Muitas obras que pareciam estar estagnadas ganharam recentemente um novo impulso, com a movimentação de máquinas e homens, como sucede com a requalificação da ala Norte do jardim do Campo Grande, que a Câmara Municipal de Lisboa espera poder inaugurar dia 30 de Junho.

Essa é a data que se lê carimbada no cartaz da obra, que está a cargo da empresa Luis Frazão – a mesma a quem foi adjudicada pela câmara a segunda fase da requalificação da Ribeira das Naus.

Contactada pelo Corvo, a empresa escusou-se a confirmar a conclusão da obra nessa data , remetendo todas as questões relativas à empreitada para a autarquia, mas esta confirmou o prazo anunciado. “Esperamos ter a obra pronta a 30 de Junho”, disse ao Corvo João Camolas, assessor do vereador Sá Fernandes, responsável pelo espaço público e ambiente urbano.

Só nessa altura reabrirá também a passagem aérea para peões existente junto à Universidade Lusófona, ligando um e outro lado do Campo Grande. Esta passagem foi  interdita no ano passado, quando, em Agosto, as obras de requalificação se iniciaram com a vedação da ala norte do jardim.

Um dos acessos da passagem aérea foi desfeito pela queda de uma árvore, à data do temporal que em Janeiro se abateu sobre Lisboa. “Esse acesso não está incluído na empreitada de requalificação”, salientou João Camolas, acrescentando que o encargo de refazer a rampa que foi destruída “é de outro departamento da câmara, o das obras de arte”.

Mas estará pronto também a 30 de Junho?, questionou O Corvo. “Sobre esse acesso não posso responder porque não é do âmbito da obra de requalificação do jardim e não estava previsto  obra naquela parte”, respondeu o assessor do vereador Sá Fernandes.

Embora tenha  fama de não ser utilizada, esta passagem de peões parece fazer  falta a muitas pessoas que circulam na zona, nomeadamente estudantes, como alguns afirmaram ao Corvo. “Tenho de contar com pelo menos mais 15 minutos quando venho para as aulas, porque sou obrigada a dar a volta toda ao Campo Grande para chegar aqui”, disse ao Corvo uma estudante da Lusófona.  Actualmente, é preciso ir quase até à Segunda Circular para atravessar a ala Norte do  Campo Grande de um lado a outro.

A obra de requalificação da ala norte do jardim iniciou-se em Agosto do ano passado, mas durante oito meses nada se viu avançar. Ao longo de todo o Inverno, nem homens nem máquinas se viram  a trabalhar na zona. E só mesmo em finais de Abril as obras ganharam ritmo. Mas João Camolas garante: “As obras nunca estiveram paradas”. Só não avançavam.  “Abrandaram por causa da chuva”, prefere dizer o assessor do vereador Sá Fernandes.

A empreitada  em curso inclui a recuperação dos caminhos, da iluminação pública e do arvoredo, parte do qual foi afectado pelo temporal  e pelo abandono a que tem estado votado. “Junto ao Caleidoscópio, está prevista a criação de uma esplanada sobre o lago, que está a ser recuperado e que vai ter todas as condições” para ser usufruído, explicou ainda João Camolas.

E, em final de Junho, talvez já se possa de novo “vogar sonhadoramente no Lago do Campo Grande”, como referia José Rodrigues Miguéis no livro “A Escola do Paraíso”.

 

In Um passeio à volta do Campo Grande, - No Lago do Campo Grande, Ilustração Portuguesa, 28 de Agosto de 1905

In Um passeio à volta do Campo Grande, – No Lago do Campo Grande, Ilustração Portuguesa, 28 de Agosto de 1905

 

Texto e fotografia: Fernanda Ribeiro     Ilustração: Ilustração Portuguesa, 1905

  • Nuno Rebelo
    Responder

    Das Boas Notícias RT @ocorvo_noticias Câmara quer inaugurar requalificação do Campo Grande a 30 de Junho – http://t.co/xOgqNfTVaF

  • joão sentieiro
    Responder

    O mesmo se passa com o jardim de Santa Clara na Ameixoeira. Seria interessante saber quando reabrem ao público este jardim em obras há quase um ano.

  • Vespinha
    Responder

    Bem merece o Campo Grande, ganhar a vida de outros tempos…

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com