Campo de Ourique, um dos bairros mais cobiçados de Lisboa, tem cada vez mais moradores estrangeiros

REPORTAGEM
Sofia Cristino

Texto

VIDA NA CIDADE

Campo de Ourique

30 Julho, 2018

A zona está a mudar, mas a transformação não é sentida da mesma forma por todos. Há lojas a nascerem, mas também muitas a fechar logo após abrirem portas. Na freguesia com um dos valores por metro quadrado mais caros da cidade, jovens casais de classe média viram-se obrigados a sair das casas onde começaram a constituir família. No bairro eleito por estrangeiros para comprar casa, sente-se um aumento dos franceses, italianos e alguns nórdicos e já há sinais do turismo junto ao cemitério dos Prazeres. O que tem consequências. “Os mais jovens começam a assentar e a constituir família e têm de sair”, diz uma comerciante. Há quem veja, porém, com optimismo o aumento de residentes estrangeiros. “Talvez tornem a freguesia mais ecléctica e tragam novas ideias”, diz outra lojista. A freguesia é conhecida pela pacatez e espírito de comunidade. “Descobri este oásis e por isso fiquei cá”, diz uma moradora e lojista, natural de Leiria. O estacionamento e o trânsito são “a dificuldade crónica” do bairro, criticada por todos.

“Campo de Ourique está numa fase de transição. Há muitos moradores a irem embora e essa saída vai transformar o bairro. Está tudo a mudar, há prédios a serem restaurados e lojas a abrirem. Vai acontecer alguma coisa, o que é ao certo ainda não sei”, conjectura Teresa, lojista na Retrosaria do Jardim. As mudanças são visíveis um pouco por todas as ruas, onde há pelo menos um prédio a ser remodelado ou uma loja nova. Ao percorrer o bairro, o idioma francês é predominante e mistura-se com o português quase na mesma proporção. “As pessoas que fizeram o bairro já saíram. Sempre houve franceses, mas agora há muitos mais, e italianos e chineses. Os estrangeiros vieram tornar as casas inacessíveis aos portugueses, era o bairro dos actores e agora é o bairro dos franceses. Talvez tornem a freguesia mais ecléctica e tragam novas ideias”, diz ainda, optimista.

Da porta da loja, de tecidos e roupa de bebé, vêem-se crianças com os pais a brincar no parque infantil do Jardim Teófilo Braga, mais conhecido por Jardim da Parada, no coração da freguesia. A maior parte não reside ali, está só de passagem. “É uma zona muito apetecível para se viver, mas os preços das casas são muito elevados. Viemos aqui só passear”, diz Vasco Franco, 36 anos, enquanto dá leite ao filho recém-nascido e observa os outros filhos a andarem de baloiço. Vive no Parque das Nações, mas frequenta a recém-criada freguesia de Campo de Ourique, junção das antigas freguesias de Santa Isabel e de Santo Condestável, desde criança. “A minha tia mora cá e já venho desde muito pequeno. Não sei se são as pessoas, se é o comércio local, que se mantém, ao contrário de outras partes da cidade, mas sinto-me muito bem aqui. A seguir, vamos fazer compras nestas lojas de bairro”, conta. Pelos bancos de madeira do jardim, vêem-se pessoas de mais idade, algumas filhas do bairro de Campo de Ourique, grupos de homens a jogar à sueca durante todo o dia, e um ou outro morador de meia idade a passear o cão.

dav

Jardim da Parada, um dos locais mais emblemáticos do bairro

Maria de Matos, 69 anos, a viver há 18 anos naquela zona, dá voltas ao jardim, enquanto brinca com a cadela. Apaixonou-se pela “tranquilidade” do bairro e comprou casa quando Campo de Ourique ainda ficava de fora dos roteiros turísticos da capital e os preços dos imóveis não estavam tão inflaccionados. “Tenho pena que o valor das casas tenha aumentado, muitos casais jovens tiveram de sair. Alguma coisa tem de mudar, porque senão só vemos idosos nas mesas”, diz, enquanto dirige o olhar para as pessoas de mais idade. Isabel Cabaço e Fernanda Oliveira, sentadas num dos bancos do espaço verde, não podiam estar mais felizes com a evolução do bairro onde vivem desde crianças. E contam-no de sorriso aberto. “Está tudo tão modificado, tão diferente…Quando me casei, a Igreja de Santo Condestável estava em obras, rodeada de andaimes. Era tudo terra, agora há passeios e está tudo tão arranjado. Havia muito pouco comércio e, agora, há muito. Não precisamos de ir à Baixa às compras, temos aqui tudo”, diz Fernanda Oliveira, 91 anos, para logo de seguida começar a relatar um leque de boas memórias.

 

 

Hoje, o adro da igreja é palco de passeios familiares, encontros de adolescentes em período de férias escolares, ou local de paragem para almoço. A quietude daquele lugar só é interrompida pelo ruído dos aviões ou por um bando de pombos a invadir o átrio desafogado. “Gosto de almoçar aqui, tem sombra e é tranquilo”, diz João Armando, 43 anos, enquanto acaba de comer a refeição acondicionada num recipiente de plástico, nas traseiras da igreja. Uma mulher, na casa dos 30 anos, brinca com o filho enquanto espera que o marido saia do emprego. Em frente, há lojas que anunciam o encerramento e outras novas que dão nas vistas pelo carácter invulgar. Na Casa a Granel, aberta desde final de 2015, por Marlene Garcia, 30 anos, e o marido, vende-se um pouco de tudo avulso, desde especiarias, cereais, arroz, massa em forma de desenhos animados, chás, fruta desidratada, entre outros artigos dispostos em caixas de madeira ou dispensadores. Só na primeira semana de abertura, Marlene adicionou vinte produtos novos à loja. “Foram os próprios moradores da freguesia que se mostraram interessados em sugerir produtores”, conta.

 

Natural de Leiria, quando veio viver para Lisboa, em 2006, sentiu “uma grande impessoalidade” na forma de tratamento com quem se ia cruzando e pensou em abandonar a cidade. Uma opção que acabou por esquecer quando conheceu Campo de Ourique. “Descobri este oásis e por isso fiquei cá. É uma comunidade, gosto da essência das pessoas e criei amizade com os clientes, o que não é comum nas grandes cidades. É um bairro muito auto-sustentável”, conta, enquanto cumprimenta uma cliente com um abraço. Marlene Garcia elogia sobretudo o espírito de bairro e a segurança. “Sente-se um aumento do turismo nos últimos dois anos, mas é bom”, acrescenta.

 

Ofuscado por vezes com o que é já uma marca identitária da freguesia, o Mercado de Campo de Ourique, o bairro tem uma vida muito própria, para lá dos holofotes dos prémios internacionais que vai conquistando. O mercado, como tantos outros da cidade, durante alguns anos caiu no esquecimento, mas reergueu-se com bares e restaurantes, sendo principalmente frequentado à noite. Aurora de Brito, 78 anos, tece largos elogios à requalificação do espaço onde trabalha há 66 anos. “Há uns anos, saíamos do mercado e não víamos ninguém, tínhamos medo. Agora, vê-se muita gente, é todo o dia. Há muitos turistas e, ao mesmo tempo, é uma aldeiazinha. Somos o melhor mercado de Lisboa”, afirma a vendedora de fruta. Pedro Garrido, a trabalhar num quiosque junto ao cemitério dos Prazeres, diz que nunca viu tantos turistas como agora. “Sem ser a Baixa e a zona histórica de Lisboa, deve ser a parte da cidade com mais turistas, principalmente franceses, espanhóis e italianos”, diz.

 


 

No bairro de Campo de Ourique considerado, mais de uma vez, o “melhor para se viver” pela imprensa internacional, e onde, no último ano, têm nascido novos restaurantes e lojas gourmet, o encanto vai-se esfumando quando se percorre o bairro de uma ponta à outra. “Do jardim para cá, não é Campo de Ourique. Esta é a zona menos nobre do bairro, a mais esquecida”, diz Maria de Fátima, 45 anos, a trabalhar na Rua de Campo de Ourique há 15 anos. Faz tapetes, artigos artesanais e restauros, e já tem uma carteira de clientes grande, “no bairro onde todos se conhecem”, conta. Lamenta, contudo, a falta de investimento no comércio tradicional. “O presidente da Junta de Freguesia nunca fala connosco. Há pouco tempo, perguntaram-lhe onde existia uma loja de restauros em Campo de Ourique e ele não sabia”, conta. Júlio Caldeiro, 83 anos, há mais de cinquenta anos a vender louças e utilidades, diz que sente a freguesia “estagnada”. “Não vejo evolução nenhuma. O trânsito e o estacionamento são os maiores problemas, já perdi clientes por isso. Nessa rua, que se vê daqui, deviam deitar as casas todas a baixo. Isto já não é Campo de Ourique, só há prédios velhos e não se constrói nada, é uma vergonha. Sempre se dava movimento a este canto”, diz, referindo-se à Rua do Sol ao Rato.

 

Gil Boularote, 62 anos, lojista há 25 anos em Campo de Ourique, partilha a mesma opinião. “Melhorou-se de um lado e perdeu-se a memória do passado do outro. Já desapareceu muito do comércio antigo e tascas características da zona, que não vão voltar. Está mais moderno, os prédios estão melhor e há dois anos há muitos mais turistas, mas apagou-se o passado”, lamenta o emigrante francês, que vende roupa e acessórios vintage na Rua Coelho da Rocha. Já Sílvia Laurentino, 51 anos, emigrada nos Estados Unidos, a passar férias em Portugal, olha com satisfação para a transformação do bairro, mas critica os valores dos imóveis. “Está completamente diferente, mais limpo e bonito, mas encareceu muito, é muito difícil alugar ou comprar casa”, comenta.

 

 

Sandra Gonçalves, 40 anos, moradora e proprietária do Queque de Campo de Ourique, uma pastelaria de bolos caseiros, sente-se desapoiada como comerciante. “É um bairro simpático, que sempre primou por ter um pouco de tudo, mas agora há pouca variedade de negócios, parece um refeitório, só há restaurantes e cafés. Quando vim morar para cá, chamava-se à Rua Ferreira Borges a 5ª Avenida, agora está muito diferente”, diz, criticando ainda o difícil acesso à habitação. “Esta zona sempre foi cara, nunca desvalorizou, mas agora é um absurdo. Vê-se demasiados franceses, não era suposto. As pessoas mais jovens começam a assentar e a constituir família e têm de sair, não devia ser assim”, acrescenta. Do outro lado da rua, José Martins, 66 anos, a vender roupa interior, pijamas, lençóis e toalhas há 53 anos na freguesia, vai fechar o negócio. “Chegamos a ter oito empregados, agora sou só eu. Perdi metade dos clientes e a firma vai acabar porque não há ninguém para dar seguimento. Deve ser a loja mais antiga de Campo de Ourique e é pena porque ainda há quem me diga que faz falta”, lamenta o funcionário da Modas e Confecções Deserto. “O que me vale é Campo de Ourique ser um bairro da 3ª idade, senão já tinha fechado há muito tempo”, acrescenta.

 

 

Devido à subida acelerada do preço das casas, que colocou Campo de Ourique como a freguesia com um dos metros quadrados mais caros da cidade, há muitos habitantes a abandonarem o bairro, mas também muitas lojas a abrir e a fechar, “uma rotatividade” criticada por alguns. “Os andares são colocados à venda por valores absurdos e a maioria são comprados por estrangeiros. Aqui ao lado, foi uma chinesa que comprou. Os casais jovens que vivem aqui é em casa de familiares. Há muitas pessoas idosas a viverem aqui há muitos anos”, conta Ana Galhardo, 60 anos. Há um ano, abriu uma loja de tartes doces e salgadas na Rua Ferreira Borges e não está arrependida. Mas salienta: “não é fácil uma loja aguentar-se aqui, tenho de fazer um esforço diário”.

 

 

“Há uma grande variedade de lojas, mas não havia nenhuma que só vendesse tartes. Tentei perceber como me podia diferenciar e não ser só mais uma, porque vi muitas lojas a abrirem e a fecharem em pouco tempo. Há muita gente a querer abrir lojas aqui, mas esquece-se que as rendas são altas e já há muita oferta de alguns sectores de actividade”, acrescenta a antiga vendedora de artigos artesanais. Quem passa na rua, por vezes, pára só para cumprimentar quem está atrás do balcão. “Alguns só querem conversar, por isso é que Campo de Ourique é mesmo um bairro. Consigo fazer um atendimento personalizado”, explica Ana Galhardo.

 

Elisabete Torres, 47 anos, funcionária na retrosaria Tricots Brandal, na Rua Coelho Rocha, também realça a “proximidade” dos moradores. “Este bairro tem características muito especiais. É uma clientela mais idosa, mais conservadora, que muitas vezes vem só conversar”, conta. Apesar de elogiar “a pacatez” da freguesia, lamenta a falta de apoio aos mais novos. “É um bairro que podia ser aproveitado de outra forma, poderia ter mais vida e, se não fosse tão caro, de certeza que mais jovens o procurariam. É mais sociável à noite do que de dia”, diz, referindo-se à movimentação sentida no Mercado de Campo de Ourique.

 

O presidente da Junta de Freguesia de Campo de Ourique, Pedro Cegonho (PS), em depoimento escrito a O Corvo, aponta “o estacionamento e o trânsito” como “uma dificuldade crónica da freguesia”. “Estamos a acompanhar com expectativa as transformações em curso na Carris, com a introdução de novos modelos de autocarros e a integração de mais motoristas para repor níveis de serviços depreciados. Para além do reforço das faixas BUS, bem como o aumento dos estacionamentos para motociclos para incentivo ao seu uso”, diz. Cegonho avança que, no fim do mês de Julho, vai começar a ser construído um novo parque de estacionamento da EMEL, com cerca de 250 novos lugares, junto à Piscina Municipal.

 

 

O autarca reconhece a dificuldade de encontrar casa a “preços médios”, um problema “de toda a cidade de Lisboa” que terá de ser resolvido através de “nova legislação em aprovação na Assembleia da República”. No bairro marcado por uma forte presença de franceses, o autarca diz que não consegue avançar dados da população estrangeira residente na freguesia, mas diz ter “a percepção, quer das transacções imobiliárias, quer do recenseamento eleitoral, de um aumento de cidadãos da União Europeia, como franceses, italianos e alguns nórdicos”. “Estamos curiosos em conhecer os resultados do Recenseamento previsto para 2021 para verificar as alterações demográficas, quer ao nível da população estrangeira, quer ao nível da renovação das famílias e do envelhecimento da população. Notamos a existência de mais famílias com crianças, pela procura existente nas escolas e na utilização dos parques públicos e programas infanto-juvenis da Junta de Freguesia”, informa.

 

Cegonho congratula-se ainda de o bairro chamar a atenção da imprensa internacional, como da revista Monocle e dos jornais New York Times e Stuttgart Zeitung. “Campo de Ourique é uma freguesia com um forte sentimento de pertença, de bairro e laços de vizinhança. É um bairro plano, que convida a passeios a pé pelo comércio tradicional, e gastronómico, com dezenas de restaurantes de cozinha portuguesa e das magníficas pastelarias com fabrico e delícias próprias. É pontuado por diferentes garrafeiras onde se encontram verdadeiros tesouros do património vinícola português. Campo de Ourique é a verdadeira cidade dentro da cidade”, afirma. Quando confrontado com as críticas dos comerciantes que se dizem sentir esquecidos pela Junta de Freguesia, o autarca diz que “não se revê” nas mesmas. “A nossa relação com todo o comércio tradicional é excelente, dinâmica e existe ao longo de todo o ano, pontuando cerca de 200 lojistas em várias iniciativas”, conclui.

MAIS REPORTAGEM

COMENTÁRIOS

  • Cidadão
    Responder

    Curioso… Gostam tanto de falar de despejos e especulação e não dizem ainda nada sobre o nosso vereador/ especulador… se fosse outro senhorio….

    • Frederico
      Responder

      Melhor comentário de sempre do Corvo!

      • Jorge Feereira
        Responder

        Oh cidadão… mas do que estaria à espera??… isso passou aqui ao lado… são “fake news”…

  • Maria Bruno
    Responder

    Campo de Ourique continua a ser um dos melhores de Lisboa. Contudo, venho notando há uns anos, que ruas mais na periferia da freguesia, estão muito abandonadas, inclusivamente na recolha de lixo que não é diária, como sempre foi, com lamentável e pouco saudável exposição de lixo, também por culpa dos moradores que não se preocupam em fazer reciclagem. Cabia à junta de freguesia, incitar esse procedimento, até por via correctiva se necessário. O mesmo em relação ao estacionamento. Na minha rua, perto das Amoreiras, fizeram até um traço contínuo amarelo, que ninguém respeita e não há fiscalização. Numa rua sem saída, é muito complicado. Até os moradores ficam sem lugares para estacionar.

  • Manuel Marques
    Responder

    Da foto de destaque, destaca-se um edificio com belíssimos exemplos de marquise portuguesa, um património muito nosso. Zonas “nobres”

  • Antônio leonel
    Responder

    Bem vindos á Portugal

  • Mickael jacky son
    Responder

    Portugal vai deixar de ser português…
    Dentro de anos vão ver…
    Vai ser um país só para ricos, vão todos se lascar a querer ganhar dinheiro.
    Azar

  • Leife
    Responder

    Nem uma palavrinha sobre o vil Robles…quem é amigo quem é???

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend