A vivenda da Avenida da República onde funcionou o restaurante Clube dos Empresários, um “chalet” de estilo eclético de 1906, assinado por Ventura Terra e distinguido com o Prémio Valmor de Arquitectura, poderá vir a ser uma embaixada, soube O Corvo junto da empresa imobiliária que a pôs à venda.

Trata-se da Casa Viscondes de Valmor, situada numa das zonas mais caras de Lisboa, que foi posta à venda há meses e para a qual existem “vários interessados”, um dos quais pretende instalar ali “uma representação diplomática”, disse fonte da Prigeste, Sociedade Internacional de Gestão. Não há ainda um negócio fechado, mas entre os potenciais compradores estão “diversos estrangeiros” e “um grande empresário português” não identificado, segundo a mesma fonte.

Para além do edifício do princípio do século passado, com a sua característica pedra amarela e telhado negro e vermelho, o lote posto à venda inclui ainda 1.280 metros quadrados de terreno anexo.

O Clube dos Empresários, do mesmo proprietário do restaurante Clara, foi durante anos inquilino da vivenda. Em 2007, foi mandado encerrar pela ASAE por razões de higiene. Hoje, são visíveis alguns estragos nos toldos que davam sombra às salas do restaurante.

O palacete, mandado erguer para a viscondessa de Valmor, foi declarado Imóvel de Interesse Público em 1977. Não é abrangido por qualquer zona de protecção. A nota histórico-artística do seu registo no Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico destaca “a sugestão neo-românica levemente tangida pelo autor no janelão do alçado principal, a gramática classicizante proposta nos colunelos com capiteis jónicos, a linguagem Arte Nova patente na malha de ferro forjado e atestável no enquadramento das janelas tripartidas, bem como nos azulejos polícromos que aglutinam motivos florais estilizados com motivos geométricos.”

 

Texto: Francisco Neves     Fotografia: Alexandre Neves

Comentários

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com