Sofia Cristino

Texto

VIDA NA CIDADE

Campolide

25 Junho, 2018

Campolide está a rejuvenescer. A requalificação de grande parte do edificado e do espaço público, aliada ao regresso do eléctrico 24, tem atraído muitos jovens residentes, portugueses e estrangeiros. “60% da reabilitação é para Alojamento Local e 40% é para habitação”, diz o presidente da Junta de Freguesia, André Couto (PS). Uma mudança que não agrada a todos. “Esta é uma das partes mais típicas de Lisboa e está completamente descaracterizada”, critica um morador. O “desinvestimento” no comércio local, o fecho de lojas e o trânsito intenso sentido todos os dias são outras das queixas dos moradores. Noutra parte da freguesia, o Bairro da Liberdade, 150 famílias tomam banho no balneário público e a Junta de Freguesia diz não conseguir resolver este problema. A “ansiada” recuperação da encosta deste bairro social vai, porém, avançar – surgirão hortas comunitárias e zonas verdes. O autarca garante que a freguesia tem tido “uma evolução enorme” e já deixou de ser “o primo pobre de Campo de Ourique”.

“Ali em cima são os ricos e, aqui, são os pobres”, comenta Manuel Pina, 43 anos, enquanto aponta para o Centro Comercial Amoreiras. Está a beber um café na última mercearia da 2ª Rua Particular, um arruamento a poucos metros da Quinta da Bela-Flor, na periferia da freguesia de Campolide, onde vive desde os cinco anos. Aos pés do Aqueduto das Águas Livres, têm surgido construções modernas e já há apartamentos dedicados a Alojamento Local (AL), alterações urbanísticas que, considera o morador, estão a adulterar aquela parte da cidade. “O que mais me revolta é a perda de identidade do bairro, esta é uma das partes mais típicas de Lisboa e está completamente descaracterizada. Fizeram AL numa casa com um pátio muito típico, e desta forma não concordo”, critica.

Na 3ª Travessa Particular, lances de escadinhas em calçada separam casas dos anos 70 pintadas de diferentes cores. Manuel Pina explica que estes imóveis foram, recentemente, comprados por um homem de nacionalidade espanhola. “Despejou os inquilinos todos, só a minha mãe é que conseguiu renovar o contrato por mais quatro anos, mas, ao final deste tempo, acho que vai ter o mesmo destino que as vizinhas. Ele vai querer fazer alguma coisa com as casas”, explica o habitante referindo-se ao novo proprietário.

 

Teresa Chaves, 63 anos, tece criticas semelhantes. “Parece que é mais importante construir hotéis. Muitas pessoas foram despejadas, já saiu muita gente e, disso, tenho pena”, explica a moradora, a viver naquela freguesia há 42 anos. Com uma mercearia instalada perto da Quinta da Bela-Flor, onde foram realojadas pessoas de outros bairros sociais de Lisboa, Maria das Dores admite sentir-se insegura. “Antes, estava de portas abertas até à meia-noite, mas agora tenho medo. Nem parece que moramos ao pé de Campo de Ourique, que está muito desenvolvido. Isto está muito diferente, o ambiente é mais pesado, há mais barulho e mais insegurança”, conta a proprietária da mercearia que herdou o seu nome, para depois elogiar a requalificação dos passeios.

dav

Casas junto ao Bairro da Bela Flor compradas por investidor espanhol

Ao descer para a Estação de Campolide, na zona envolvente do Aqueduto das Águas Livres e da Avenida de Ceuta, o som de máquinas de construção civil anuncia que é ali que vai surgir o novo parque urbano da Quinta da Bela-Flor. O vale de Alcântara vai passar a ter um corredor verde para circulação pedonal e de bicicleta, entre o centro da cidade, o parque florestal de Monsanto e o rio Tejo. As obras prosseguem em direcção ao Bairro da Liberdade, onde um mural onde está grafitada a frase “Conquista o Sonho” marca o início deste que foi um dos primeiros bairros sociais de Lisboa. O projecto de requalificação, da responsabilidade da Câmara Municipal de Lisboa (CML), também já começa a ser visível aqui e há quem não esteja contente com a empreitada.

