As altas temperaturas estão naturalmente a provocar alterações significativas na qualidade do ar, com potenciais efeitos sobre a saúde humana. Os distritos de Lisboa e Setúbal eram, este  sábado, apontados pelo Sistema de Avisos Meteorológicos do Instituto do Mar da Atmosfera como “em situação meteorológica de risco extrema” .

Tudo estaria normal, não fosse a Base de Dados Online sobre a Qualidade do Ar da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), estar a funcionar condicionada devido a cortes orçamentais, determinados pelo Ministério do Agricultura e do Ambiente, o que por sua vez provoca atrasos nos avisos sobre valores das emissões poluentes – nomeadamente sobre os níveis de ozono (O3) e as partículas na atmosfera (PM10).

As Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional (Norte, Centro, Lisboa e Vale do Tejo, Alentejo e Algarve) são as entidades responsáveis por fornecer as informações, mas “as crescentes dificuldades orçamentais estão a colocar problemas de funcionamento do sistema ”, revelou ao Corvo uma fonte da APA.

A associação ambientalista Quercus alertava esta semana que avisos sobre as emissões poluentes “não estão a chegar às populações, o que se sucede pelo facto de não estarem a ser efetuados (foi o que aconteceu durante o último fim-de-semana). Devido ao mau funcionamento da cadeia de informação, também a comunicação social poderá não transmitir em tempo adequado os avisos emitidos pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (neste caso de Lisboa e Vale do Tejo – CCDR-LVT) ”.

Esta “falha” poderá revelar-se grave, pois a legislação nacional e comunitária determina que sejam emitidos avisos no caso da ultrapassagem dos valores de concentração de ozono, o que se verificou no último fim de semana.

As condições atmosféricas estão igualmente reunidas para este fim de semana, nomeadamente, nos distritos de Lisboa e Setúbal, onde as temperaturas devem alcançar valores acima dos 40 graus.

Estando a qualidade do ar diretamente relacionada com problemas de saúde, como as vias respiratórias, verificou-se este sábado, dia 6, ao meio-dia, na região de Lisboa, um nível entre o médio e o fraco, isto é, com concentrações de ozono e PM10 elevadas, mas ainda toleráveis.

As recomendações nestas situações são, para além da ingestão de água, evitar atividades físicas intensas ao ar livre. Os doentes do foro respiratório e cardiovascular devem “respeitar escrupulosamente” as indicações médicas. O fumo do tabaco e a exposição a produtos irritantes, contendo solventes, devem igualmente ser evitados.

O ozono é um poluente secundário e a sua formação está associada a forte radiação solar e a temperaturas elevadas. Os seus efeitos podem ser a inflamação das vias respiratórias, o aumento da tosse e a possibilidade de ataques de asma.

Em Portugal as concentrações de ozono são maiores durante a Primavera e Verão, enquanto as partículas têm o seu máximo.

Texto: Mário de Carvalho      Fotografia: Samuel Alemão

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com