25 anos do incêndio do Chiado

 

As obras de conclusão da ligação pedonal do denominado Pátio B do Chiado ao Largo do Carmo e aos Terraços do Carmo tiveram início há pouco mais de duas semanas. Os trabalhos constituem a última peça do trabalho concebido pelo arquitecto Álvaro Siza Vieira através do Plano de Pormenor da Recuperação da Zona Sinistrada do Chiado e deverão estar concluídos no início de 2014, de acordo com o previsto no prazo de execução. É o culminar do projecto de reabilitação desta zona da cidade, no momento em que se assinala um quarto de século sobre o incêndio que a devastou – aconteceu a 25 de Agosto de 1988.

 

“Com a intervenção vence-se o desnível topográfico existente entre a plataforma do “Pátio B” e o portal Sul do Convento do Carmo, articulando os espaços de forma integrada, aliando a valorização patrimonial deste local à criação de um espaço público de lazer nos Terraços do Carmo como prolongamento natural do percurso pedonal”, lê-se no anúncio camarário que dá conta do projecto. Quando a ligação pedonal estiver concluída, será possível fazer o acesso directo entre a parte inferior da Rua Garret e o Elevador de Santa Justa, as ruínas da Igreja do Carmo e o Largo do Carmo. Um caminho mais curto e que poupará os peões à subida da íngreme Calçada do Sacramento.

 

Para a realização da obra, que se financiará com verbas resultantes das contrapartidas da exploração do Casino de Lisboa – num processo que envolveu a intervenção do Triunal de Contas e que já vinha de 2006 -, foi decisivo o aproveitamento dos chamados Terraços do Carmo. O acesso a esse espaço surgiu através da demolição de algumas instalações e anexos ao quartel da Guarda Nacional Republicana sem qualquer valor arquitectónico. “Isto corresponde ao fechar da intervenção do Siza Vieira no Chiado”, disse, há duas semanas, Manuel Salgado, vice-presidente da Câmara Municipal de Lisboa, durante um seminário sobre os 25 anos do incêndio, organizado pelo Regimento de Sapadores Bombeiros.

 

Texto e Fotografia: Samuel Alemão

  • José Estorninho
    Responder

    finalmente

  • cristina teixeira
    Responder

    Sabem se sempre vão fazer os jardins que tinham anunciado para os terraços?

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com