 

“Acho que a ciclovia não vai ser muito utilizada. Mas o pior é que destruíram um parque infantil, requalificado há um ano e meio, para a fazer. Além de ficarmos sem parque para as crianças, usou-se dinheiro em vão”, critica Tânia Rodrigues, 34 anos, proprietária da churrasqueira O Pitéu, no Bairro da Liberdade. A também moradora diz que a população se sente esquecida e ainda carece de serviços básicos. “Não temos uma mercearia, que é do mais elementar. Ao sábado, parece que estamos na província, não se passa nada. O bairro está despido, os filhos foram embora e não há incentivos a ficar. Temos a estação e mais nada, os negócios que abrem também fecham e as prioridades são as ciclovias. Deixou-se de realizar a maior feira de Lisboa, na Rua Larga, perdeu-se muito”, diz, indignada.

 

 

Tânia Rodrigues recorda ainda que há muitas promessas eleitorais por cumprir quanto à reabilitação do Bairro da Liberdade, onde, em 2008, foram demolidas 40 casas numa tentativa de devolver alguma dignidade aquele bairro. “Ainda há muitas pessoas a irem buscar água ao chafariz porque não têm, as rendas subiram muito e há muita fome escondida neste bairro. Há uns anos, Campo de Ourique estava morto e foi recuperado, está espectacular. Nós fomos esquecidos”, lamenta, acrescentando que “a demolição das casas destruiu famílias inteiras, ao realojá-las noutros bairros em freguesias distantes”. “Acredito que, daqui a uns anos, deitam mesmo tudo abaixo”, antevê. Apesar das falhas estruturais, a comerciante elogia a melhoria da qualidade de algumas habitações e a proximidade de Monsanto.

 

Para chegar ao bairro do Alto da Serafina é preciso subir 160 degraus. No percurso, do lado esquerdo, uma encosta de mato e silvas espera há décadas por reabilitação. Do lado direito, casas distribuídas ao acaso compõem o Bairro da Liberdade, por vezes confundido com o da Serafina. Para chegar a qualquer um, o trajecto ainda é longo. “Não faz sentido terem de subir estas escadas todas, também podiam arranjar uma solução”, sugere Tânia Rodrigues.

 

Este não é, contudo, um problema para os moradores mais jovens, como Daniel Sousa, 27 anos. “Para mim, é bom, fortaleço os músculos”, diz, em tom de brincadeira, para, logo de seguida, explicar o que o incomoda na sua zona de residência. “Se olharmos daqui, parece um gueto, mas lá em cima, no topo mesmo, é muito melhor. Tenho um sentimento muito grande por esta zona, a casa da minha avó foi deitada abaixo em 2004. Teoricamente, estava em risco de cair. O ponto negativo mais forte talvez seja isto estar tão degradado e deixado ao abandono e os preços estarem muito inflacionados, pedem muito por uma casa podre”, conta o jovem residente da Serafina, licenciado em Engenharia Electrotécnica. A grande vantagem de morar ali, explica ainda, é “estar perto do centro, sem estar na confusão da cidade, e ter Monsanto ao lado”. “Se quisessem fazer uma extensão do metro, era melhor ainda”, sugere.

 

 

Raúl Nunes, 39 anos, “nascido e criado” no Bairro da Liberdade, orgulha-se de ainda ali viver. De sorriso fácil, tece grandes elogios ao trabalho feito nos últimos dois mandatos pela Junta de Freguesia de Campolide. “Está muito melhor, desde que chegou este novo presidente de Junta. As estradas e as calçadas estão recuperadas e há transportes para as crianças irem para a escola”, diz o morador, que mora ali com os filhos, “o que já vai sendo uma excepção”, salienta. Raúl Nunes só critica a desinvestimento no tecido associativo. Muitas colectividades fecharam, como a Cascalheira Futebol Clube e a Calçada dos Sete Moinhos, e outras deixaram de ser desportivas, passando a ser de convívio.

