O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, prometeu, na tarde desta terça-feira (25 de outubro), a criação de mais 7.000 lugares de estacionamento automóvel na cidade, até ao final do presente mandato, que termina daqui a cerca de um ano. “Estes lugares mais que duplicarão a capacidade dos estacionamento e parqueamentos actualmente sob gestão da EMEL . Friso que não se trata do alargamento das áreas de interferência da EMEL, trata-se da criação de lugares de estacionamento”, afirmou o autarca, na sua intervenção inicial no debate anual sobre o estado da cidade, decorrido na Assembleia Municipal de Lisboa (AML).

 

“Este não é um programa futuro, já está a acontecer hoje”, disse, salientando que há já quatro novos parques em funcionamento: dois em São Vicente, um em Campo de Ourique e outro no Casal Vistoso. Medina explicou aos deputados municipais que os novos lugares serão de três tipos. “Será estacionamento, em primeiro lugar, para residentes, de acordo com a modalidade actual de utilização dos serviços da EMEL. Trata-se, em segundo lugar, de estacionamento para residentes através de parques com avenças reduzidas. Mas trata-se também da criação de parques junto a estações de metro ou hubs de transportes, para permitir uma utilização mais forte do transporte público. Estes parques estarão disponíveis a preço reduzido e simbólico para todos aqueles que sejam frequentadores do transporte público”, explanou.

 

O presidente da câmara da capital garantiu que, até ao final de 2016, estarão disponíveis mais 15 parques pela cidade, num total de 2000 lugares, distribuídos pelas freguesias de Alcântara, Alvalade, Areeiro, Belém, Campolide, Lumiar, Marvila, Santo António e São Domingos de Benfica. No primeiro trimestre de 2017, e ainda de acordo com o plano apresentado por Medina, surgirão mais 11 parqueamentos, distribuídos pelas freguesias de Areeiro, Campolide, Santa Clara, Belém, Lumiar, São Domingos de Benfica, Benfica, Penha de França e São Vicente. Por fim, nos segundo e terceiros trimestres do próximo ano, nascerão outros 11 parques de estacionamento. “Estabeleceremos todas as parcerias que pudermos com instituições para darmos uso, com rapidez, a lugares que não estão agora a ser utilizados”, detalhou o autarca.

 

Esta forma de resolver os problemas de estacionamento foi alvo de particular auto-congratulação por parte de Fernando Medina, que destacou o “carácter simples e criativo” da solução encontrada. “A nossa abordagem é muito prática e sensata. Olhamos para um espaço em que haverá um período previsível, durante uns anos, sem utilização, porque houve loteamentos que não avançaram ou certos projetos não progrediram. Então, decidimos utilizá-lo, recorrendo a uma solução económica, que melhora a qualidade de vida dos residentes na cidade e totalmente compatível com uma visão de sustentabilidade da cidade a médio prazo. Isto porque vai permitir mais qualidade de vida e mais oportunidades de escolha de mobilidade”, concretizou.

 

O anúncio levou a que, minutos depois, o deputado Ricardo Robles, do Bloco de Esquerda, ironizasse, apelidando Medina de “presidente da câmara recordista na criação de lugares de estacionamento em Lisboa”. Mas foi a comunista Natacha Amaro quem mais diretamente lançou dúvidas sobre a pertinência de tal plano de expansão dos parques de estacionamento, que, considera, “não dissuadirão as pessoas de trazer os automóveis para a cidade, apenas convidam as pessoas a trazê-los para o centro da cidade”. “Vamos ver a que preço”, afirmou, na sequência das suas críticas ao que considera ser a falta de uma aposta concreta na melhoria do sistema de transportes públicos. Um reparo também feito pelo deputado do PSD Sérgio Azevedo. Dirigindo-se a Medina, o eleito social-democrata criticou as “falhas na reposição das carreiras de eléctrico” e na criação de incentivos à utilização de meios de transporte mais amigos do ambiente.

 

Texto: Samuel Alemão

 

  • Paulo Magalhães
    Responder

    A criação de condições para a continuada “invasão” de carros em Lisboa é processo que não acabará nunca ?

  • Luis Miguel N. Filipe
    Responder

    Espero q sejam para moradores e que não sejam mais um convite à invasão diária de automóveis a que a cidade está sujeita!

  • Catarina Morais
    Responder

    Ainda bem que a eleita do PCP chamou a atenção para os transportes públicos. A solução é essa e não mais parques de estacionamento na cidade!

  • Paulo Ramos
    Responder

    Ele cria e nós pagamos existe pessoas a pagarem 360 euros por ano para estacionar o carro na rua

  • Paula Gomes
    Responder

    vai retirar as Árvores que ocupam muito espaço

  • Miguel Rodeia
    Responder

    Ver para crer.

  • José Lopes
    Responder

    Se não querem ser utópicos a solução passa por isto. Parques junto a estações limítrofes de Metro e comboio, parques para moradores obviamente pagos.

  • Igor Damasceno
    Responder

    Isso é uma grande mentira. Eu sou morador do Bairro Alto e vi nos últimos meses o desaparecimento de vagas de estacionamento na zona entre Cais do Sodré e Santos onde ainda era possível deixar o meu veículo. Os moradores do Bairro Alto bem como todos da Freguesia da Misericórdia estão abandonados por este governo. Aqui não há criação de vagas, há sim vagas se transformando em passeios largos ao agrado dos turistas.

  • Carlos Maciel
    Responder

    Câmara de Lisboa prevê criar mais sete mil lugares de estacionamento até fim de 2017 https://t.co/4ROBBazLno

  • Jorge
    Responder

    O equilíbrio entre os diferentes interesses é importante, mas o que temos visto é exatamente o contrário. Têm sistematicamente eliminado lugares de estacionamento, e os parques já criados por esta vereação são pequenas exceções. Agora no final do mandato querem passar outra ideia…
    Um grande trabalho a esse nível foi feito por Jorge Sampaio e João Soares, que dotaram Lisboa do tipo de parques que existem em cidades modernas: parques subterrâneos, que tiram os carros da superfície e ajudam a descongestionar a cidade, libertando passeios para os peões, etc.

  • Ema Câmara
    Responder

    Câmara de Lisboa prevê criar mais sete mil lugares de estacionamento até fim de 2017 https://t.co/lIRmnmX4Qx

Deixe um comentário.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa