Quem more na freguesia da Estrela ou a visite, e constate haver problemas nos espaços públicos, vai passar a ter maior oportunidade de se queixar e alertar directamente os serviços da junta para essas questões. Basta, para isso, ter um smartphone.

O GeoEstrela é uma aplicação que a junta de freguesia disponibiliza aos fregueses, a partir desta quinta-feira (27 de Novembro), permitindo colocar online, através de imagens, reclamações e alertas para quaisquer anomalias observadas nas ruas. Sejam elas necessidades de limpeza, deservagem dos passeios, calçadas desmanchadas e com buracos a precisar de reparação, postes de sinalização danificados, sarjetas sujas ou colectores entupidos.

Basta tirar uma fotografia ao problema que está à frente dos olhos e colocá-la no GeoEstrela – que, como o nome indica, georreferencia no mapa da freguesia as diversas situações, abrangendo as áreas em que a junta e freguesia tem competência para intervir, como sucede com a Higiene Urbana, Espaços Verdes e Espaço Público.

Caso a situação não seja da competência da autarquia local, mas da câmara, pode também ser apresentada no GeoEstrela, pois será encaminhada para os serviços municipais.

A vantagem, diz Luís Newton, presidente da Junta de Freguesia da Estrela (PSD), é que essas reclamações são automaticamente acessíveis aos serviços da junta, que “de forma mais rápida podem intervir” na reparação dos problemas. Uma vez resolvida a situação, a imagem inicial enviada pelo freguês é substituída por uma nova fotografia, indicando que a situação foi reparada.

 

estrela1

 

“O GeoEstrela já passou a fase de testes, que nos permitiu avaliar o funcionamento e ter a noção de que é possível intervir mais cedo”, contando para tal com a colaboração do olhar fiscalizador do cidadão, explica o autarca.

No fundo, a aplicação proporciona um serviço idêntico ao que é prestado através do site Na Minha Rua, da Câmara Municipal de Lisboa, onde são georreferenciadas as queixas dos munícipes e dadas informações sobre o andamento das reclamações. O GeoEstrela, funcionando ao nível da freguesia, sustenta Luís Newton, não só aproxima mais os munícipes da junta, como proporciona uma intervenção mais rápida e directa.

 

Texto: Fernanda Ribeiro

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com