 

Na zona mais central, quase a chegar a São Sebastião, os problemas são de uma índole bem diferente. Na Rua de Campolide, durante a tarde, vê-se um morador à janela nos prédios desgastados pelo tempo, num claro contraste com os novos condomínios de luxo e anúncios de imobiliárias por ali dispersos. No Largo de Campolide, junto à conhecida churrasqueira Valenciana, há esplanadas novas e o terminal do eléctrico 24, a circular desde Abril passado entre Campolide e a Praça Luís de Camões, após 23 anos de suspensão. A requalificação do largo, no âmbito do programa Uma Praça em Cada Bairro da Câmara Municipal de Lisboa (CML), deu uma nova vida ao bairro, elogiada por muitos moradores.




 

 

“É bastante visível a tentativa do presidente de Junta em melhorar a nossa qualidade de vida, mas algumas necessidades urgentes ainda carecem de soluções, como o estacionamento. O comércio local precisa de ser renovado, ainda há algumas lojas muito antigas fechadas”, diz Cláudia Carvalho, 29 anos, moradora na Calçada dos Mestres há quatro anos. Dado o rejuvenescimento do bairro, com cada vez mais jovens a procurar esta zona para viver ou trabalhar, a habitante sugere que se invista mais em animação nocturna. “Falta alguma acção à noite, podiam fazê-lo sem os grandes exageros que vemos à beira-rio, mas num aconchego dado a esta nova juventude que vem, cada vez mais, viver para aqui”, propõe.

 

Durante muitos anos deixada ao abandono, Campolide conhece agora uma nova vida, consequência das requalificações feitas no espaço público e da reabilitação do edificado. “Depois de me instalar, percebi que a freguesia estava a ser alvo de remodelações, numa tentativa de acompanhar as novidades de Campo de Ourique. Ainda bem para nós, que sentíamos que a nossa freguesia estava esquecida no meio dos carros de quem trabalha nas Amoreiras”, diz a jovem moradora, dando conta de outro dos traços distintivos da freguesia: ser um pólo de várias empresas. Cláudia Carvalho diz que a centralidade da zona e a possibilidade de ir a pé para o trabalho, assim como as rendas acessíveis na altura em que se mudou, foram algumas das razões que a levaram a escolher Campolide para residir.  “Não me vejo a morar noutro bairro”, comenta.

 

A Universidade Nova de Lisboa também tem ajudado ao desenvolvimento do comércio local, acredita Célio Silva, brasileiro, a trabalhar ali há sete meses, na Barbearia do Mercado. “Vim aqui parar por acaso, mas fui muito bem-recebido e não me faltam clientes. Esta zona tem muitos jovens, o que ajuda muito”, conta, enquanto vai cortando o cabelo de Natalino Cordeiro, natural de Santarém. Para este cliente, Campolide está “um bocadinho degradado, como toda a cidade”. “O que eu gosto mais é ser uma zona calma, onde têm aparecido mais jovens, muito devido à universidade e às rendas ainda baixas. Moro cá há poucos anos”, explica Natalino, enquanto troca comentários sobre o corte de cabelo.

 

 

Quem está ali há mais tempo sente ainda mais as diferenças. “Isto era um deserto, têm feito muitas obras e está muito bonito. É uma zona calma e há transportes para todo o lado, agora vou dar uma volta de autocarro pela cidade”, diz José Moreira, 91 anos, um dos rostos mais antigos do bairro. A morar na freguesia há 50 anos, gosta de se sentar no muro de uma loja aparentemente fechada, porque diz ser o melhor sítio para apanhar sol. É ali que passa grande parte do dia, numa das extremidades da Rua de Campolide – um dos principais arruamentos da freguesia onde ainda subsiste o comércio tradicional.

 

 

“Isto está metade-metade. Há três anos, havia mais idosos do que jovens a morar aqui, agora está dividido. Aparecem mais pessoas à procura de casa do que a comprar flores. Mas acho muito bem haver gente mais nova”, comenta Lina Silva, a florista mais antiga da Rua de Campolide, enquanto cumprimenta uma criança de cinco anos que está a passear com a avó. Essa satisfação contrasta, porém, com o “desinvestimento” no comércio local. “Esta rua tinha muito movimento, mandaram muitas pessoas embora. Onde era a ourivesaria, nesta rua, agora mora um casal. Há muita gente que voltou para a terra natal”, conta.

