Chafariz de São Sebastião da Pedreira, uma parte esquecida e degradada das Águas Livres bem no centro de Lisboa

ACTUALIDADE
Samuel Alemão

Texto

DR

Fotografia

CULTURA

Avenidas Novas

21 Março, 2019

Inaugurado em 1791, integrando o sistema de abastecimento alimentado pelo Aqueduto das Águas Livres, o projecto do arquitecto Francisco António Ferreira Cangalhas é hoje um exemplo de desleixo na preservação patrimonial. Vandalizado, graffitado, sujo, sem água corrente e poiso de cidadãos sem-abrigo, dificilmente se diria que estamos perante um elemento arquitectónico que é Monumento Nacional, parte integrante do conjunto do aqueduto. Esta semana, tanto o PEV como o CDS-PP apontaram o dedo à Câmara de Lisboa, responsabilizando-a pelo estado actual desta construção histórica. Ambas as forças pedem a sua requalificação. “Assim, como está, é inadmissível”, diz a vereadora Assunção Cristas (CDS-PP), propondo a criação de um Plano Integrado de Recuperação e Valorização dos Chafarizes de Lisboa.

Um tanque seco como consequência da longa ausência de um fio de água a sair do fontanário; paredes graffitadas e rabiscadas em profusão; lixo e detritos diversos nas escadas e no espaço em redor, bem como poças de urina amiúde; uma sala pertencente à infra-estrutura onde vive um casal de cidadãos sem-abrigo, tendo improvisadas pranchas de madeira a servir como portas. A descrição dificilmente assentaria a um Monumento Nacional, ainda para mais situado bem no centro de uma das cidades europeias que mais tem atraído as atenções do turismo pela sua beleza arquitectónica. Mas é esta a realidade do Chafariz de São Sebastião da Pedreira, inaugurado em 1791 como parte do sistema de fontanários do Aqueduto das Águas Livres, equipamento ao cuidado da Câmara Municipal de Lisboa (CML). Poucos darão, aliás, pela sua existência, na Rua de São Sebastião da Pedreira, quase escondido sob o viaduto da Rua Filipe Folque, junto à Avenida António Augusto de Aguiar. Mas CDS-PP e o Partido Ecologista “Os Verdes” (PEV) pedem agora explicações à CML.

“Este é mais um exemplo de uma Lisboa desconhecida de muita gente e ao abandono. Temos aqui uma situação incompreensível de um chafariz que faz parte do sistema do Aqueduto das Águas Livres e é, por isso, Monumento Nacional, mas está neste estado de degradação que se pode observar”, disse Assunção Cristas, vereadora e líder do CDS-PP, numa visita ao local, realizada ao final da manhã desta quarta-feira (20 de Março), para denunciar o que os centristas consideram ser o desleixo da câmara municipal da capital a cuidar do património histórico sob a sua tutela, mas também para promover o Plano Integrado de Recuperação e Valorização dos Chafarizes de Lisboa. A criação de tal instrumento será proposta pelos vereadores do partido em reunião de câmara, “muito em breve”, e com ela se pretende garantir a preservação de um conjunto 15 chafarizes monumentais, assegurando-lhes também a devida visibilidade, através da sua integração num roteiro cultural e turístico.

ocorvo21032019chafarizes2

Sem água e sem graça. Apesar de classificado como Monumento Nacional, chafariz está ao abandono

A principal linha de força do plano agora apresentado é a de ajudar a manter e dar o necessário relevo à arquitectura da água na capital portuguesa. Para que isso aconteça, reconhece Assunção Cristas, terá de haver uma estreita cooperação entre a Câmara de Lisboa e a EPAL. “Temos de cuidar destes chafarizes, garantindo que estão em bom estado, mas também que são iluminados, que há sempre água ornamental corrente, conferindo uma sensação de frescura bem como o seu aprazível barulho, sem esquecer também a sinalética que diga às pessoas que existem estes chafarizes e contém a sua história”, explica Cristas, criticando o actual estado “desleixado” de alguns chafarizes monumentais da cidade. “A Câmara de Lisboa não cuida, infelizmente. Assim, como está, é inadmissível”, disse a vereadora sobre o Chafariz de São Sebastião da Pedreira, sem esquecer de nomear os casos de outros equipamentos congéneres que considera esquecidos, como os chafarizes da Rua do Século e do Largo do Carmo.


