Deputados municipais criticam privatização do Oceanário de Lisboa

ACTUALIDADE
Francisco Neves

Texto

(1) Mafalda Frade (Oceanário de Lisboa)

(2) Francisco Neves

Fotografia

VIDA NA CIDADE

Parque das Nações

30 Abril, 2014

A Assembleia Municipal de Lisboa (AML) manifestou-se, esta terça-feira, contra a anunciada privatização pelo Governo do Oceanário de Lisboa, numa sessão em que os temas da cultura tiveram destaque.  O colectivo aprovou uma moção do PS condenando a medida, prevista no Documento de Estratégia Orçamental para 2015, e apelando a um amplo “debate público que envolva o Município de Lisboa e a Freguesia do Parque das Nações”. PSD e CDS votaram contra.

 

A moção acrescenta que “deverá ser garantido o acesso universal “a este equipamento, designadamente aos mais carenciados, às crianças e idosos”. O texto será enviado ao Presidente da República, primeiro-ministro, ministro da Educação e da Ciência e grupos parlamentares.

 

O presidente da Junta de Freguesia do Parque das Nações, José Moreno, disse que a intenção do Governo lhe causou “um sentimento de repulsa” e anunciou que a autarquia da zona oriental vai lançar uma petição pública online contra a privatização e fazer um apelo à comunidade científica para que apoie a continuação no sector público de um dos “pólos culturais mais relevantes de Lisboa”.

 

O subscritor da moção socialista, João Pinheiro, criticou a eventual privatização deste “símbolo nacional” e da modernidade de Lisboa, dizendo que por este caminho ainda vamos vender o Arco da Rua Augusta, o Mosteiro dos Jerónimos ou a Torre de Belém. Mesmo economicamente, argumentou, a medida não faz sentido, pois o equipamento inaugurado em 1998 rende cerca de um milhão de euros por ano.


A sessão começara sob o signo das artes, no exterior do edifício do antigo cinema Roma, com o pintor Júlio Pomar a intervir na apresentação do painel alusivo aos 40 anos do 25 de Abril, concebido por Tamara Alves. Pomar, presidente do júri do concurso para o mural, lançado pela AML, destacou “a irresistível força da juventude” patente na pintura que passou a cobrir uma fachada secundária do edifício. O pintor comentou que a obra da artista, nascida dez anos depois do 25 de Abril, cria expectativa quanto ao que fará a geração mais nova contra “a apagada e vil tristeza” que domina os tempos actuais.

CAM00905

O mural comemorativo dos 40 anos do 25 de Abril, feito pela artista Tamara Alves.

 

Mais tarde, diversos deputados criticaram práticas do município na área da cultura e do património. O eleito comunista Manuel Tiago acusou a Câmara de ter transformado a política cultural na promoção de eventos organizados por privados. Deu como exemplo o facto de o município isentar de taxas o Rock in Rio, poupando-lhe seis milhões de euros, para depois a organização “cobrar em bilhetes, possivelmente, ainda mais do que isso”. E “bilhetes incompatíveis para a esmagadora maioria dos portugueses”.  Tiago disse ainda que, por exemplo, o cinema São Jorge – explorado pela empresa municipal EGEAC – cobra “taxas absurdas” ao movimento associativo, mas não o faz “a empresas que lá querem fazer o visionamenmto dos seus filmes”.

 

Em defesa da câmara, o vereador Jorge Máximo, com o pelouro do Desporto e das Obras, disse que o festival de música do Parque da Bela Vista deixaria Lisboa se não fosse isentado. Para o Bloco de Esquerda, o festival deve ficar em Lisboa, mas a empresa organizadora “não deve ter um tratamento preferencial”.

 

O PCP atacou a frequência com que o executivo municipal estabelece “parcerias” com privados – em parte, resultado da escassa capacidade financeira, segundo o vereador – e a “entrega do espaço da cidade à exploração privada”.

 

Victor Gonçalves, do PSD, atacou também a entrega de espaços municipais a privados, dando como exemplo “inadmissível” a entrega da recuperação do Arco da Rua Augusta à Associação de Turismo de Lisboa, na qual – afirmou – ocorreram “asneiras” só travadas por intervenção da Direcção Geral do Património.

 

MAIS ACTUALIDADE

COMENTÁRIOS

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografias & Fotografia

Paula Ferreira
Fotografía

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Send this to a friend