Sofia Cristino

Texto

VIDA NA CIDADE

Santa Maria Maior

2 Julho, 2018

Os lojistas da Rua de São Lázaro vão ter de sair para darem lugar a habitações do Programa Renda Acessível (PRA), mas estão revoltados com a falta de alternativas apresentadas pelo senhorio, a Câmara Municipal de Lisboa (CML). Queixam-se de a autarquia só negociar “na base do sair”, de oferecer indeminizações “ridículas” e ter pouca disponibilidade para os receber. Alegando ter investido muito na recuperação dos imóveis, impedindo a sua degradação, os comerciantes lembram que têm clientes de várias partes do país a virem de propósito às suas lojas, contribuindo há muitos anos para o desenvolvimento da economia local. Se fecharem, alertam, centenas de pessoas poderão perder o seu posto de trabalho. Os comerciantes acusam ainda o presidente da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior de nada fazer para os ajudar, mas Miguel Coelho (PS) descarta responsabilidades. “Percebo que haja alguma mágoa, mas não é da nossa competência”, diz. A Câmara de Lisboa diz estar a negociar com os comerciantes “de forma a encontrarem a melhor solução para cada caso concreto”.

“Todos os dias, acordo a pensar até quando esta situação vai durar. Estamos a viver um clima de terror psicológico. O que a Câmara Municipal de Lisboa (CML) está a fazer connosco, ao intimidar-nos a sair, é bullying”, diz José Santos, 48 anos, sócio-gerente da loja de têxteis Viúva de Luís da Mata, instalada na Rua de São Lázaro, na freguesia de Santa Maria Maior, há mais de 50 anos. O comerciante está revoltado por ter de abandonar a loja onde sempre trabalhou com o pai, para ali nascer uma habitação a preços controlados, no âmbito do Programa Renda Acessível (PRA) da CML. Em Julho de 2016, os comerciantes da Rua de São Lázaro a trabalharem em edifícios municipais receberam uma carta da Câmara de Lisboa a solicitar que enviassem os dados sobre a actividade económica das empresas. Descontentes com a forma como a autarquia os tratou, criaram a Associação Comércio Tradicional Rua de São Lázaro (ACTLS) para se fazerem ouvir.

“Nesta rua, somos uma família, trabalhamos para uma comunidade muito específica. Há pessoas que vêm aqui de propósito, de várias partes do país e das ilhas, para comprarem produtos portugueses”, conta José Santos, no meio do armazém onde guarda colchas e lençóis, que, na manhã em que O Corvo visitou o espaço, servia de sala de reuniões improvisada para falar com os outros lojistas lesados pela decisão da autarquia. Tinham acabado de se encontrar com o Partido Ecologista “Os Verdes” (PEV) e preparavam-se para reunir com o Partido Comunista Português (PCP). “Vamos fazer tudo o que conseguirmos para ficarmos com as lojas. A CML está a ser intransigente, queríamos ir através da conversa, mas não dá. Por isso, vamos fazer uma petição”, avança. Com a subscrição, pretendem que lhes sejam atribuídos os rés-do-chão reabilitados para continuarem os seus negócios.

dav

O Programa Renda Acessível promete trazer nova vida à adormecida Rua de São Lázaro

O Programa Renda Acessível prevê o arrendamento de cinco mil a sete mil fogos a preços controlados para jovens casais em quinze zonas da cidade. Na Rua de São Lázaro, já foram concessionados 16 edifícios municipais, que serão cedidos pela autarquia em direito de superfície para serem reabilitados por privados, dando origem a 126 apartamentos naquela artéria, junto ao Martim Moniz. As negociações com a CML estão a decorrer e já foram apresentadas indemnizações aos comerciantes para abandonarem as lojas.  Os valores propostos são, contudo, “ridículos”, dizem. “Ofereceram-nos uma indemnização de 40 mil euros, uma ninharia. Tenho cinco empregados, nem dava para lhes pagar”, explica ainda José Santos. “Fiz a minha vida toda em função do negócio. Saindo daqui, não tenho alternativa. Não queremos impugnar o Programa de Renda Acessível, queremos que nos integrem nele. Já houve muitos moradores a residir aqui, mais de 200 pessoas, que saíram. Achamos, por isso, que isto foi tudo premeditado pela Câmara”, acusa.

 

Depois de ter conhecimento do que ia acontecer à sua loja, José Santos foi à procura de um novo espaço para instalar o negócio e ficou “incrédulo” com a oferta reduzida. “Nesta zona, só encontrei uma loja de 110 metros quadrados, pela qual pediam 6 mil euros de renda, e outra, de 90 metros quadrados, pela qual pediam 3 mil euros, um exagero”, considera José Santos, que paga 540 euros de renda. O pai, Isidro Santos, 74 anos, a trabalhar ali desde os 13 anos, também se recusa baixar os braços. “Ampliamos a loja e, depois das obras, fiquei sem um tostão. Quando vieram cá os técnicos da Câmara fazer as medições para o projecto de reabilitação, perceberam que tínhamos mais área na loja e ficaram surpreendidos. Tornou-se ainda mais apetecível o negócio. Só nos resta ir à luta”, afirma.

 

Duas casas abaixo, José Fernandes, 60 anos, proprietário da loja de revenda Deoferil Confecções, ali há 30 anos, tem dado a cara pela luta destes comerciantes, tendo intervindo em mais do que uma sessão da Assembleia Municipal de Lisboa. Depois de receber a primeira carta da câmara, foi aos Paços do Concelho tentar obter respostas, mas não gostou da forma como foi recebido. “Pedi para falar com alguém do pelouro da Habitação e a pessoa que me ouviu respondeu-me por intercomunicador. Disse que não me queria receber e para me despachar a enviar os documentos”, conta. O comerciante diz que só viria a saber que teria de abandonar o rés-do-chão onde tem a loja através da comunicação social. “É muito triste, ao final de tantos anos, acabarmos assim. Nunca abandonamos esta rua, mesmo nas alturas mais complicadas, quando havia muita prostituição. Não deixámos que os edifícios se degradassem, investimos muito, desenvolvemos a economia local e somos responsáveis pelo trabalho de centenas de pessoas. A câmara não zelou pelo seu património e agora quer tirar-nos”, critica.

 

Estes comerciantes querem continuar a trabalhar na Rua de São Lázaro, “um direito” deles, explicam. “Não é nenhum favor que nos fazem. Desde 2016 que estou a trabalhar em prol da rua”, diz José Fernandes, que paga 384 euros de renda pelo rés-do-chão onde guarda pijamas, lingerie, panos, toalhas e outros produtos têxteis. Tem mais de cem empresas a trabalhar com a sua firma, algumas das quais já redigiram documentos nos quais atestam o impacto do fecho desta loja. A Textimalhas, cliente da Deoferil desde 1993, depende financeiramente deste tipo de empresas e o seu encerramento põe em causa a sua sobrevivência e a dos seus funcionários.




 

 

 

Do outro lado da rua, Akit Joosab, 40 anos, dá continuidade à loja de ferragens do pai, desde 1987. Ofereceram-lhe 20 mil euros de indemnização, mas, tal como os outros comerciantes, diz preferir manter a loja naquela rua. “Tenho três filhos, um com 5 meses, outro com cinco anos e uma com 14 anos. E também ajudo a minha mãe, que ficou viúva. Começar do zero é muito difícil”, diz Akit Joosab, que paga uma das rendas mais baratas, de 50 euros. Joosab ainda propôs à autarquia um valor de renda cinco vezes superior ao actual, cerca de 300 euros, mas a CML disse que só aceitava a sua continuidade se pagasse “vinte vezes mais que o valor actual”, conta. O município sugeriu-lhe, entretanto, mudar-se para uma loja junto à Avenida das Forças Armadas, mas não ficou satisfeito. “Pedi uma loja entre o Rossio e Arroios e disseram-me que não tinham. Fui à zona de Entrecampos ver o espaço que me sugeriram e não havia movimentação nenhuma, vou perder muito se for para lá”, conta.

