Quase dois anos após encerrarem as portas, as salas de cinema do centro comercial Saldanha Residence voltarão a oferecer exibição cinematográfica, nas próximas semanas. Tal sucederá, pelo menos, em duas delas, apurou o Corvo. Ou seja, metade das que estiveram em funcionamento, durante pouco mais de uma década, naquela superfície comercial, situada na Avenida Fontes Pereira de Melo. A reabertura acontece num período de forte descida do número de espectadores de cinema, a nível nacional, e poucas semanas depois do encerramento do Londres, uma das mais emblemáticas salas lisboetas – e que acompanhou o fecho de dezenas de outras pelo país, exploradas pela mesma firma. Os trabalhos de remodelação e limpeza do espaço contíguo às salas do Residence têm decorrido de forma discreta, sendo observável, para lá do gradeamento, a pintura das paredes.

As salas não serão, contudo, exploradas pelo seu antigo concessionário, a Medeia Filmes, do empresário Paulo Branco. Aquando do fim da exploração comercial daquelas salas – que funcionavam como a 5, 6, 7 e 8 do conjunto formado com as existentes no centro comercial Monumental, a poucas dezenas de metros -, na primeira semana de Maio de 2011, a empresa justificou a decisão com as dificuldades causadas pela existência de “contratempos inerentes à concorrência dos grandes grupos de exibição” e à “oferta desmedida” de bilhetes de cinema. A Medeia dizia nesse comunicado que tal desequilíbrio era “pautado ainda pela falta de actuação da Autoridade da Concorrência, bem como do próprio Instituto do Cinema e do Audiovisual”. A isso acrescia a assumida dificuldade em fazer investimentos na digitalização.

O Corvo tentou obter mais informações sobre a reabertura das salas junto da administração do Saldanha Residence – empreendimento que é explorado pela multinacional imobiliária Jones Lang LaSalle -, mas esta escusou-se a fazê-lo. É certo, no entanto, que tal sucederá, nas próximas semanas e pela mão de uma empresa que não está, neste momento, envolvida no negócio da exibição cinematográfica em território nacional. Actividade que se encontra em clara recessão, tendo Portugal sido o país europeu que mais espectadores perdeu em 2012, de acordo com o Observatório Europeu do Audiovisual – citando dados do Instituto do Cinema e do Audiovisual – , com uma descida da afluência paga de 12,3%.

Texto e Fotografia: Samuel Alemão

  • Nuno Rebelo
    Responder

    Excelente notícia! RT @ocorvo_noticias Cinema de regresso ao Saldanha Residence – http://t.co/IaKnfjpt96

  • l.c
    Responder

    Bom de mais para ser verdade, é uma gestão danosa, dizem mas não cumprem, mudem de gestor…

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com