A Câmara Municipal de Lisboa deverá iniciar, nos próximos meses, uma experiência baseada na criação de brigadas de cidadãos voluntários para detectarem os locais onde a falta de limpeza é recorrente. O que permitirá auxiliar a autarquia no seu papel de manutenção do espaço público nas devidas condições. A ideia foi lançada por um munícipe, na reunião descentralizada do executivo, ocorrida na noite de quarta-feira, nas instalações do Instituto Superior de Educação e Ciências – ISEC, à Alameda das Linhas de Torres, e destinada a ouvir os moradores das freguesias do Lumiar e de Santa Clara. E mereceu boa aceitação por parte de Duarte Cordeiro, vereador com o pelouro da Higiene Urbana.

“Parece-me bem. Um banco de voluntariado pode ser uma boa ideia para ajudar na identificação de focos de insalubridade e pontos onde há um incumprimento reiterado na limpeza”, afirmou Duarte Cordeiro, em resposta a António Sequeira, um militar na reforma, para quem a acção dos varredores se manifesta insuficiente, face à continuada falta de civismo de muitos cidadãos, parte dos quais faz uso desleixado dos ecopontos e das papeleiras. O munícipe até se ofereceu para participar nesse movimento de “base popular”. O vereador elogiou a proposta e, apesar de frisar que “a limpeza urbana será sempre uma competência da Câmara Municipal de Lisboa”, demonstrou disponibilidade para reunir com o proponente e estudar a melhor forma de fazer “um projecto-piloto nesta área, que pode ser muito interessante”.

 

Texto: Samuel Alemão

  • Francisco Galope
    Responder

    Já percebi: é a saída limpa.

  • Madalena Esteves
    Responder

    Eu já mandei alguns mails para a CML a alertar para várias situações. Quem coloca sacos de lixo ao pé dos troncos das árvores e noutros locais devia de pagar uma multa.

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com