Concurso de ideias ditará futuro do antigo restaurante panorâmico de Monsanto

ACTUALIDADE
Samuel Alemão

Texto

Rui Gaiola

Fotografia

URBANISMO

Benfica

17 Julho, 2017




Desde o início do século, a indecisão persiste: o que fazer com o antigo restaurante panorâmico de Monsanto? Deixado ao abandono a partir de 2001, depois ter sido tecto para actividades tão distintas como uma discoteca, um bingo, um escritório ou um armazém de materiais de construção, o edifício com cerca de sete mil metros quadrados, situado no Alto da Serafina, no coração do Parque Florestal de Monsanto, deverá ver o seu futuro decidido por um concurso de ideias a lançar pela Câmara Municipal de Lisboa (CML). A intenção foi manifestada pelo presidente da autarquia, Fernando Medina, na semana passada, perante a Assembleia Municipal de Lisboa, atirando a decisão final para o próximo mandato. Até lá, o espaço funcionará como miradouro, estando a ser realizados trabalhos de limpeza, para ainda este verão reabrir o espaço com tal funcionalidade.

“A nossa intenção, neste momento, mas no próximo mandato, se viermos a manter as funções que temos, é, em primeiro lugar, lançar um concurso de ideias sobre qual a utilização e o destino relativamente a um equipamento desta natureza”, disse Medina, na sessão de 11 de julho da assembleia, respondendo a uma interpelação sobre o assunto por parte da deputada municipal Cláudia Madeira, do Partido Ecologista Os Verdes (PEV). A eleita havia lamentado que nenhuma das recomendações de requalificação do espaço, feitas pelo seu partido naquele órgão, tivessem surtido efeito. “Não temos ainda projectos concretos para o edifício, nem de uso, muito menos de arquitectura ou de execução”, reconheceu o presidente da câmara, antes de anunciar a intenção de lançamento de um concurso de ideias para o espaço, construído em 1968 e propriedade municipal.

As reconhecidas qualidades paisagísticas da estrutura têm motivado, ao longos dos últimos anos, visitas frequentes de muitos curiosos, apesar do crescente estado de degradação – e sem as devidas condições de segurança. Algo que, garante José Sá Fernandes, vereador da Estrutura Verde, deverá mudar dentro de semanas. “Neste momento, está a ser tudo limpo por dentro para não criar qualquer problema. Algumas partes serão emparedadas, para não oferecer perigo às pessoas que visitam o local”, afirmou o autarca, garantindo que tal está ser feito “gastando muito pouco dinheiro”. “Até ao final do mês, vão ser postos alguns gradeamentos, para as pessoas poderem usufruir da extraordinária vista que aquilo tem. Isto poderá acontecer em agosto, com tudo limpo e lavado. Aquilo pode ser um miradouro até termos uma decisão sobre o que fazer lá”, disse Sá Fernandes – que, em 2009, terá afirmado que “a reabilitação daquele elefante branco custaria 20 milhões de euros”.

MAIS
ACTUALIDADE

COMENTÁRIOS

  • Nuro Carvalho
    Responder

    André Luis Ferro Marques

  • António Martins Neves
    Responder

    Finalmente!

  • Alberto Pereira de Sousa
    Responder

    Portugal/Lisboa estão na moda. Acho que existem potencial para tornar este local, um dos panorámicos mais emblematicos de Lisboa ( já proliferam alguns : recente 360º das Amoreiras, futuro Ponte 25 Abril, etc…). Não seria má ideia, transferir o actual Centro de Interpretação de Monsanto ( algo escondido por aí), com um restaurante e outras actividasde de lazer para as familias e turistas (o_-)

    • Álvaro Pereira
      Responder

      Concordo consigo.

  • Rosário Artur
    Responder

    É uma pena estar abandonado, era um espaço bem interessante e com uma paisagem magnifica

  • Sandra Meleiro
    Responder

    Isabel

  • Ana Rosario
    Responder

    Joana Serra, tens ideias?!!

  • Simão Lobo
    Responder

    Joana Vilhena

  • Filipa Gaspar
    Responder

    Sá fernandes in the house lolol

  • Francisco Alves
    Responder

    PH Locks

  • Edgar Taylor
    Responder

    Só mesmo em Porugal para um local como este estar ao abandono há 16 anos.

  • José Cruz
    Responder

    Ideias não faltam para restaurar esses velhos edifícios e pô-los a funcionar, o problema é a falta de dinheiros e vontade de algumas pessoas ( políticos ) ligadas ás autarquias.

  • Miguel De Sousa Santiago
    Responder

    Grandes festas de trance …. e na minha adolescência , muito futebol ali jogado

  • Salomé Câmara
    Responder

    E os painéis de azulejos?

  • José Júlio da Costa-Pereira
    Responder

    É implicito que aí deverá ser instalado um laboratório de ideias,que servido com miradouro talvez inspire a autarquia a conceber ideias que o sejam efectivamente,fora de tantas e bem lunáticas como ultimamente se nos configuram ser a maioria.

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend