25 anos do incêndio do Chiado

 

As obras de conclusão da ligação pedonal do denominado Pátio B do Chiado ao Largo do Carmo e aos Terraços do Carmo tiveram início há pouco mais de duas semanas. Os trabalhos constituem a última peça do trabalho concebido pelo arquitecto Álvaro Siza Vieira através do Plano de Pormenor da Recuperação da Zona Sinistrada do Chiado e deverão estar concluídos no início de 2014, de acordo com o previsto no prazo de execução. É o culminar do projecto de reabilitação desta zona da cidade, no momento em que se assinala um quarto de século sobre o incêndio que a devastou – aconteceu a 25 de Agosto de 1988.

 

“Com a intervenção vence-se o desnível topográfico existente entre a plataforma do “Pátio B” e o portal Sul do Convento do Carmo, articulando os espaços de forma integrada, aliando a valorização patrimonial deste local à criação de um espaço público de lazer nos Terraços do Carmo como prolongamento natural do percurso pedonal”, lê-se no anúncio camarário que dá conta do projecto. Quando a ligação pedonal estiver concluída, será possível fazer o acesso directo entre a parte inferior da Rua Garret e o Elevador de Santa Justa, as ruínas da Igreja do Carmo e o Largo do Carmo. Um caminho mais curto e que poupará os peões à subida da íngreme Calçada do Sacramento.

 

Para a realização da obra, que se financiará com verbas resultantes das contrapartidas da exploração do Casino de Lisboa – num processo que envolveu a intervenção do Triunal de Contas e que já vinha de 2006 -, foi decisivo o aproveitamento dos chamados Terraços do Carmo. O acesso a esse espaço surgiu através da demolição de algumas instalações e anexos ao quartel da Guarda Nacional Republicana sem qualquer valor arquitectónico. “Isto corresponde ao fechar da intervenção do Siza Vieira no Chiado”, disse, há duas semanas, Manuel Salgado, vice-presidente da Câmara Municipal de Lisboa, durante um seminário sobre os 25 anos do incêndio, organizado pelo Regimento de Sapadores Bombeiros.

 

Texto e Fotografia: Samuel Alemão

  • José Estorninho
    Responder

    finalmente

  • cristina teixeira
    Responder

    Sabem se sempre vão fazer os jardins que tinham anunciado para os terraços?

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com