 

O proprietário da loja de pronto-a-vestir em frente, ali instalado há 48 anos, está mais optimista. “Campolide está um bocado velho, fecharam algumas sociedades recreativas e é pena. Mas já se vê construção nova e muita reabilitação, por isso, poderá mudar”, acredita. Geraldino Rodrigues, que já teve mais duas lojas naquela rua, diz ainda trabalhar “por carolice”. “Isto é para me entreter, as pessoas do bairro são as únicas que ainda consomem alguma coisa, e ainda vive aqui gente. A juventude vai ao centro comercial”, constata.

 

Um pouco mais acima, no Bairro da Calçada dos Mestres, uma das zonas mais caras da freguesia para viver, e onde há casas à venda por um milhão de euros, chegou a existir muito comércio local. Agora, porém, é apenas um bairro residencial. Muitos dos moradores elogiam-lhe a “calma e a segurança”, não omitindo, contudo, o desagrado que sentem por nesta parte da cidade passar todo o trânsito que se desloca para Sul ou para a linha de Cascais. “É só carros, como se vê”, comenta Cristina Velez, dona de uma loja de móveis. O pior problema da freguesia diz ser, contudo, a falta de estacionamento. “A maioria das pessoas que vem trabalhar para Campolide, como eu, não são de cá.  De madrugada, vê-se muitas pessoas a dormir nos carros, vão mais cedo para encontrarem lugar. Deviam fazer um parqueamento”, sugere a comerciante.

 

 

O presidente da Junta de Freguesia de Campolide, André Couto (PS), em declarações a O Corvo, diz que, durante os últimos anos de mandato, fez nascer centenas de novos lugares, com a criação de parques de estacionamento. A Empresa Municipal e de Estacionamento de Lisboa (EMEL) também já está, desde Março, a operar em Campolide. “Há parquímetros novos e, até ao final do ano, vamos ter mais. Campolide era uma ilha não tarifada e o Centro Comercial Amoreiras recebeu muitas empresas, era mesmo necessário mais estacionamento”, considera. O grande volume de trânsito ali sentido também deverá diminuir, garante, com as obras de requalificação previstas para a Praça de Espanha, a cargo da Câmara de Lisboa.

 

Até ao final do ano, André Couto promete ainda devolver aos moradores do Bairro da Liberdade uma das encostas onde o núcleo está instalado. “A encosta vai, finalmente, ganhar alguma dignidade, uma obra ansiada há anos. Demorou mais porque, em termos de projecto, esta obra era mais complexa e dispendiosa e teve de ir a concurso público. Assim que começar, demora três meses a estar concluída”, explica, adiantando que ali vão surgir hortas comunitárias, zonas verdes e um parque de estacionamento. A Rua de São Jacob também vai ser alvo de uma requalificação, estando prevista a sua conclusão para este ano.

 

Couto diz ainda que não tem conhecimento de existirem famílias sem água canalizada no Bairro da Liberdade, mas que há 150 agregados familiares a tomarem banho num balneário público por falta de instalações sanitárias. Um problema que o presidente da Junta de Freguesia de Campolide diz não ter capacidade para resolver. Através de um projecto da Junta em parceria com a Câmara de Lisboa, o Acupuntura Urbana, com um financiamento reduzido, tem conseguido, contudo, reabilitar alguns fogos neste bairro. São realizadas pequenas reparações, como o arranjo de telhados, pinturas no chão ou substituição de azulejos.  Agora, quer concluir o trabalho que já fez no âmbito do projecto Campolide 100% Seguro, que tem como objectivo “pôr uma zona antiga da cidade mais segura para a circulação pedonal”.

 

 

Quanto à insegurança sentida por alguns moradores no bairro da Bela-Flor, André Couto diz entendê-la, mas garante não haver motivo para alarme. “É um bairro social no coração das zonas mais ricas da freguesia e é normal que haja esse sentimento, mas não temos dados concretos da polícia de alguma ocorrência”, diz. Para combater a criminalidade, a Junta de Freguesia tem dado emprego a pessoas que acabam de sair da prisão ou que estão em risco de ficarem sem trabalho, numa colaboração com o Estabelecimento Prisional de Lisboa e com a esquadra do Palácio da Justiça. “Este programa ajuda a salvar muitas famílias e a diminuir a criminalidade”, explica.

