Sem apelo, nem agravo, e praticamente sem aviso prévio, a Confeitaria Nova Lisboa que nasceu e cresceu com o aparecimento do Bairro de Alvalade, em Lisboa, fechou definitivamente as suas portas, no domingo, dia 1 de Março, ao fim de 65 anos de existência na Avenida da Igreja e para mágoa de muitos dos antigos moradores.

 

A notícia constante num papel afixado na porta da pastelaria-restaurante – no qual se alertava para o encerramento, por “motivos alheios à vontade” dos proprietários – surpreendeu muitos residentes do bairro, apesar de, nos últimos dois anos, circularem rumores de que a Nova Lisboa estava em risco de fechar.

 

O processo de insolvência fatal foi aberto no passado mês de Janeiro. E, se já em 2013 um outro processo se iniciara, sem que as portas fechassem, desta vez, não houve perdão. E, ao que se ouve dizer no bairro, “as dívidas acumuladas” pela Confeitaria e também pela fábrica existente em Santarém com o mesmo nome, determinaram o encerramento.

 

Se alguns já temiam o desenlace, outros clientes houve que bateram com o nariz na porta, na hora em que lhes apeteceu ir comer um prego à Nova lisboa – por muitos considerados dos melhores que a cidade já teve.

 

Dias antes, na ementa do restaurante, anunciada na página do facebook da Nova Lisboa, a escolha era variada, com perto de duas dezenas de pratos, que iam das favas com entrecosto, ao bacalhau à Gomes de Sá, passando pelos peixes grelhados, do robalo à dourada. Mas tudo acabou e nesta segunda-feira já nem ementa, nem bolinhos.

 

2015-03-02 15.56.00

 

 

Nascida em 1950, no ainda muito jovem e inacabado bairro de Alvalade, a Confeitaria Nova Lisboa tinha fabrico próprio de pastelaria e acompanhava os novos hábitos importados de França. Era uma das principais produtoras das chamadas amêndoas francesas, que se vendiam na Páscoa, e, entre os bolos que vendia, tinha também croissants que eram famosos na cidade, bem diferentes dos que actualmente se encontram na maioria das pastelarias.

 

Apesar do encerramento da Nova Lisboa, a Avenida da Igreja continua a ser uma artéria cheia de cafés e de pastelarias, havendo no eixo principal pelo menos cinco. Mas para quem vive no bairro foi um dia “triste” aquele em que as pessoas se depararam com as portas fechadas da velha pastelaria.

 

“Eu sabia que aquilo estava para acontecer, mas dá-me imensa tristeza”, confessou ao Corvo José Nunes, dono da charcutaria Riviera e um dos mais antigos comerciantes do bairro, onde tem o estabelecimento aberto há perto de 60 anos.

 

Texto: Fernanda Ribeiro

  • Rui Ribeiro
    Responder

    Triste 🙁

    • Tiago Veloso
      Responder

      Triste mesmo Rui, para todos nós filhos de Alvalade.

  • herman
    Responder

    RT @tuga_news: [O Corvo] Confeitaria Nova Lisboa fechou portas ao fim de 65 anos em Alvalade http://t.co/C3OEK7NptL

  • Sandra Santos Antunes
    Responder

    🙁

  • Jorge Pimentel
    Responder

    Isto está bem melhor ou bem comondizem os principais políticos da praça 🙁

  • Sofia Cipriano
    Responder

    E a taxa de desemprego está a descer…

    • Sandra Xavier Carvalho
      Responder

      A descer… Pois porque os desempregados mais antigos já não fazem parte da estatística e já nem recebem, logo já não são considerados desempregados :/

    • Sofia Cipriano
      Responder

      Só quem não vive no país real é que acredita. Não devem ter amigos nem família.

  • Carlos Martinho
    Responder

    RT @ocorvo_noticias: Confeitaria Nova Lisboa fechou portas ao fim de 65 anos em Alvalade – http://t.co/zDZbEQt66C

  • Bruno Baptista
    Responder

    Triste…

  • Paulo Ramos
    Responder

    Mais uma

  • José Daniel PS Cardoso
    Responder

    espero que nao venha abrir mais uma loja dos chineses

  • Vitor Ramalho
    Responder

    São quase cincoenta anos das minhas últimas memórias que desaparecem com o encerramento desta casa… Lamentável o estado a chegou a nossa LISBOA!… (e também do nosso País!)

    • Jorge Parente Baptista
      Responder

      Cinquenta..

  • Sara Boavida
    Responder

    jesus!!!

  • Leonor Costa
    Responder

    Ontem fui surpreendida 🙁 ! Muitas histórias para contar. Lisboa cada vez mais triste! Vi pessoas, clientes habituais, com lágrimas nos olhos.

  • António Pedro Nobre
    Responder

    Se em vez de uma confeitaria fosse um banco, as dívidas eram perdoadas e tinham uma injeção de capital choruda (paga pelos contribuintes, claro…), mas como é só um negócio que sustentava pessoas que tentavam viver dignamente, toca a fechar as portas.

  • Jc Duarte
    Responder

    Onde clico p’ra dizer “não gosto”?

  • André Alves
    Responder

    Foi o primeiro sitio onde tomei café neste bairro.

  • Manuela Val
    Responder

    Oh, que tristeza, tantas vezes que lá fui.

  • Vanessa Correia Marques
    Responder

    🙁

  • Manuel Rendeiro
    Responder

    Que tristeza…

  • Duarte Branquinho
    Responder

    Uma notícia triste. Confeitaria Nova Lisboa fechou portas ao fim de 65 anos em #Alvalade http://t.co/nr1DAuw9VP

  • Carlos Nunes
    Responder

    É realmente uma grande tristeza… 🙁

  • Armando Possante
    Responder

    Mais um marco desaparecido. :-/ http://t.co/OXKmxETf6M

  • Livraria / Editora
    Responder

    Confeitaria Nova Lisboa fechou portas ao fim de 65 anos em Alvalade http://t.co/xdRCbgoEsx

  • filomenA
    Responder

    estou triste, fiz ontem 59 anos, desde pequenina . que ia a nova lisboa, criada e depois a trabalhar em alvalade, sempre , lembro de quando estava gravida do meu filho mais velho e porque se tinha avariado a maquina de um doce que me apetecia, o chefe o ter ido fazer a mao…. para matar o meu desejo,… estou triste,

  • Alvalade Nossa Freg
    Responder
  • Alvalade Nossa Freg
    Responder

    Fechou mais um estabelecimento fundador do bairro de Alvalade. Muitas histórias ouvi sobre a importância do Nova… http://t.co/8NxJrhl4Td

  • Jorge Vidal
    Responder

    Quando no Domingo dia 1 de Março me dirigi a Nova Lisboa mais a minha mulher, para bebermos o nosso café como era o nosso habito fiquei de lágrimas nos olhos ao ler a noticia do encerramento, não queria acreditar, ao fim de tantos anos como cliente e a amizade que havia entre cliente e funcionários que eram de uma simpatia inexcedível sempre com um sorriso nos lábios, foi um pouco do meu percurso de vida que se apagou, espero que seja por pouco tempo, um bem haja para todos .

  • Paulo Fernando
    Responder

    Um bom pedaço da minha juventude, está, de alguma forma, associado a este café mítico do MEU bairro de Alvalade ! Que tristeza ! Tenho agora 61 anos e é difícil imaginar Alvalade e a Avenida da Igreja sem o Nova Lisboa !

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com