No início de Fevereiro, os vereadores da Câmara Municipal de Lisboa (CML) aprovaram por unanimidade uma proposta de João Gonçalves Pereira (CDS-PP) para que os serviços da autarquia tenham concluído, num prazo de seis meses, um estudo sobre a viabilidade de os motociclos poderem usar os corredores BUS. Mas a Carris não gosta da ideia e alerta para o facto de tal cenário “poder vir afetar as condições adequadas de segurança”

 

Na sequência da aprovação dessa proposta – e de outra, do PCP, também votada favoravelmente por todos os vereadores nessa reunião, na qual se pede que sejam criadas “caixas de paragem” destinadas a esses veículos na linha da frente das faixas de rodagem, junto aos semáforos -, o secretário-geral Associação Nacional dos Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros (ANTRAL) deu voz à “total oposição” dos taxistas a essa possibilidade. Agora, a transportadora manifesta-se também desagradada com tal cenário.

 

Questionada por O Corvo sobre esta iniciativa, que ressuscita uma ideia lançada originalmente pelo PCP em 2010, a administração da empresa de transportes públicos reitera a posição demonstrada no início da década. “A Carris tem alertado as entidades competentes, designadamente a autarquia, para a possibilidade de a circulação de motociclos nas vias reservadas a transportes públicos, vulgarmente designadas vias BUS, poder vir afetar as condições adequadas de segurança”, diz a empresa em resposta escrita. Há cinco anos, a empresa que detém os autocarros urbanos da capital manifestava já preocupações face a questões de segurança e à manutenção da velocidade de circulação dos seus veículos.

 

Lembrado que não é sua competência a organização dos espaços urbanos, a transportadora salienta, porém, que “emite opinião sempre que é chamada a pronunciar-se pelos órgãos competentes, designadamente pela autarquia”. E deixo clara o que pensam os seus responsáveis sobre a eventual aplicação da medida: “A Carris reitera a sua preocupação com a manutenção dos níveis de segurança na circulação dos seus veículos e no transporte dos seus clientes, sem comprometer a eficiência do serviço prestado, contando, para tal, com o apoio da autarquia na concretização destes objetivos e na adoção permanente de medidas de apoio à circulação do transporte público coletivo”.

 

Se tudo decorrer como o planeado, a Direção Municipal de Mobilidade e Transportes da CML estará pronta para levar a cabo esta experiência, no início de Agosto, numa primeira fase apenas numa “zona piloto” a definir. Na proposta do vereador do CDS-PP, lembrava-se que as recentes alterações ao Código da Estrada permitem tal modificação, a qual iria trazer “melhorias significativas na mobilidade e na eficiência energética da cidade de Lisboa, reduzindo os tempos de viagem […], aumentando a segurança dos condutores dos motociclos”.

 

Semelhantes motivações levaram os vereadores comunistas a apresentarem a sua proposta – que defende que seja criada na cidade, “na linha da frente das faixas de rodagem e junto dos semáforos, uma ‘caixa de paragem’ destinada a motociclos e a ciclomotores, pintada em cor adequada”. A ideia é fomentar o uso de ciclomotores e motociclos, porque estes “aumentam a fluidez do tráfego e diminuem os tempos de deslocação”.

 

Texto: Samuel Alemão

 

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com