Com as vendas em queda, quiosques de jornais de Lisboa lutam pela sobrevivência

por • 14 Novembro, 2017 • Reportagem, Slideshow, VIDA NA CIDADEComentários (0)1822

Isabel Alves chega à banca, situada na zona da Baixa, deixa os olhos vogarem pelo mar de capas de revista, hesita, folheia uma de forma quase imperceptível e decide levá-la, após ser interpelada pelo dono do quiosque. “Posso ajudar?”. A relutante cliente acaba por pedir uma revista de moda. Linguista e estudante de canto, com 24 anos, admite a O Corvo ser uma consumidora parcimoniosa de imprensa. “Costumo comprar revistas de lifestyle, moda, a Time Out ou a revista Ler. Todos os meses, compro uma e, como tenho vários interesses, opto sempre por alguma. As notícias vejo na net. Além disso, uma revista até pode durar mais tempo”, diz, ao recolher o troco. Nunca teve o hábito de comprar jornais, admite. Afinal, está tudo online. Justificação dada por muita gente. Tal não impede, porém, a Câmara de Lisboa de se preparar para atribuir mais 17 destes equipamentos.

 

O dono do tal quiosque da Baixa, repleto de jornais e revista, nacionais e estrangeiros, mas também de tabaco, pastilhas elásticas e postais turísticos, acena com a cabeça ao ouvir Isabel Alves. “É a evolução do mundo, não há nada a fazer. Antigamente, tínhamos clientes certos, para aí uns cinquenta. Agora, talvez tenhamos cinco. Entre eles, havia diversas empresas, agora nenhuma”, conta o comerciante, que prefere manter o anonimato. A atender clientela naquele ponto central da cidade desde 1997, acompanhou o declínio da imprensa, intensificado desde o início desta década, com o crescimento quase irrestrito da informação disponibilizada online – sem que as empresas de media tenham, porém, encontrado forma de se viabilizarem. “Este negócio só faz sentido se se vender muito. Só para lhe dar um exemplo, antes recebia 80 exemplares de A Bola e hoje são quatro ou cinco e o Público eram 90 e agora são oito ou nove. Tenho muito revista aqui exposta, mas tal como vem também vai”, relata. Um relato ouvido um pouco por todo o lado.

 

 

A conhecida crise da imprensa tem-se intensificado, e dela se fala a cada revelação dos últimos números das vendas de jornais – de acordo com os dados publicados, a 30 de outubro, pela Associação Portuguesa para o Controlo da Tiragem, os cinco principais títulos generalistas registaram, nos primeiros oito meses do ano, uma quebra de 9,4% em relação ao período homólogo de 2016. “A era do digital acaba por dar uma quebra grande no papel. Segundo me dizem os que estão há algum tempo, isto há seis ou sete anos vendia três vezes mais”, diz Fábio Andrade, 24 anos, atrás do balcão do quiosque situado no Largo do Chiado, mesmo de frente para a saída do metropolitano, uma das zonas mais movimentadas da capital. “Estamos numa zona onde há pessoas de classes elevadas e, portanto, ainda se vendem alguns jornais como o Público ou o Diário de Notícia. Mas a maior parte das pessoas que aqui vem compra revistas de fofoquices e cor-de-rosa. Depois, talvez a Visão ou a Sábado”, diz. O tabaco e as pastilhas elásticas são valores seguros.

 

E isso é fácil de constatar, ficando um pouco junto das principais bancas do centro da capital, como aconteceu com O Corvo. A maior parte das pessoas ou procuram esses dois bens – “Tem daquelas de morango?” ou “Tem filtros?” são perguntas recorrentes – ou, no caso dos turistas, garrafas de água, postais, mapas ou qualquer outro item de merchandising alusivo a Lisboa. Algo que nem deveria acontecer, já que o regulamento redigido pela Câmara Municipal de Lisboa para os quiosques deste género – nascido de um protocolo assinado no início dos anos 80 pela autarquia e a Associação de Ardinas de Lisboa – apenas permite a “venda de jornais, revistas e lotaria”. “A única maneira de insto continuar é a Câmara de Lisboa deixar vender outras coisas, se não dá. Vários quiosques da Baixa fecharam porque, como isto está, não conseguiam sustentar a família”, diz um vendedor daquela zona, acrescentando que “70% da clientela é estrangeira e eles também não vêm comprar jornais, mas sim outras coisas”.

