A pala do Pavilhão de Portugal, no Parque das Nações, foi local escolhido por António Costa para apresentar a sua recandidatura à Câmara Municipal de Lisboa, e para lançar algumas farpas ao governo de Passos Coelho. Apesar de classificado como Monumento de Interesse Público, depois da Expo 98, o espaço ficou ao abandono. Prevalece a indefinição sobre o que fazer com o edifício desenhado por Siza Vieira, tendo ao longo dos anos sido elaboradas várias propostas para o seu reaproveitamento. Elas incluíram ideias que vão da sua utilização como local para sede do Conselho de Ministros até a um Museu de Arquitetura.

Ontem, o local estava cheio de personalidades que ali se deslocaram para endereçar o seu apoio à recandidatura de António Costa à liderança da autarquia. Nenhuma das intervenções se referiu ao estado de praticamente abandono em que se encontra o Pavilhão de Portugal, onde já são notórias algumas brechas, manchas de humidade e mosaicos de pedra partidos. O lugar serve ainda, durante a noite, de “alojamento” a alguns sem-abrigo.

 
“Os lisboetas vão decidir se querem continuar uma política que foi capaz de equilibrar as contas, fazer obra, valorizar a participação, dinamizar a economia e promover a solidariedade e os direitos sociais ou se querem trazer também para Lisboa as políticas que no governo nacional só têm agravado a crise, promovido o desemprego, desprezado a cultura e empobrecido as famílias e as empresas”, disse o candidato António Costa, sustentando: “no governo da cidade há uma política alternativa àquela que tem sido seguida no governo do país”.

Perante uma assistência onde se destacavam figuras como Mário Soares, Jorge Sampaio, Manuel Alegre, Jaime Gama Almeida Santos, Manuela Eanes, Carlos César, Júlio Pomar ou Gonçalo Ribeiro Telles, o recandidato à autarquia alfacinha não deixou de se referir à atualidade política, salientando que, “perante o que assistimos no País, é essencial que Lisboa se mantenha um referencial de estabilidade”.

Junto ao Pavilhão de Portugal, projetado pelo arquiteto Siza Vieira, que recentemente sugeriu a sua demolição devido ao estado de degradação em que se encontra, António Costa sublinhou que a política que desenvolveu como presidente de autarquia demonstrou que “há uma alternativa de rigor ao culto da austeridade”.

O fadista Carlos do Carmo, mandatário da campanha de António Costa, com ironia disse que “mais uma vez” está num “sarilho” ao aceitar o desafio que pela segunda vez o candidato lhe lançou.

 

Texto: Mário de Carvalho       Fotografia: David Clifford

Comentários
  • António Rosa de Carvalho
    Responder

    Se Cavaco, para bem ou para mal, surpreendeu pela sua atitude … não me parece que Fernando Seara nos irá surpreender de alguma forma …
    Tudo indica que perante esta total incompetência do PSD de arranjar um Candidato válido e uma convicente Alternativa … António Costa está perante a Yellow Brick Road … e a sua ambição política não se reduz a OZ … Este seu último mandato será apenas uma etapa para “outras” feitiçarias …
    Ah … Mas afinal quem são os “Cidadãos por Lisboa” ? Os assalariados de Roseta na C.M.L?
    E os “Lisboa é Muita Gente” ?
    Poucas pessoas contribuiram tanto para o desprestígio e conspurcação do conceito de Democracia Participativa como Roseta e José Sá Fernandes …
    Sim, são uma ilustração de verdadeira “Independência”, no seu egocêntrico/ individual Empreendorismo e Projecto Pessoal de Poder Político.
    António Sérgio Rosa de Carvalho.

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com