 

Referindo-se à profusão de graffiti naquele elemento integrante de um Monumento Nacional, Cristas recorda que duas das dez propostas do plano Lisboa Limpa, apresentado pelo partido no ano passado, poderiam ajudar a resolver o problema. Uma delas passa pela sensibilização das entidades judiciais para que, no âmbito dos processos-crime por dano de vandalização por pichagem e graffitis ilegais, “sejam aplicadas medidas punitivas que envolvam a prestação de horas de serviço comunitário”. Os centristas entendem que tais sanções acessórias, juntamente com as multas em vigor, ajudariam a dissuadir os prevaricadores. A outra medida refere-se a uma maior aposta em sistemas de video-vigilância, uma solução reivindicada com insistência pelo partido como forma de promover a segurança. “Quando os espaços estão mal tratados, e não se intervém, alastra uma sensação de desmazelo e abandono. Quando estão limpos e cuidados, é o contrário”, disse a autarca, revelando que veria com bons olhos a instalação de uma esplanada junto ao Chafariz de São Sebastião da Pedreira, como forma de manter a zona fora dos roteiros do vandalismo.

 

 

A preocupação com este elemento arquitectónico originalmente pertencente ao sistema de abastecimento do Aqueduto das Águas Livres foi também demonstrada esta semana pelos deputados municipais do Partido Ecologista “Os Verdes” (PEV). Num requerimento dirigido à CML e entregue na assembleia municipal, nesta segunda-feira (18 de Março), os eleitos do PEV denunciam o que consideram ser o “abandono” e adiantado estado de degradação do equipamento histórico. Lembrando a importância cultural dos chafarizes e fontanários da cidade, os eleitos ecologistas perguntam à Câmara de Lisboa se existe algum projecto para a “recuperação integral do Chafariz de São Sebastião da Pedreira e a sua zona envolvente” e, em caso afirmativo, em que data e por que entidade. No referido requerimento do PEV, lembra-se que a Assembleia Municipal de Lisboa aprovou, em Abril de 2011, uma recomendação apresentada pelo partido que num dos pontos deliberativos mencionava que a “autarquia devia promover a reabilitação dos chafarizes e fontanários da cidade de Lisboa, contribuindo assim para a preservação, protecção e valorização do património cultural associado ao abastecimento de água potável na cidade”.

 

 

O Corvo confrontou, ao início da tarde desta quarta-feira (20 de Março), a Câmara de Lisboa com as críticas feitas, tanto pelo CDS-PP como pelo PEV, relativamente ao estado de conservação do Chafariz de São Sebastião da Pedreira, questionando-a sobre os seus planos para garantir a reabilitação e a preservação desta infra-estrutura. Até ao momento da publicação deste artigo, porém, não recebeu resposta.

MAIS ACTUALIDADE

COMENTÁRIOS

  • D
    Responder

    Uma vergonha!!

  • António Cardoso
    Responder

    Conheço bem a situação que se verifica assim e infelizmente há largos anos, desde os tempos da governação da Sra. Cristas. Só agora é que deu por isso?
    Tem andado muito distraída ou só agora é que lhe convém falar nessa situação.
    Neste caso concreto não lhe posso aplica o ditado “vale mais tarde que nunca”. Claro que esta e outras situações que se verificam na cidade de Lisboa têm de ser resolvidas rapidamente.

    • Valdemar Gomes
      Responder

      Mas pelo que eu sei, todos os que agora em tempo de eleições estão a pôr o dedo na ferida (tal como a Sra Cristas) e que já foi membro de governo
      O que fez e o que disse na altura? E na campanha eleitoral?
      Há pois, não era do seu pelouro, mas os 4 milhões que devolveu a UE que não aplicou na agricultura e pescas (seu pelouro) por não ter ideias onde o aplicar isso já não é grave.

  • Jorge Simões
    Responder

    E é só o Chafariz? A rua está toda ela um caos com grafitis por todo o lado e buracos no pavimento. Há meses que abriu um buraco na rua por abatimento do sistema de saneamento e ainda continua por tapar. E o mais curioso é que precisamente ao lado do chafariz “funciona” há imensos anos um Posto de Limpeza da Câmara/Junta de Freguesia. A Rua de São Sebastião da Pedreira deve sofrer do facto de ser a única rua velha das Avenidas Novas. Enfim…

  • José
    Responder

    O que fazem os trabalhadores de limpeza da camara de Lisboa?
    Porque é que a junta não limpa,lava??????

  • Dirceu Pinto
    Responder

    De facto já é hora de a CML e a EPAL se entenderem para porem a funcionar os chafarizes da cidade.

  • Rogério Pampulha
    Responder

    A cidade está toda grafitada e ninguém faz nada para acabar com este flagelo, acho mesmo que valorizam a actividade destes individuos. Outro flagelo são as pontas de cigarro e as pastilhas elásticas.

  • Manuel Marques
    Responder

    Mas há algum chafariz em Lisboa em condições??? Lisboa capital do desleixo!

  • Carlos
    Responder

    O Merdina e Co.Lda só se preocupam com obras megalómanas.

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografias & Fotografia

Paula Ferreira
Fotografía

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend