É difícil fazer uma obra de subsolo na Baixa que não implique a realização de escavações arqueológicas, porque a cada pedra que se levanta surge algo com valor histórico. Foi o que aconteceu agora, no decorrer das já prolongadas obras da Rua da Vitória. Na esquina com a Rua dos Douradores, foram, há poucos dias, encontradas ossadas humanas, que poderão ser anteriores ao terramoto de 1755, uma hipótese colocada pelos arqueólogos.

 
Esta semana, quando as obras se aproximaram dos níveis de um antigo caneiro pombalino, que passa na Rua da Vitória, uma equipa de arqueologia da empresa Era foi chamada para fazer escavações na zona, próxima da Igreja de São Nicolau.

 
Até ao momento, apenas foram encontradas ossadas – entre elas, a cabeça de uma mulher e partes de esqueletos de crianças – que não estão ainda datadas. Os vestígios humanos estavam misturados e não se encontravam já em sepulturas.

 
Terão sido deixados no subsolo quando se construiu o caneiro pombalino, na sequência do terramoto de 1755. Essa é a hipótese que se coloca, a de as ossadas pertencerem a sepulturas existentes na Igreja de S. Nicolau – as quais terão sido parcialmente destruídas, quando se construiu o caneiro que passa naquelas artérias da Baixa.

 
As descobertas arqueológicas não parecem atrasar as obras da Rua da Vitória, uma vez que  na zona estão a trabalhar em simultâneo os operários e a equipa de arqueologia: enquanto uns esmiúçam as ossadas, os outros avançam com os trabalhos pelas áreas que já foram alvo das escavações.

 
As obras de requalificação da Rua da Vitória iniciaram-se há quase um ano, o que tem trazido dificuldades acrescidas aos comerciantes ali estabelecidos. Segundo a explicação dada pelo vereador Manuel Salgado, numa reunião descentralizada da Câmara, realizada em Março, na Baixa, a demora dos trabalhos deveu-se à necessidade de colocar no subsolo caleiras técnicas destinadas aos diversos concessionários, antes de se proceder à repavimentação.

 
Todo o arranjo de superfície deveria estar concluído em Maio, de acordo com a previsão então feita pelo vereador Manuel Salgado – prazo que não se veio a conformar e se irá ainda estender pelo mês de Junho.

 

Texto e fotografias: Fernanda Ribeiro

Comentários
  • Marisa Costa
    Responder

    Os tipos do CSI descobriam o mistério das ossadas num instante! 😉

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com