 

André Couto confirma que a freguesia está a rejuvenescer e o Alojamento Local (AL) já é bem visível, o que se deve à crescente requalificação do edificado. “60% da reabilitação urbana é para Alojamento Local e 40% é para habitação própria, muito procurada por casais mais novos. O AL é um problema grande da freguesia e temos sensibilizado a Câmara para intervir com medidas que travem o AL”, explica. E, com a reactivação do eléctrico 24, o autarca acredita que a freguesia vai receber mais pessoas. “O eléctrico vai trazer muitos turistas e tenho a certeza que será uma forma de dinamizar o comércio local. Estamos a preparar um roteiro para que as pessoas saiam da praça, onde está o terminal, e vão até ao Aqueduto das Águas Livres e outros pontos emblemáticos da freguesia. Sentimos que têm ficado muito por ali”, adianta.

 

Outra das formas encontradas para retirar o comércio local do estado moribundo em que se encontrava foi a criação do programa Pago em Lixo, através do qual se pode trocar um quilo de papel ou de embalagens de plástico por uma moeda local de “1 lixo” equivalente a um euro – que só pode ser gasto no comércio tradicional. “As pessoas despertaram para o comércio local e a importância da reciclagem. Correu tão bem que voltamos a reactivá-lo, há 15 dias. Acreditamos que pode funcionar melhor no Verão”, diz. Neste programa, que já conta com 16 acções, participaram em média 800 pessoas.

 

 

Conhecido pela proximidade que mantém com os munícipes, André Couto não só realiza uma videoconferência semanal com os moradores para falar sobre problemas da freguesia, como faz o que apelida de “consulta popular” – “uma espécie de referendo na praceta”, onde se tomam decisões em conjunto sobre intervenções no espaço público. “Sinto que é uma marca que deixamos em Campolide, porque não havia um pólo aglutinador de todas as pessoas, e estas iniciativas dão-lhes confiança. Já deixamos de ser o primo pobre de Campo de Ourique há muito tempo, houve uma evolução enorme na freguesia”, conclui.

COMENTÁRIOS

  • Tenório Sousa
    Responder

    Corrijam isso, o moço de 27 anos tem mestrado, não é só licenciado

  • Lia
    Responder

    Por favor. Não levem diversão noturna para Campolide. Existem lugares específicos para isso. Campolide é um bairro sossegado. As pessoas procuram o bairro precisamente por esse motivo. Por que de agitação, já basta o dia a dia.

  • Paulo Costa
    Responder

    Gostaria muito que o sr presidente da junta cumprisse com prometido projecto de alcatroar e reparar os passeios da Vítor Bastos assim como a colocação dos parquímetros, não só nesta artéria mas em todo o bairro a fim de acabar com o estacionamento gratuito para as Amoreiras.
    O estacionamento ordenado é uma mais valia para os fregueses e para quem nos visita.
    Viva Campolide

  • José Simões-Ferreira
    Responder

    O repovoamento de Lisboa e dos seus bairros à conta do turista é uma falsa solução, que irá dar cabo da cidade, descaracterizá-la por completo, infernalizar a vida às pessoas, etc., e tudo para encher os bolsos a uma ínfima parte (na maioria estrangeiros, e mafiosos), e fazer crescer o sacrossanto PIB, coisa que dá “boa-consciência” aos inconscientes que nos desgovernam desde há muito…

  • José Simões-Ferreira
    Responder

    O repovoamento e reabilitação de Lisboa e dos seus bairros á custa do turismo é uma falsa solução que terá custos catastróficos, descaracterizando por completo a cidade e os bairros, e tornando tudo uma espécie de Disneylandia. Vejam o que aconteceu a Veneza ou a Florença, cidades onde vivem as pessoas mais azedas deste mundo, e onde as mafias chinesas, de leste, e ainda uns resistentes da camorra. ditam leis e dominam por completo o mercado. Todo o tipo de mercado…

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Send this to a friend