Quando se celebra a Semana Europeia da Mobilidade, nada mais entusiasmante do que presenciar esta imagem, recolhida na Avenida do Brasil, a 16 de Setembro de 2013, logo no primeiro dia desta iniciativa, que leva a questionar para se querem afinal as ciclovias na cidade.

É certo que a pista de bicicletas da Avenida do Brasil foi conquistada aos passeios destinados aos peões, que perderam aquela fatia. É também certo que esta ciclovia tem presentemente menos uso, porque está  interrompida na zona do Campo Grande, onde decorrem ainda as obras de requalificação do jardim – que já deveriam ter sido concluídas em Junho, mas só deverão ser inauguradas nas vésperas das eleições autárquicas.

Mas nada justifica o despudor desta apropriação indevida pelo estacionamento temporário. E parece que só os peões é que reparam na falta de civismo de muitos dos que circulam pela cidade.

 

Texto e fotografia: Fernanda Ribeiro

  • Paulo Ribeiro
    Responder

    Esta zona é mesmo problemática. Está sempre parecida com a fotografia quando lá passo. Infelizmente os agentes da autoridade são coniventes com a situação… 🙁

  • Bruno Rosa
    Responder

    E já viram a Avenida da Liberdade? Eles tinham desenhado setas e bicicletas nas faixas centrais e, com a repavimentação da avenida, passaram as ciclovias para as vias laterais (para cima e para baixo)… Problema: Estão sempre cheias de taxis, de autocarros estacionados (nos Restauradores). Um perigo para quem anda de bicicleta.

  • Gonçalo Peres
    Responder

    Os donos deste veículos motorizados gozam com as autoridades, que perdem todo o respeito e caem no descrédito. Depois admiram-se que ninguém respeita a polícia. Portugal é um nojo de carros mal estacionados, a incomodarem e colocarem em perigo tudo e todos. Devia haver uma campanha de “Tolerância Zero” ao estacionamento ilegal, com receitas das multas a reverter para os transportes públicos e rede ciclável.

  • Rjsm
    Responder

    Quando o pessoal colocar nas bikes uns espigoes nos guiadores e a passar juntinho, até deixar marca nos carros, isto depois começam a ter mais cuidado onde deixam os deixam !!

  • Sergio
    Responder

    Neste local aquando da construção da ciclovia foram colocados pilaretes, pouco tempo depois foram “retirados estrategicamente” os pilaretes necessários para manter o parque de estacionamento no passeio/ciclovia que aí existe. Reportei essa situação através do “Na minha rua” há vários meses com os resultados que se vêem…

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com