Carris diz que motos nos corredores BUS podem comprometer segurança

ACTUALIDADE
Samuel Alemão

Texto

DR

Fotografia

MOBILIDADE

Cidade de Lisboa

31 Março, 2015

No início de Fevereiro, os vereadores da Câmara Municipal de Lisboa (CML) aprovaram por unanimidade uma proposta de João Gonçalves Pereira (CDS-PP) para que os serviços da autarquia tenham concluído, num prazo de seis meses, um estudo sobre a viabilidade de os motociclos poderem usar os corredores BUS. Mas a Carris não gosta da ideia e alerta para o facto de tal cenário “poder vir afetar as condições adequadas de segurança”.

 

Na sequência da aprovação dessa proposta – e de outra, do PCP, também votada favoravelmente por todos os vereadores nessa reunião, na qual se pede que sejam criadas “caixas de paragem” destinadas a esses veículos na linha da frente das faixas de rodagem, junto aos semáforos -, o secretário-geral Associação Nacional dos Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros (ANTRAL) deu voz à “total oposição” dos taxistas a essa possibilidade. Agora, a transportadora manifesta-se também desagradada com tal cenário.


 

Questionada por O Corvo sobre esta iniciativa, que ressuscita uma ideia lançada originalmente pelo PCP em 2010, a administração da empresa de transportes públicos reitera a posição demonstrada no início da década. “A Carris tem alertado as entidades competentes, designadamente a autarquia, para a possibilidade de a circulação de motociclos nas vias reservadas a transportes públicos, vulgarmente designadas vias BUS, poder vir afetar as condições adequadas de segurança”, diz a empresa em resposta escrita. Há cinco anos, a empresa que detém os autocarros urbanos da capital manifestava já preocupações face a questões de segurança e à manutenção da velocidade de circulação dos seus veículos.

 

Lembrado que não é sua competência a organização dos espaços urbanos, a transportadora salienta, porém, que “emite opinião sempre que é chamada a pronunciar-se pelos órgãos competentes, designadamente pela autarquia”. E deixo clara o que pensam os seus responsáveis sobre a eventual aplicação da medida: “A Carris reitera a sua preocupação com a manutenção dos níveis de segurança na circulação dos seus veículos e no transporte dos seus clientes, sem comprometer a eficiência do serviço prestado, contando, para tal, com o apoio da autarquia na concretização destes objetivos e na adoção permanente de medidas de apoio à circulação do transporte público coletivo”.

 

Se tudo decorrer como o planeado, a Direção Municipal de Mobilidade e Transportes da CML estará pronta para levar a cabo esta experiência, no início de Agosto, numa primeira fase apenas numa “zona piloto” a definir. Na proposta do vereador do CDS-PP, lembrava-se que as recentes alterações ao Código da Estrada permitem tal modificação, a qual iria trazer “melhorias significativas na mobilidade e na eficiência energética da cidade de Lisboa, reduzindo os tempos de viagem […], aumentando a segurança dos condutores dos motociclos”.

 

Semelhantes motivações levaram os vereadores comunistas a apresentarem a sua proposta – que defende que seja criada na cidade, “na linha da frente das faixas de rodagem e junto dos semáforos, uma ‘caixa de paragem’ destinada a motociclos e a ciclomotores, pintada em cor adequada”. A ideia é fomentar o uso de ciclomotores e motociclos, porque estes “aumentam a fluidez do tráfego e diminuem os tempos de deslocação”.

MAIS ACTUALIDADE

COMENTÁRIOS

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografias & Fotografia

Paula Ferreira
Fotografía

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Send this to a friend