Câmara de Lisboa vai conceder incentivos fiscais às lojas mais tradicionais da cidade

ACTUALIDADE
Samuel Alemão

Texto

Carla Rosado

Fotografia

URBANISMO

VIDA NA CIDADE

Cidade de Lisboa

22 Abril, 2015

Numa altura em que algumas das lojas mais antigas de Lisboa, tanto as da Baixa como as dos restantes bairros, fecham portas ou sobrevivem com enormes dificuldades, fala-se cada vez mais em descaracterização do comércio e da cidade. A Câmara Municipal de Lisboa (CML) está, por isso, a preparar um sistema de reconhecimento dos estabelecimentos mais icónicos da capital, que culminará na concessão de apoios fiscais aqueles que vejam a sua singularidade reconhecida. O dado foi avançado por um dirigente municipal, na tarde desta terça-feira (21 de Abril), durante a conferência “Baixa Pombalina a Património Mundial: ainda é possível?”.


 

“Estamos a trabalhar, no nosso pelouro, e em conjunto com o da Economia e Inovação e também com o da Cultura, na criação de um sistema de reconhecimento das ‘lojas de tradição’. E tal dará, depois, origem à criação de um conjunto de incentivos fiscais para ajudar a manter essas lojas”, revelou Paulo Pais, director do Departamento de Planeamento e Reabilitação Urbana da CML. Ajudas que poderão passar pela isenção ou por uma grande redução das taxas municipais. O responsável não deixou de assinalar, porém, as grandes dificuldades criadas a muitos dos estabelecimentos mais tradicionais da capital pelo novo regime de arrendamento urbano – a chamada “lei das rendas”.

 

A autarquia aprovou, em Fevereiro passado, a criação de Programa Lojas com História, através do qual se pretende instituir uma identidade comum a todos os estabelecimentos tradicionais de Lisboa, para assim os poder promover – era a ele que Paulo Pais se referia. O projecto prevê o surgimento de um grupo de trabalho responsável pelo levantamento, mapeamento e caracterização destas lojas consideradas singulares. Para além de possíveis medidas urbanísticas, financeiras e da área cultural relacionadas com este conjunto de espaços comerciais, será ainda elaborado um guia para turistas e residentes.

 

No início de Março, também o grupo cívico Fórum Cidadania LX tornou pública a criação do “círculo das lojas de carácter e tradição de Lisboa”, através do qual se pretende apoiar estabelecimentos comerciais emblemáticos e com actividade há pelo menos 50 anos ou que seja considerada uma “loja única” – isto é, cuja actividade seja a única de porta aberta; seja uma loja indissociável do próprio local ou onde tenham ocorrido “factos históricos”. Deste circuito, com uma estratégia colectiva de valorização, fazem parte uma vintena de estabelecimentos, como a Tabacaria Mónaco, a Casa Achilles, a Sapataria do Carmo, a Pastelaria Versailles ou a Farmácia Morão.

MAIS ACTUALIDADE

COMENTÁRIOS

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografias & Fotografia

Paula Ferreira
Fotografía

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Send this to a friend