São menos oito milhões de euros, vezes três, cobrados a um negócio de muitos milhões. A Assembleia Municipal de Lisboa vai discutir e votar, esta terça-feira, uma proposta camarária para prolongar a isenção de taxas às próximas duas edições de Rock in Rio Lisboa, a realizar em 2016 e 2018. Aprovada em reunião de executivo, a 23 de Abril passado, a deliberação municipal, que contou com os votos a favor de PS, PSD e CDS, a abstenção de dois independentes e contra dos dois vereadores comunistas, prevê que o mega-festival de música receba um tratamento idêntico ao da edição deste ano, iniciada ontem e que termina no próximo domingo, 1 de Junho. Em troca, os organizadores asseguram uma série de contrapartidas que, todavia, não estão quantificadas.

A proposta do vereador José Sá Fernandes concede à Better World, organizadora do festival, uma dispensa de pagamento das habituais taxas – cobradas aos promotores de eventos e espectáculos que fazem uso do espaço público -, bem como das taxas e licenças pela realização de obras de recuperação do edifício da Casa Grande da Bela Vista e do funcionamento da cafetaria-espaço cultural a instalar na mesma. O documento define também a não cobrança à empresa do “preço previsto na Tabela de Preços e Outras Receitas Municipais (TPRM) pelo aluguer de equipamentos e materiais da CML”. A organização do festival fica ainda livre de pagar outras despesas, como “a disponibilização de 500 metros cúbicos de casca de pinheiro”.

Tal tratamento é, no entanto, o mero prolongar da benesse concedida à Better World para a edição já em curso – na qual espera receber 350 mil espectadores. O valor de cerca de oito milhões de euros não cobrados refere-se à soma dos cinco milhões da licença especial de ruído, dos 2,94 milhões devidos pela ocupação do Parque da Bela Vista com estruturas, dos 149 mil euros para meios humanos, dos 31 mil euros para “acções de delegação” e mais outras taxas e licenciamentos. Estes foram os valores avançados por Sá Fernandes, durante a reunião camarária em que o assunto foi discutido e votado, no mês passado.

Para justificar o benefício dado à empresa brasileira neste evento – que conta com o trabalho voluntário de 400 jovens -, o vereador salienta uma série de ganhos obtidos com a realização do Rock in Rio Lisboa, ao longo dos últimos 10 anos: “um investimento de 125 milhões de euros em Portugal, tendo gerado mais de 45 mil empregos, entre directos e indirectos; a doação, juntamente com os seus parceiros, de cerca de 2,8 milhões de euros para causas sociais; a instalação de 760 painéis fotovoltáicos em escolas (…); e um projecto de reflorestação que inclui a plantação de cerca de 118 mil árvores, entre outros projectos”.

Além disso, assegura: as cinco edições já realizadas “foram responsáveis pela divulgação da cidade de Lisboa, a nível nacional e internacional, com mais-valias significativas”. “Tendo em consideração a relevância do Rock in Rio Lisboa para a promoção e divulgação do nome e da imagem da cidade de Lisboa e de Portugal, é do interesse da Câmara Municipal de Lisboa garantir a realização do evento por mais duas edições, a decorrer em 2016 e 2018, nesta cidade”, sustenta a proposta, após lembrar que o festival “fez com que Lisboa fosse vista por 700 milhões de pessoas, em 60 países”. O bilhete diário para a edição deste ano custa 60 euros.
Texto: Samuel Alemão

  • Frederico Campos
    Responder

    incrivel esta proposta de Antonio Costa!!!!

  • Maria Amélia Rodrigues Cabaça
    Responder

    Não dá para entender, isentar o rock in rio???

  • Maria de Morais
    Responder

    400 voluntarios? 400 imbecis

  • Frederico Campos
    Responder

    acredita que há 400 voluntários? tretas, é uma pouca vergonha igual à que fizeram quando puseram carros formula 1 da renault a acelerar na Av da liberdade, uma das zonas mais poluidas da Europa!!!

  • Maria de Morais
    Responder

    e dizem que o Antonio Costa é sensato? eu iria ver nos bolsos dele, ou é necessario termos a lista das contrapartidas… nao pode ser, quantos teatros a fecharem ? so cultura com c minusculo… unicamente para ter votos do zé povo

  • Maria de Morais
    Responder

    Vai ver que quem lhe vai pagar a “corrida” para as eleiçoes vai ser o rock em rio

  • Frederico Campos
    Responder

    Acho que não entra na corrida porque aparece António Guterres, espero eu…

  • Xico
    Responder

    Mais um díscipulo de Sócrates. Como ministro da AI e da Justiça no tempo de Sócrates nunca valeu nada. De resto são os unicos feitos que se lhe conhecem. Mas fala cá com uma sapiencia, digna de um filosofo. Sabes muito oh Costa, mas a mim nao me enganas tu. Onde é que ficam os Lisboetas agora?! Vigarista pa.

  • Responder

    inacreditável!

  • Nuno Rebelo
    Responder

    agora que uns 90.000 pagaram 60€, leia-se RT @ocorvo_noticias Câmara isenta de taxas Rock in Rio até 2018 – http://t.co/K0VThOgnEU

  • Nuno Rebelo
    Responder

    RT @ocorvo_noticias: Câmara isenta de taxas Rock in Rio até 2018 – http://t.co/B4yD3USQq8

  • GBN
    Responder

    Inacreditável.
    Para além de discriminatório quer para outros festivais quer para outros negócios não se entende que haja isenção porque não estão quantificadas contrapartidas. Qual o sentido de perdoar 8 milhões a troco de nada ?
    Fui ao RIR e fiquei estupefacto com a desorganização à saída do concerto dos Rolling Stones . Metro fechado ! Táxis sem paragem, quando aparecia um dezenas em cima dele, turistas às aranhas, autocarros insuficientes. Conclusão saímos às 2 h00 da manhã e só às 4h00 conseguimos chegar ao Cais do Sodré.
    A CML deveria era preocupar-se com o planeamente e organização do escoamento das 90 000 pessoas, com a imagem que passou para os turistas enão em isentar 8 milhões de euros. A gestão da CML diz tudo do que nos espera se vierem a governar o país.

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com