É uma batalha antiga de muitos amantes dos eléctricos e demais defensores das formas de transporte menos poluentes. A reactivação da linha 24, que ligava o Cais do Sodré a Campolide, quando encerrou à circulação, em Agosto de 1995, para a construção de um parque de estacionamento neste bairro, está fora dos planos da Carris. A ainda empresa pública admitiu em nota escrita enviada ao Corvo, na semana passada, não ter planos para proceder ao relançamento de uma das mais acarinhadas carreiras de eléctrico da cidade. A procura seria reduzida para os custos, argumenta. Além disso, aponta a existência de uma alternativa nos autocarros.

 

Fica assim, mais uma vez, por cumprir uma promessa antiga – em relação à qual existe mesmo um protocolo assinado entre a Carris e a Câmara Municipal de Lisboa, em 1997 – e que, no ano passado, chegou a ser anunciada pela autarquia como um dos potenciais atractivos associados à total reabilitação do Largo Rafael Bordalo Pinheiro. O arruamento passaria a ser dedicado, quase em exclusivo, aos peões e às esplanadas, havendo lugar para uma zona de tomada e largada de passageiros do eléctrico – preservando-se os carris tais como estavam. A obra terminou em meados de Janeiro passado. Mas as notícias do regresso do 24 parecem ter sido manifestamente exageradas.

 

“Do ponto de vista da Carris, a eventual reposição da circulação de elétricos efetuando a carreira 24E não é uma prioridade, dado que, naquele percurso, existe já um serviço de transporte em autocarro”, diz a fonte da empresa. “Contudo, trata-se de matéria que não depende exclusivamente da Carris, pelas implicações que tem ao nível da necessidade de obras na via férrea e na rede aérea, disponibilização de veículos, reordenamento viário e de estacionamento”. As duas últimas são competências da Câmara Municipal de Lisboa (CML). Em Fevereiro de 2014, o vereador do Urbanismo, Manuel Salgado, dizia ao jornal Sol, que se estava a “estudar os eléctricos que ali vão passar”.

 

A realidade seria, porém, mais complexa. Aos motivos alheios à sua vontade para que esta operação não se lhe afigure oportuna, a Carris junta-lhes outras justificações relacionadas com o seu próprio funcionamento. “A atual inexistência de veículos disponíveis obrigaria a sacrificar no todo, ou parcialmente, alguma carreira e a colocação da infraestrutura em condições operacionais implicaria o correspondente investimento, ao mesmo tempo que a expectável utilização desse serviço seria reduzida”, esclarece a transportadora. Um argumento, aliás, já utilizado noutras alturas em que se aludiu ao ressuscitar do 24.

 

Um objectivo que se vai protelando, para frustração de quem, há muito, vem reclamando a sua concretização – como é o caso do grupo cívico Movimento Fórum Cidadania Lisboa. Depois do encerramento, em 1995, da linha surgida 90 anos antes, têm saído sucessivamente goradas as expectativas dos que gostariam de voltar a fazer uma ligação de eléctrico subindo a Rua do Alecrim, passando junto ao Bairro Alto, Miradouro de São Pedro de Alcântara, e depois na Rua da Escola Politécnica, no Largo do Rato e Rua das Amoreiras. E isto apesar de existir um compromisso formal nesse sentido, firmado em 1997, entre a Carris e a CML e também de diversas moções aprovadas na Assembleia Municipal de Lisboa.

 

Texto: Samuel Alemão

 

  • Luís Paixão Martins
    Responder

    RT @ocorvo_noticias: Carris não quer reactivar eléctrico 24, entre Cais do Sodré e Campolide – http://t.co/Az5301OMyZ

  • Teresa Loureiro (T)
    Responder

    RT @ocorvo_noticias: Carris não quer reactivar eléctrico 24, entre Cais do Sodré e Campolide – http://t.co/Az5301OMyZ

  • pedron
    Responder

    RT “@ocorvo_noticias: Carris não quer reactivar eléctrico 24, entre Cais do Sodré e Campolide – http://t.co/W1zhxc1YnF”

  • David Fernandes
    Responder

    Os eléctricos devem ser um serviço prestado pela CML e não pelo Estado português através da Carris. Se a CML quer o 24, que crie uma empresa de eléctricos e os meta lá, gastando o dinheiro dos contribuintes lisboetas e não portugueses.

    • jose
      Responder

      Os transportes urbanos devem ser um serviço prestado pela CML e não pelo Estado português através da Carris.

  • fernando
    Responder

    Se não querem reativar as linhas porque é que as mantêm ? continuam a ter as linhas espalhadas pela cidade (com os perigos que vão provocando) e a instalar “raquetes” (Praça Luis de Camões)

  • Carlos Moura
    Responder

    O Amigo deste Blog – – mostra por onde eles andam. Parece que falta não há…só de vontade

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com