40 anos do 25 de Abril

Durante toda esta semana, o cravo vermelho é a flor mais procurada pelos portugueses. O Corvo foi tentar perceber de onde chegam os cravos que as comemorações consomem.

 

Texto: Rui Lagartinho        Fotografias: David Kong

 

À saída da Ponte Vasco da Gama, no sentido sul, um cartaz vende a cidade do Montijo como “Capital da flor”.  A ponte veio dar alento à actividade de produtores e distribuidores que são procurados directamente por alguns retalhistas e mesmo por floristas, preferindo estas quintas ao MARL (Mercado Abastecedor da Região de Lisboa) para se abastecerem de flores.

A meio da manhã de 24 de abril, restam por colocar no mercado apenas alguns molhos de cravos vermelhos. “O resto já foi tudo”, explica Jony Wilson, um importador de flores espanholas – fonte de abastecimento que dá garantias de não faltarem cravos na lapela dos portugueses.

Por aqui, venderam-se 140 mil cravos vermelhos, só nesta semana. Já numa semana normal, as vendas rondam os 4 a 5 mil e não exclusivamente de uma só cor.

 

cravos 026

 

“É um negócio sazonal”, conta-nos Sérgio, o gerente da ZT Flores, um dos grandes armazéns de flores de Lisboa, que aqui se vem abastecer. Por estes dias, já vendeu 40 mil cravos vermelhos, dez vezes mais que numa semana normal. Por alguns dias, os cravos superam as rosas, a grande especialidade deste distribuidor, que com um irmão gere o negócio do pai, o famoso Zé de Tomar.

“Esta semana compensa, mas, durante o resto do ano, a procura baixa muito. O consumidor prefere as rosas, que se tornaram, com os gerbérias, as campeãs de venda de um mercado onde os pequenos produtores estão cada vez mais estrangulados pelas margens de comercialização”, queixa-se Sérgio.

Mas as dificuldades surgem também, acrescenta Fábio, produtor da Flor F, “pelos comerciantes que exorbitam os preços.” De facto, há uma lógica capitalista que paira sobre o símbolo do 25 de Abril. Um cravo que sai do Montijo a 4 cêntimos pode, facilmente, hoje e amanhã ser vendido no Rossio a um euro.

 

cravos 022

 

Mesmo assim, o cravo resiste: é uma planta que se renova todo o ano, ao longo da bacia do Mediterrâneo. E é tão importante na sua cultura, como a famosa dieta desta região. Atestam-no as braçadas que se encontram nas mãos dos deuses e de ninfas saltitantes e floridas na história da arte clássica – como nas espingardas da revolução portuguesa.

“É a flor associada ao PCP. Para além da semana do 25 de Abril, vendem-se muitos cravos, quando há, por exemplo, um funeral de um dirigente importante do Partido Comunista, ou uma grande festa ou congresso.” diz Sérgio.

Não deixa de ser irónico que sejam os comunistas os grandes reguladores do mercado

  • Alda Telles
    Responder

    Cravos capitalistas: Um cravo que sai do Montijo a 4 cent pode, facilmente, hoje e amanhã ser vendido no Rossio a 1€. http://t.co/G5bqxbfazq

  • Ricardo Oliveira
    Responder

    RT @AldaTelles: Cravos capitalistas: Um cravo que sai do Montijo a 4 cent pode, facilmente, hoje e amanhã ser vendido no Rossio a 1€. http:…

  • TMBoto
    Responder

    RT @AldaTelles: Cravos capitalistas: Um cravo que sai do Montijo a 4 cent pode, facilmente, hoje e amanhã ser vendido no Rossio a 1€. http:…

  • salazar
    Responder

    Metam os cravos no c…

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com