 

 

“Sei que vão construir novas lojas no lugar das nossas, podiam deixar-nos voltar. Só este prédio agora vale milhões de euros, claro que os privados têm interesse. Falam muito da protecção do comércio tradicional e não vejo nada”, critica. Para além dos clientes do bairro, Joosab recebe pessoas da periferia de Lisboa. “Este tipo de lojas faz muita falta e estão todas a fechar”, comenta Margarida Neto, uma cliente a viver no Bairro das Coroas, em Loures, que vai ali de propósito porque gosta do atendimento, mas também por já não encontrar este tipo de loja no seu bairro. “Isto vai tornar-se outra cidade europeia sem identidade, os turistas passam só para tirarem fotos à loja porque dizem que nos países deles já não há estas lojas”, acrescenta Joosab.

Na Rua de São Lázaro há venda a retalho de toalhas, cortinados, mantas e roupa interior, mas a maioria das lojas funciona como armazém de revenda. A Confecção Boucosil, aberta desde 1980, é outro desses exemplos. Nuno Rocha, 35 anos, filho do gerente desta firma, está muito preocupado com o futuro do negócio familiar. “Só tenho o 12º ano, não fiz mais estudos para ajudar o meu pai, achava que o meu futuro estava garantido. Agora, não sei o que vou fazer, com a minha idade já vai sendo mais difícil encontrar emprego”, diz. Mas as maiores preocupações são sentidas diariamente, explica. “Estamos aflitos porque não há data para sairmos, podem chegar aqui um dia e avisarem-nos que temos de sair para a semana.  Tenho um filho com sete anos e sustento a minha família. Não queremos indemnizações, queremos trabalhar”, desabafa.

 

 

Um pouco mais a baixo, e ao contrário dos vizinhos, Amílcar Santos, 79 anos, gerente da Casa Seta desde 1974, diz que está cansado e já anseia pelo dia da saída. “Com esta idade já tenho vontade de ir para casa. Estou farto disto e já facturamos muito pouco”, diz, não deixando de criticar as condições de saída sugeridas pela autarquia. “Queremos uma indemnização mais alta do que aquela que nos foi proposta. Face ao que já gastamos aqui e os custos que temos, foi ridícula”, comenta. Agora, aguarda uma resposta da CML relativa à contraproposta que apresentou. “Já entregámos a casa ao lado, em Março, que também era nossa. Estávamos numa situação precária e tivemos de a ceder, mas perdemos cerca de 600 mil euros. Tínhamos muitos empregados e a autarquia não nos deu nenhuma indemnização. Se fosse hoje, tentava contestar, sentimo-nos enganados”, lamenta ainda.

 

 

No final da rua, João Barreiro, 64 anos, e a mulher, Dalila Barreiro, 71 anos, gerem o café A Caprichosa há mais de 45 anos. Viram no plano de reabilitação daquele arruamento que o seu café vai ser demolido, uma notícia recebida com tristeza, mas sem surpresa. “Quando vim já havia um projecto para demolirem o edifício, mas não se voltou a falar nisso. Não se manda uma carta sem tentarem o diálogo, não é assim que se faz. Fiz isto toda a vida, trabalho nisto há 55 anos, numa dedicação total a esta rua”, diz João Barreiro, enquanto que prepara o almoço dos clientes habituais, “dos poucos portugueses que ainda vivem no bairro”. “A primeira indemnização foi uma brincadeira, de 3 mil euros. Voltamos à CML e ofereceram-nos 6 mil euros, outra anedota. Como não há duas sem três, esperamos pela terceira proposta”, brinca, acrescentando que aguarda agora uma resposta da autarquia.  “A CML está a desrespeitar-nos, fizeram-nos uma oferta vergonhosa e ligaram-nos a pressionarem-nos para entregarmos os documentos”, acrescenta.

 

 

Depois de perceberem que a Câmara de Lisboa não estava aberta ao diálogo sem ser na “base do sair”, os comerciantes da Rua de São Lázaro tentaram falar com o presidente da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, Miguel Coelho (PS), tendo este garantido ajudá-los. “Disse-nos que tínhamos direito às lojas, que voltaríamos a falar e prometeu-nos uma reunião na câmara, mas nunca mais apareceu nesta rua.  Mandamos-lhe vários e-mails e não respondeu. Devia estar a defender-nos, mas está comprometido com o programa”, acusa José Fernandes.

 

Em declarações a O Corvo, o presidente da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, Miguel Coelho (PS), descarta as responsabilidades para a Câmara de Lisboa. “Estive reunido com eles, em 2016, e expliquei-lhes que a resolução do problema só dependia da autarquia. Recomendei que criassem uma associação e arranjassem um advogado, percebo que haja alguma mágoa, mas não temos capacidade de resposta, não é da nossa competência”, afirma. Quanto aos comerciantes que se encontravam em situação de cedência precária – através da qual são obrigados a entregar a casa ao senhorio quando este a requisita –, Miguel Coelho considera serem situações “mais frágeis”, que devem ser conhecidas em concreto. Quando confrontado com as acusações dos comerciantes, o autarca diz “não se recordar de ter deixado alguém sem resposta”. “Se calhar, não dei foi a resposta que queriam”, acrescenta.

 

“Claro que aquele comércio faz falta aquela zona, mas também concordo que as casas sejam feitas ali, não tenho críticas ao Programa das Rendas Acessíveis. Temo-nos debatido muito por esta questão, para que os lisboetas voltem à freguesia. O ideal seria fazer-se um projecto que englobasse estas lojas e as casas no mesmo sítio, de forma a não prejudicar ninguém”, diz ainda. Questionado se pretende apresentar algum tipo de projecto que compatibilize as duas situações, Miguel Coelho responde assim: “Não tenho, neste momento, capacidade para criar um projecto desses”.

 

Uma fonte do gabinete da vereadora da Habitação, Paula Marques, avança que “a autarquia se encontra em negociações com estes comerciantes de forma a encontrarem a melhor solução para cada caso concreto”.

COMENTÁRIOS

  • Barbara Caruso
    Responder

    Resta saber se a reabilitação feita por privados dos 16 edifícios municipais vai dar origem a casas com renda acessível ou a mais um empreendimento a preços proibitivos. Cheira a negócio especulativo do bom, como só as autarquias sabem fazer em nome das cidades. A CML é tão sonsa que dói.

  • Filipe
    Responder

    Rua daí Otario
    Sempre estes burros a colocarem entraves em lojas de bosta que ninguém vai
    Fechem isso a força, se fosse comigo era porrada logo

    • Marco
      Responder

      Espero que um dia leves dessa porrada que apregoas.

  • José Abrantes
    Responder

    Quem vos mandou por na CML o PS?
    Têm alguma dúvida que está ao lado do capital?
    Eu fui corrido da cidade onde vivia desde os 14 meses, tenho 68 anos, não tenho partido, mas nunca votei no PS nem nos partidos do capital.
    Quem votou nos partidos desde PS até ao CDS, é responsável pelo que está a acontecer em todo o país, agora reclamam, mas quando os partidos que lutam pelo povo avisaram, que isto tudo ia acontecer, preferiram Cavaco, Soares e outros que tais, agora aguentem porque quem nunca votou nesses direitolas também tem que aguentar.

  • maria serradas
    Responder

    Sofia Cristino, agradecia contacto, tenho mais denuncias de despejos ilegais da CML, a pressão q fazem, as falsas promessas…
    cumprimentos
    Maria Roxo

  • António Afonso
    Responder

    Mas a Câmara de Lisboa não tem de respeitar a lei como os outros?
    Na Assembleia da República o PS e o Governo criticam a lei em vigor e depois na prática, quando lhes convém, ainda fazem pior que os outros e de forma prepotente.
    Os comerciantes devem unir-se e contratar um advogado para processarem a Câmara.

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Send this to a friend