A colina de Santana, considerada fundamental para o conhecimento da génese do povoamento da cidade de Lisboa, “sofre ameaças graves” do ponto de vista do património histórico, alertou, nesta quinta-feira (dia 24), o arqueólogo Luís Raposo. Na base desta colina foram descobertos, nas últimas décadas, vestígios de um povoado neolítico próximo do esteiro da ribeira de Arroios, cuja água doce terá atraído os primeiros agricultores, milénios antes do nascimento da cidade. Pensa-se que este cabeço terá sido habitado antes da colina do Castelo.

A colina de Santana, “também conhecida como a colina dos hospitais, acolhe vários edifícios e respectivas cercas do que foram conventos” anteriores ao terramoto de 1755, depois transformados em estabelecimentos de saúde. Estes conjuntos – é o caso dos hospitais de São José, Santa Marta, Capuchos e Miguel Bombarda –  correm o risco de ser destruídos, disse o arqueólogo, pois encontram-se na posse da empresa de participações imobiliárias Estamo, “havendo já projectos para lá construir algumas torres. A necessidade de um novo hospital para Lisboa não pode ser satisfeita à custa do património existente”.

O previsível loteamento e transformação desses prédios em novos espaços de habitação, hotelaria e comércio tem preocupado moradores da zona e cidadãos ligados ao património histórico e cultural da cidade. Uma vez que apenas o Miguel Bombarda se encontra desactivado, o projecto terá de esperar pela construção do futuro Hospital de Todos os Santos. Estes antigos conventos reúnem conjuntos muito valiosos de azulejaria, talha, escultura e pintura, para além de equipamento médico de grande interesse histórico.

A sacristia do Hospital de São José e a igreja do Hospital de Santa Marta estão classificadas como monumento nacional. Há ainda vários imóveis de interesse público, como o Panóptico e o balneário de D. Maria II no Miguel Bombarda. A dimensão de demolição prevista no projecto da empresa – escreveu, em Agosto, no jornal Público, o historiador de Arte Vítor Serrão – “mostra uma atitude de soberba face às existências, pois destrói a organicidade, a coerência histórica, o peso e dimensão dos sítios”.

Luís Raposo, especialista em Pré-História Antiga, falava, nos Paços do Concelho, na primeira sessão do colóquio “Os rostos de Lisboa”, que assinala os 75 anos da revista “Olisipo”, publicada pela associação de utilidade pública Amigos de Lisboa. Na sua intervenção sobre a Lisboa pré-Romana, Raposo disse que, em termos de investigação, este período está “um pouco descurado”. Sabe-se muito pouco, por exemplo, sobre o fenómeno tectónico que há cerca de dois milhões de anos abriu o canal por onde corre agora o rio Tejo, cujas águas seguiam para sul e se ligavam ao estuário do Sado. “É um dos grandes mistérios de Lisboa”, comentou.

Sobre a ocupação inicial da região de Lisboa, o especialista diz que “ainda há muito por fazer”. “Monsanto – onde subsistem vestígios de habitações e de minas de exploração de sílex – devia ser mais investigado”, sugeriu. “Se há condições óptimas para as escolas fazerem investigação é em Monsanto. Até de autocarro se pode ir”, disse.

A “Olisipo”, iniciada em 1938, é actualmente “a única publicação científica em papel totalmente dedicada ao estudo de Lisboa”, referiu no arranque do colóquio Salete Salvado, dirigente dos Amigos de Lisboa. As intervenções dividem-se por cinco painéis que prosseguem até ao fim da manhã de sábado, dia 26, na sala do arquivo dos Paços do Concelho. O programa pode ser consultado em www.amigosdelisboa.com
Texto: Francisco Neves

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com