 

 

Mas nem os que vêm de fora são uma fonte certa de rendimento. “Os estrangeiros também não têm dinheiro. Vêm comprar o mais barato e perguntar-nos onde fica o supermercado mais próximo”. Quem o diz é o casal Rosa Bonifácio, 57 anos, e Vítor Bonifácio, 74, que para si reclamam o título do “primeiro quiosque de jornais da Baixa”, situado no enfiamento da Rua da Assunção com a Rua Augusta. Estão ali desde 1987 e também assinalam como as coisa mudaram, entretanto. “Não há mercado, porque isto também está muito diferente, já não há moradores. Esta zona da cidade está cada vez mais vocacionada para o turismo”, diz Vítor, antigo professor de educação física, que se juntou à mulher desde que se reformou. Mesmo os principais títulos da imprensa internacional expostos já conheceram melhores dias, nota.

 

Como se explica tal coisa? A internet terá, com certeza, uma grande dose de responsabilidade, sugere-lhe O Corvo. Alguma, mas não tanto quanto se pensa, sugere Vítor. “Acho que essa queda na imprensa ainda não se pode atribuir como algo que sucede em detrimento da net”, afirma, notando que ele mesmo, todas as manhãs, quando acorda, por volta da seis horas, vê os títulos do Público online e depois vem para abrir a banca com a mulher. Haverá algo de mais complexo, uma questão cultural, insinua. Rosa completa: “As pessoas desinteressaram-se da leitura. Querem é saber das redes sociais e dos telemóveis”. A comerciante, que lamenta que o seu jornal de eleição, o Diário de Notícia, “já não saia como antes” – mesmo o Correio da Manhã, habitual líder de mercado, “já vendeu mais”, sugere o casal -, queixa-se que, cada vez menos, compensa estar fechado naquele cubículo “de sol a sol”. Além disso, as margens de lucro têm vindo a ser cortadas pelas distribuidoras. Por cada jornal ou revista, apenas lhes cabe 13% do preço de capa.

 

 

Se as coisas estão tão mal, talvez o melhor seja mesmo assumir que as receitas em queda podem ser recuperadas através da comercialização de outros produtos. Tal como pedia o tal vendedor da Baixa. “Os regulamentos que impõem a venda de apenas imprensa e jogo são do tempo do Krus Abecassis [presidente da CML entre 1979 e 1989]. Eram regras de um tempo diferente, o mundo mudou imenso nos últimos 40 anos”, diz o mesmo comerciante, pedindo à câmara uma tomada de posição firme, em vez de abrir concurso para bancas de venda exclusiva de algo que, afinal se encontra em forte declínio. “Eles sabem perfeitamente o que se passa. Deviam fazer algo como fizeram com os mercados, que deram uma grande volta. E isso passa por vender outros produtos”, defende. Algo com que Rosa Bonifácio não concorda. “Cada coisa é para o que foi feita”, diz.

 

O Corvo questionou a Câmara de Lisboa, a 31 de outubro, sobre a pertinência da concessão de mais quiosques de venda exclusiva de jornais, revistas e lotaria. “Quantas bancas deste género existem na cidade? Destas, quantas estão por ocupar? Continua a CML a receber muitas candidaturas ou pedidos de informação sobre a atribuição deste tipo de bancas? Considera a CML a possibilidade de reduzir a presença de tais equipamentos no espaço público?”, foram as perguntas endereçadas à autarquia, mas cujas respostas não chegaram até ao momento da publicação deste artigo.

 

Texto: Samuel Alemão

 

Pin It

Textos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *