Casa Testa: uma loja no coração de Lisboa onde o tempo pode valer muito dinheiro

REPORTAGEM
Rui Lagartinho

Texto

Paula Ferreira

Fotografia

VIDA NA CIDADE

Santa Maria Maior

20 Junho, 2016

A funcionar na Rua do Arsenal há 133 anos, a Casa Testa faz a ponte entre os Reis e o Euro, com o escudo pelo meio. Esta loja é como um museu informal do dinheiro que circulou em Portugal, e cujas peças podem ser levadas para casa. Mas só se aceitam pagamentos em euros.

Quando, em Junho de 1883, se realiza em Lisboa o congresso republicano português, a casa Testa – baptizada com o nome do seu fundador José R. Testa, um destacado membro da elite financeira do país -, que abrira portas nesse ano, era uma das mais recentes coqueluches da Baixa. Nesses tempos, ainda insípidos no que ao republicanismo dizia respeito, o escudo, a futura moeda dos novos tempos que chegariam vinte e sete anos depois, estava longe sequer de ser imaginada.

Os negócios faziam-se em reis (câmbios, títulos de crédito) e a sorte tentava-se na lotaria também em reis. De vez em quando, podem ainda aparecer na Casa Testa reis desse ano. Hoje, são objectos de colecção. Se é verdade que tempo é dinheiro, esse adágio popular, quando aplicado às notas e moedas que ainda hoje podemos encontrar na centenária casa da Rua do Arsenal, ganha a patine do tempo histórico.

Diamantino Jorge trabalha aqui desde 1969. Nessa altura, já havia Totobola. Ainda havia barcos a despejar marinheiros de todo o mundo no Cais do Sodré. Mais tarde ou mais cedo, o dinheiro que traziam nos bolsos vinha aqui parar: “Ou o trocavam directamente, ou então era trocado pelos gerentes dos bares aqui da zona, que vinham, na manhã seguinte às noites de farra, cambiar as gratificações”.

ocorvo_30_06_2016_01

No dia 25 de Abril de 1974, uma quinta-feira, andava à roda. E Diamantino teve de persuadir os militares a deixarem-no passar a tempo de devolver a lotaria não vendida.

A Rua do Arsenal respira História e ADN de Portugal em cada pedra. O rei Dom Carlos I foi assassinado à esquina, a Marinha tem o seu quartel-general em frente à Casa Testa, o melhor bacalhau da cidade vende-se aqui ao lado, a sede do Banco de Portugal e os Paços do Concelho ficam a dois passos.

E na Casa Testa vê-se passar a cidade que corre agitada, entre o Cais do Sodré e a Baixa: “Com a chegada do metro ao Cais do Sodré, o movimento diminuiu, mas hoje, com a explosão do turismo, está tudo mais animado”, satisfaz-se o senhor Diamantino.


ocorvo_30_06_2016_02

E quase se atropelam nos passeios, acrescentamos nós. Alguns entrarão atraídos pelas notas de colecção e moedas de todo o mundo expostas na montra. Na tarde em que o Corvo esteve na Casa Testa, um português procurava uma moeda em escudos: “uma qualquer, desde que seja barata”. Esta é também uma loja para nostálgicos que cresceram a encher o mealheiro com notas de 20 escudos. Hoje, um papel com a efígie do Santo António em bom estado vende-se por 2.50 euros, vinte cinco vezes mais que o seu valor facial.

No cofre, guarda-se uma nota de 1.000 escudos que, chegada recentemente, aguarda comprador. Pelo seu número de série, sabe-se que estava na agência bancária da Figueira da Foz quando, em 1967, quatro opositores ao regime salazarista, entre eles Camilo Mortágua e Palma Inácio, assaltaram o banco. “Vem referenciada, nos catálogos é uma nota muito apetecida, que, decerto, encontrará quem a queira”, garante-nos Diamantino.

Com o fim dos cambistas, a seguir à Revolução de 1974, o negócio de casas como esta ficou amputado. Hoje, os três milhões de facturações anuais dividem-se entre os apostadores dos jogos sociais da Santa Casa e a venda de moedas e notas a colecionadores. São eles quem se aproximam do longo balcão negro, com ar sólido e a inspirar confiança, para serem atendidos por um dos quatro funcionários, enquadrados por pósteres da Praça do Comércio ou do Palácio da Pena em Sintra que o tempo amarelou.

Às vezes, a sorte grande entra pela porta, a última vez foi no Natal 2013, quando aqui foi vendido um prémio de 12 milhões de euros.

ocorvo_30_06_2016_03

A lotaria é o jogo mais vendido, a casa fornece também alguns cauteleiros de Lisboa de cautelas e raspadinhas, contribuindo assim para que outra tradição tipicamente lisboeta não se extinga, numa espécie de solidariedade entre pares, que já foram do Reino e hoje são da República.

ocorvo_30_06_2016_04

MAIS REPORTAGEM

COMENTÁRIOS

Comentários
  • Paulo Ferrero
    Responder

    O que acho piada é à foto da fabulosa e inesquecível da Baia del Silenzio, em Sestri Levante… que faz ali?? 🙂

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend