O combate à praga do escaravelho das palmeiras está a falhar em Lisboa. A situação não surpreende o vereador José Sá Fernandes, responsável pela Estrutura Verde e pela Energia, que já há um ano vaticinava que ela poderia ser devastadora, se o Estado e os municípios limítrofes da capital não actuassem em conjunto com a autarquia lisboeta.

E é isso que está a acontecer. A estratégia falha, diz Sá Fernandes, “por falta de actuação do Estado e também por falta de actuação dos municípios limítrofes. Porque o escaravelho voa 10 a 15 quilómetros por dia, é voraz e tem cada vez mais resistências a remédios e a armadilhas”.

“É impossível combater a praga do escaravelho das palmeiras, se todos os intervenientes não tiverem o mesmo tipo de atenção. E Lisboa está quase isolada” nesta luta, disse José Sá Fernandes, na reunião de executivo, realizada na tarde desta quarta-feira, respondendo à interpelação feita pelo vereador Carlos Moura, da CDU. Moura questionou o executivo, perguntando se a Câmara dispõe dos meios eficazes para pôr fim a este problema.

Sá Fernandes referiu que a acção da câmara está limitada, uma vez que “não pode intervir, quando se trata de palmeiras existentes em propriedades do Estado, a quem cabe a responsabilidade de agir”, seja tratando as palmeiras doentes, o que é muito caro, seja incinerando-a, a única forma de evitar que o escaravelho voe para outras árvores. A autarquia também está impedida de notificar os particulares, quando são eles os proprietários, porque isso compete ao Ministério da Agricultura, explicou Sá Fernandes.

O vereador responsável pela Estrutura Verde, que há cerca de um ano desencadeou a luta pela salvaguarda destas árvores, diz que o combate à praga do escaravelho vermelho “não é uma prioridade para o Ministério da Agricultura”.

A Câmara Municipal de Lisboa organizou, há pouco tempo, um seminário para tentar delinear um combate conjunto à praga, mas não obteve resultados. “Para o Ministério da Agricultura, as prioridades são o trigo, o sobreiro e o pinheiro, não as palmeiras, que são árvores ornamentais e não representam uma actividade económica”.

“E vamos sofrer”, prevê Sá Fernandes. Porque nós (câmara) informamos quais são as árvores a tratar mas, se não houver actuação e se não tivermos o apoio do Estado, não resulta”.

A câmara monitoriza 300 a 350 palmeiras, mas até essas poderão vir a ser atingidas pela praga, tendo em conta as capacidades do escaravelho vermelho e a resistência cada vez maior que revela aos remédios.

 

Texto: Fernanda Ribeiro

Comentários

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com