado à sua casa suja…Se não tivesse dito nada tinha feito melhor figura. Que coisa mais deprimente de se ler.

  • Nelson Vassalo
    Responder

    e tá mt bonito

  • Idiotas & Cia. Ltda.
    Responder

    Existe uma grande diferença entre arte urbana e vandalismo… aqui parece claramente ser vandalismo!!!

  • Ana Gomes
    Responder

    Nem comento, senão tenho por ai os defensores de todos os direitos!

  • Nuno Roberto
    Responder

    Acho que nenhum português taga toulouse 😛

  • Vasconcelos Maria Rita
    Responder

    câmaras de vigilância para poderem prender essa canalha…

  • Maria Calais Pedro
    Responder

    Infelizmente há que ser rápido!

  • Miguel Jorge
    Responder

    Lixo … grafitte é lixo ! Mas vigilância nas ruas nem vê-la …. fosse em NY, estavam os pobres de espírito com as latas de spray na mão, tinham aparecido polícias em 5 minutos

  • Responder

    É o povo que somos…

  • Ana Paula Pereira
    Responder

    Fdp

  • Jose Conceiçao
    Responder

    camaras nunca vai resultar colocam carapuços ja apanhei muitos a sim .

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend