Ainda está por apurar o número exacto de arruamentos e a área abrangida pela intervenção, mas é certo que a Câmara Municipal de Lisboa iniciará, em janeiro de 2017, uma operação de substituição das muitas lajes de pavimento em pedra lioz que se encontram partidas. Rua da Vitória, Praça do Comércio e Praça do Martim Moniz serão alguns dos arruamentos sujeitos aos trabalhos de reparação do piso de áreas pedonais, que em alguns locais não aguentou a função a que estava destinado. “Há uma empreitada que vai ficar aberta, já em janeiro, para resolver todos estes problemas das pedras e que pretende resolver todas estas matérias na zona da Baixa e do centro histórico, em particular na Rua da Vitória”, informou Duarte Cordeiro, vice-presidente da autarquia, durante a reunião pública de executivo, ocorrida nesta quarta-feira (21 de dezembro).

 

Duarte Cordeiro, que respondia a uma interpelação sobre a matéria do vereador comunista Carlos Moura, disse que, “no caso da Rua da Vitória, acresce o facto de aquilo ter sido mal construído de raiz”. “O problema está no facto de o empreiteiro, entretanto, ter falido e, portanto, termos de ser nós a fazer essa obra”, afirmou o vice-presidente da câmara, pedindo ainda ajuda ao eleito do PCP para que forneça informação sobre as situações similares identificadas pelo partido da oposição. Uma forma de garantir que todas as ruas com problemas serão abrangidas pela reparação. “Em algumas zonas da cidade, como o Martim Moniz, a Rua da Vitória ou mesmo na Praça do Comércio, temos pavimentos em laje de lioz profundamente degradados, a ponto de se tornarem perigosos para a circulação dos peões”, criticara Carlos Moura.

 

O pavimento em lioz da Rua da Vitória, que faz a ligação entre a saída de metropolitano da Baixa e a Rua dos Fanqueiros, substituiu outro em calçada portuguesa e foi colocado em 2014, no âmbito de uma operação de reabilitação daquela importante artéria – integrada no então novo sistema de acessibilidades ao Castelo de São Jorge. Logo quando foi inaugurado, o pavimento deu que falar por maus motivos, sobretudo por ser bastante escorregadio quando molhado. Pouco depois, começavam-se a fazer sentir os efeitos do que a Câmara Municipal de Lisboa reconhece agora ter sido uma má aplicação das lajes de pedra, em diversos pontos. Em Fevereiro deste ano, O Corvo havia já dado conta do estado de avançada degradação do pavimento naquela rua.

 

Texto: Samuel Alemão

 

 

  • Man Next Door
    Responder

    Câmara de Lisboa vai substituir piso danificado de pedra lioz em várias ruas https://t.co/SdAlzGEQtL

  • Joaquim Xavier Lopes
    Responder

    A calçada portuguesa é bonita. Quanto a ser boa para andar…
    Porque será que nas zonas em que as “ciclovias” coexistem com a calçada os peões insistem em andar no piso betuminoso da “ciclocoisa”?
    Será embirração com os destinatários dessa infraestrutura? Será para proteger a beleza da calçada?
    Ou será que é por ser mais cómoda para andar?

    • Jorge
      Responder

      Sim a ciclovia é mais cómoda para andar, e então?
      Quer substituir todas as calçadas por ciclovias?
      É com cada uma…

  • Martim Galamba
    Responder

    E substituem por quê?

  • Dirk Scott
    Responder

    Eu vejo caminhões dirigindo para as áreas pedestres a maioria dos dias em Lisboa. Isto é o que causa o dano. É um problema da polícia. O fracasso da polícia para fazer cumprir a lei custa à cidade milhões de euros em pavimentos danificados.

  • São Lopes
    Responder

    Joaquim Xavier Lopes Bom, parece que esta calçada de laje também não é muito boa… a calçada portuguesa, se estiver em condições é óptima e tem a vantagem de ser permeável.

  • isabel santiago
    Responder

    Socialistas da CM de Lisboa sempre a delapidar o dinheiro dos contribuintes:
    “Quando a CML decidiu alterar o… https://t.co/Io0JtrzKtn

  • Tiago Pinto
    Responder

    Gonçalo Pinto
    Rua da vitória?????

  • Joaquim Xavier Lopes
    Responder

    São Lopes não elogiei a laje de lioz, até porque é pessima especialmente quando chove. Quanto à calçada portuguesa ser optima reitero o que disse atrás: se é assim tão boa porque razão os peões a preterem em favor do betuminoso? Basta ir, por exemplo, à Duque de Avila para perceber do que falo.
    Quanto à permeabilidade da calçada portuguesa… é muito relativa, já que o calcário não é muito permeável e fica dependente da permeabilidade dos intersticios entre as pedras.
    Gosto da opção que a CML está a tomar no Eixo Central, ainda que nalgumas ruas pudesse optar por uma relação entre o betuminoso e a calçada portuguesa mais equitativa, como é o caso da rua Tomás Ribeiro em que a calçada ficou confinada a uma faixa com cerca de 40 cms num passeio com mais de 2 metros de largura.

  • Marta Vale Costa Reis
    Responder

    O eixo central é isto … uma vergonha

  • Luís Neves
    Responder

    Este piso em lioz é muito mais perigoso (escorrega) e durável que a calçada portuguesa.

  • São Lopes
    Responder

    Nunca se vai poder agradar a toda a gente, eu sugeria deixar os pontos históricos e emblemáticos da cidade, bairros históricos, as “caras” de Lisboa em calçada portuguesa, e as zonas de interesse meramente económico ou prático, ou mesmo bairros novos noutras soluções

    • Jorge
      Responder

      Curiosamente, o pavimento na Estação de Santa Apolónia é em calçada portuguesa com um revestimento liso, está exposta aos elementos e andam nela os carrinhos de bagagens e as pessoas com malas de rodas, e está em boas condições.
      Parece-me que o problema da calçada está mais no acabamento, que não costuma ser liso, e na falta de manutenção.

  • Maria Marreiros
    Responder

    O empreiteiro que fez a obra faliu (muito conveniente), mas quando se inicia uma obra deste cariz não se ponderam bem os materiais a utilizar? e até onde vai a responsabilidade do empreiteiro? Portanto a CML (ou seja, os nossos impostos) vai pagar nova obra? assim vamos longe.

  • José
    Responder

    O pavimento em pedra lioz , É PRATICO de facil limpeza, e fica bem.
    O problema são, os carros de cargas e descargas, maquinas de limpeza pesada, QUE ESTRAGAM E PARTE OS MOSAICOS.
    A policia tambem nada faz, e tambem não existe, brio por parte de quem faz estes trabalhos por LISBOA.

  • Carlos Nascimento
    Responder

    Por calçada portuguesa é o que deviam fazer,e deixarem-se de invenções e tretas .

  • Luis Filipe Monteiro
    Responder

    Câmara de Lisboa vai substituir piso danificado de pedra lioz em várias ruas https://t.co/mPa7LW7Ocu

  • Luis Filipe Monteiro
    Responder

    Câmara de Lisboa vai substituir piso danificado de pedra lioz em várias ruas | O Corvo | sítio de Lisboa https://t.co/c35xGPIY2X

  • Pedra ornamental
    Responder

    O uso de pedra ornamental deve ter em conta o local onde esta vai ser aplicada. O lioz – calcário – não é apropriado para pavimentos exteriores, pois desgasta-se facilmente, fica muito liso, abre fissuras e reage mal a todo o tipo de agressões ambientais que, muitas vezes, redundam numa pedra toda esburacada e com fraca resistência. Mesmo em espaços interiores mas muito pisoteados, como nalgumas estações de metro, é fraca escolha. Pede-se um melhor conhecimento relativo à adequação /durabilidade dos materiais e sua correta aplicação, pois as obras adjudicadas barato dão sempre fraco resultado a curto prazo e o contribuinte é que suporta o custo da incompetência.

Deixe um comentário.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Hugo David
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises
Fala conosco!

Not readable? Change text. captcha txt

Start typing and press Enter to search