Uma comunidade é mais que a mera junção de pessoas no mesmo local. Define-se pelos pontos de contacto entre elas e os propósitos que as juntam, apesar das idiossincrasias. Os espaços de cowork, onde se trabalha sob um tecto comum e seguindo o princípio da colaboração e partilha de ideias, mesmo que com objectivos e abordagens individuais diferentes, pode bem servir de exemplo. O CoWorkLisboa, projecto pioneiro na cidade e que acolhe o Corvo, abre agora os seus espaços de trabalho, na Lx Factory, em Alcântara, e na Central Station, no Cais do Sodré, à utilização gratuita por todos os menores de 25 anos e maiores de 60 anos. “É um apoio directo às pessoas, numa época de grande dificuldades económicas e de falta de emprego”, diz ao Corvo Fernando Mendes, o director-geral.

Os interessados só têm que enviar um email para info@coworklisboa.pt.  A iniciativa começou na semana passada e conta já com a adesão de vários pessoas, sobretudo das mais novas. Alguns estudantes, ou jovens em transição entre o meio escolar e o profissional, ocupam já os lugares de trabalho disponibilizados pela CoWorkLisboa. Mas Fernando Mendes prefere sublinhar o “carácter intergeracional do espaço”. “Aqui, a questão da idade dilui-se bastante, acaba por não se fazer notar. No fundo, é uma zona de todos”, afirma, lembrando o carácter claramente eclético do projecto. Na verdade, a diversidade de actividades, a troca de ideias e a colaboração entre os que ali assentam sempre foi uma das suas linhas identitárias.

O mentor do CoWorkLisboa quer alargar essa forma de estar a novos elementos, seguindo os princípios da solidariedade, numa época de agrura económica. “Muitos, sobretudo os mais jovens, mas também alguns mais velhos, não têm um rendimento estável que lhes permita pagar por um espaço. Assim, com esta iniciativa, vamos tentar que cada pessoa consiga encontrar uma sinergia cá dentro e, se possível, alimentar um bocado este pequeno mercado interno que aqui temos”, explica Fernando Mendes. Ou seja, pode ser que com essas colaborações entre pessoas de diferentes áreas surjam novos projectos e negócios.

 

Texto: Samuel Alemão

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com