Texto: Francisco Neves

Agora, que o calor chegou, é quando mais se nota quão agradável pode ser um lago em cenário urbano. A presença da água cria mais luz, movimento e sensação de harmonia. É por isso que, nesta altura, tanto se nota a forma desleixada como são tratados os lagos da cidade, muitos deles completamente esquecidos e deixados secar há muito. E não falemos em fontes e bicas de água que deixaram de funcionar. Um lago seco é uma tristeza. Que alastra por Lisboa. Eis alguns exemplos:

 

Foto de abertura: No miradouro de Santa Luzia: é frequente servir de depósito de garrafas vazias.

 

1 Castelo

No Castelo de São Jorge: há outros casos no recinto, como o do lago junto ao sítio arqueológico do bairro árabe.

 

2 Lago Galveias

No Largo dos Coruchéus, agora dedicado ao músico João Ribas, há muito que o lago secou.

 

3 Jardim Constantino

O Jardim Constantino fica mais pobre com este sinal de abandono.

 

4 Fonte Luminosa

Um abandono de muitos anos: no cimo da Fonte Luminosa.

  • Maria de Morais
    Responder

    no comment

  • Armando Seixas Ferreira
    Responder

    Tudo ao abandono.

  • MovV.org
    Responder

    Porque há tantos chafarizes e lagos sem água em Lisboa? http://t.co/PgPxbuLHpc

  • Fátima Costa
    Responder

    Há muito a melhorar em Lisboa! Sendo uma capital europeia, deveria haver mais cuidado e higiene e preocupação com jardins e locais de lazer. Há zonas da cidade que cheiram muito mal, especialmente no verão e encontram-se completamente imundas!

  • Armanda Vilar
    Responder

    Também se poderia ter introduzido neste artigo a fonte do Largo dos Trigueiros, que foi completamente recuperada há dois anos e há uns meses desligada. Pessoas do bairro que ainda não têm água canalizada em casa, ou pessoas que, com este calor precisam de beber água… nada… seco…

  • Rita da Nova
    Responder

    RT @ocorvo_noticias: Da seca que grassa em Lisboa – http://t.co/FAE62UYo1j

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com