Quando se celebra a Semana Europeia da Mobilidade, nada mais entusiasmante do que presenciar esta imagem, recolhida na Avenida do Brasil, a 16 de Setembro de 2013, logo no primeiro dia desta iniciativa, que leva a questionar para se querem afinal as ciclovias na cidade.

É certo que a pista de bicicletas da Avenida do Brasil foi conquistada aos passeios destinados aos peões, que perderam aquela fatia. É também certo que esta ciclovia tem presentemente menos uso, porque está  interrompida na zona do Campo Grande, onde decorrem ainda as obras de requalificação do jardim – que já deveriam ter sido concluídas em Junho, mas só deverão ser inauguradas nas vésperas das eleições autárquicas.

Mas nada justifica o despudor desta apropriação indevida pelo estacionamento temporário. E parece que só os peões é que reparam na falta de civismo de muitos dos que circulam pela cidade.

 

Texto e fotografia: Fernanda Ribeiro

  • Paulo Ribeiro
    Responder

    Esta zona é mesmo problemática. Está sempre parecida com a fotografia quando lá passo. Infelizmente os agentes da autoridade são coniventes com a situação… 🙁

  • Bruno Rosa
    Responder

    E já viram a Avenida da Liberdade? Eles tinham desenhado setas e bicicletas nas faixas centrais e, com a repavimentação da avenida, passaram as ciclovias para as vias laterais (para cima e para baixo)… Problema: Estão sempre cheias de taxis, de autocarros estacionados (nos Restauradores). Um perigo para quem anda de bicicleta.

  • Gonçalo Peres
    Responder

    Os donos deste veículos motorizados gozam com as autoridades, que perdem todo o respeito e caem no descrédito. Depois admiram-se que ninguém respeita a polícia. Portugal é um nojo de carros mal estacionados, a incomodarem e colocarem em perigo tudo e todos. Devia haver uma campanha de “Tolerância Zero” ao estacionamento ilegal, com receitas das multas a reverter para os transportes públicos e rede ciclável.

  • Rjsm
    Responder

    Quando o pessoal colocar nas bikes uns espigoes nos guiadores e a passar juntinho, até deixar marca nos carros, isto depois começam a ter mais cuidado onde deixam os deixam !!

  • Sergio
    Responder

    Neste local aquando da construção da ciclovia foram colocados pilaretes, pouco tempo depois foram “retirados estrategicamente” os pilaretes necessários para manter o parque de estacionamento no passeio/ciclovia que aí existe. Reportei essa situação através do “Na minha rua” há vários meses com os resultados que se vêem…

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com